Antologia A Magia do Natal: 2x20 - Reencontro em uma Noite de Natal (Season Finale)

  

Sinopse: Numa noite de Natal, Idalice convida seus dois irmãos mais novos para a ceia de Natal. Os dois irmãos, por motivos desconhecidos, cortaram relações cedo na vida e o sonho da irmã mais velha era vê-los reconectados na amizade, naquela noite de Natal.


2x20 - Reencontro em uma Noite de Natal (Season Finale)
de Cristina Faga

Minha mãe segurava o menino Jesus no colo e seu olhar perdia-se no meio da árvore. Eu terminava de passar o fio das luzes coloridas entre os galhos do pinheiro e fiz o primeiro teste, acendendo a luz. Em alguns lugares, ficara um amontoado de luzinhas. Apaguei-as e as separei para deixá-las distribuídas com equilíbrio.

Quando olhei para minha mãe, ela ainda segurava o menino Jesus, perdida em lembranças de outros Natais. Eu podia apostar que ela havia voltado à infância, quando seus dois irmãos menores ainda não a perturbavam tanto. Intrometi-me no meio dos seus sonhos:

– Então, mãe, ficou bom? – e acendi as luzes.

Ela não me respondeu. Minha pergunta só serviu para ela sair do transe:

– Será que eu já coloco o menino Jesus na manjedoura ou espero até a meia-noite? Osnir gosta de ver o menino Jesus somente à meia-noite, quando ele nasce, efetivamente. Já Evandro gosta de vê-lo sob a árvore quando chega. O que eu faço?

– O que a senhora quer fazer?

Desta vez, minha pergunta serviu para colocá-la de volta ao transe. Ela não sabia o que queria fazer. Seus lábios balbuciavam uma oração, os olhos fechados pediam com fervor por uma mudança, por um milagre. Afastei-me da árvore para ver se estava bom. Sim, agora as luzinhas tinham ficado espalhadas com harmonia. Harmonia! Era isso o que, em outras palavras, minha mãe pedia a Deus.

Todo Natal era a mesma ladainha: minha mãe, a dona Idalice, contava-me a mesma história na clara intenção de resgatar, em cores vivas, a aquarela da memória cuja paleta fora desbotada pelo tempo.

Dona Idalice era mais velha que os dois irmãos: de Osnir, cinco anos e de Evandro, sete. Desde muito cedo, ela teve a responsabilidade de preocupar-se, de cuidar, de apaziguar os dois irmãos menores, devido à saúde debilitada da mãe, dona Francisca. E desdobrava-se em cuidar da mãe, dos irmãos menores, da casa, enquanto o pai, seu Antônio trabalhava como motorista de ônibus para dar sustento e dignidade à família.

Mas houve um dia… – sempre há um dia a partir do qual toda a história é marcada, todo o trajeto é desviado, e tudo o que acontece depois é considerado como fruto, consequência, desdobramentos desse dia. É o dia “D”. Isso é minha mãe falando. Sempre a questionei se seria mesmo assim, se esse dia “D” não seria apenas um pretexto ou um motivo para justificar tudo o que deu errado depois, tudo o que foi diferente do planejado, tudo o que saiu do previsto e idealizado. Mas também entendia que para ela, o dia “D” era um escape, era mesmo a origem palpável de acontecimentos e fatos sobre os quais ela não teve nenhum controle.

Como dissera, houve um dia a partir do qual os irmãos começaram a brigar e nunca mais pararam. Eles se estranhavam. Não agiam como irmãos. E sobre os ombros de dona Idalice pesou, além de todos os infortúnios, a culpa. Ela se sentia culpada, de alguma forma, pelo estranhamento dos irmãos menores. Perguntava-se se foi alguma atitude que tivera, uma predileção, muito mimo ou o contrário, um ódio enrustido, uma raiva não declarada, questionamentos próprios de uma verdadeira mãe.

Com o passamento dos pais, era natural que nos Natais a família se encontrasse na casa da dona Idalice. Mas, não! Eles não agiram de modo natural. Eles disputavam um lugar especial. Num ano, quando Osnir passava o Natal com Idalice, Evandro passava o Ano Novo. No outro ano, trocavam de posição e era Evandro quem compartilhava a ceia de Natal com minha mãe e Osnir comemorava conosco o Ano Novo.

Minha mãe estava cansada da disputa, do amor fragmentado. O cansaço se devia ao peso da idade. A cada ano, ela sentia suas forças se esvaírem. Isso era a vida! Nascer, crescer, desenvolver-se e depois morrer. Os irmãos também estavam velhos. Cada qual com sua família, três filhos cada um, todos crescidos, formados, iniciando nova família. Minha mãe teve só a mim e eu entendo o porquê: tendo que cuidar dos outros por tanto tempo, ela não achou tempo de cuidar de mais filhos. Eu até gosto da exclusividade. Vendo a briga dos meus tios, tinha medo que alguma coisa semelhante se desse comigo e meu possível irmão ou irmã.

Naquele Natal, ela pediu que fosse diferente. Que os dois irmãos pudessem sentar-se à mesa, que todos pudessem se confraternizar, sem disputas, sem brigas, sem rivalidades ou ressentimentos envelhecidos. Eles concordaram sem reclamação. Talvez tenham percebido alguma coisa diferente na entonação de sua voz.

Minutos antes de os convidados chegarem, vi os lábios de mamãe se moverem num pedido insistente. Os olhos absortos, as mãos trêmulas, o sorriso hesitante.

– Margarida, ajeite o menino Jesus no cesto de palha, por favor! – pediu-me insegura.

Eu ajeitei e, assim, assegurei-lhe que tudo daria certo.

A partir do toque da campainha, o tempo ficou maluco. Passava depressa em alguns momentos e noutros ia devagar. Os irmãos se cumprimentaram, as famílias se abraçaram e o foco das atenções voltou-se para o peru que já exalava um aroma espetacular. Frutas sobre o aparador. Castanhas e nozes espalhadas pela mesa. E quando dona Idalice sorria de felicidade, conversando com as cunhadas, ajeitando os guardanapos ao lado dos pratos, ouviu-se um objeto cair ao chão e quebrar-se. Todos correram para a sala: tio Osnir pegava a cabeça do menino Jesus, enquanto tio Evandro pegava o resto do corpo.

– Mas custava deixar o Jesus Cristinho no lugar de seu nascimento!

– Ele ainda não nasceu! Quer que ele nasça prematuro?

– É só um símbolo, seu burro!

– Se é só um símbolo, então, tanto faz! Tira-se o menino Jesus e coloca-se quando der a meia-noite! E faz-se a minha vontade, e pronto!

– Ah! Então é disso que se trata? Sempre tem que prevalecer a sua vontade, seu barão?

– Se não for a minha vontade, é a sua que prevalece, bobão!

– Bestão!

– Bobão!

Se eu não estivesse tão preocupada com mamãe, diria que a cena era muito engraçada: dois velhos rabugentos brigando pela imposição de sua vontade, como dois birrentos mimados! Minha mãe correu pegar a cola que tudo cola e a passou nas partes que haviam se separado. Ela tentou juntar, mas suas mãos trêmulas não conseguiam a calma necessária para fazer a junção. Então, ela explodiu:

– Passei a vida inteira tentando fazer isso – juntar duas partes quebradas com amor, dedicação, cuidados e olha o que eu ganhei: meu Jesus inocente quebrado! É isso o que vocês fizeram comigo a vida inteira! Pois bem! Vocês quebraram, vocês que consertem! – e saiu para o quarto chorando.

Não sabia o que fazer, se corria atrás de minha mãe ou se ficava para ver o que ia acontecer e não deixar acontecer o pior. Pena que mamãe não estava para ver o que sucedeu.

– Você sempre foi um arrogante, um idiota, um imbecil!

– Não, não! Esse aí é você, um imbecil, um idiota, um comedor de mortadela, arrotador de caviar! Dá isso aqui que eu vou consertar!

– Não! Eu vou consertar!

E puseram-se os dois a puxar o Cristo de porcelana novamente. Fizeram tanto esforço que os dois caíram no chão. Bom, aí ninguém aguentou. Todo mundo caiu na gargalhada. Até os dois riram da palhaçada que encenaram. Tio Osnir se levantou primeiro e deu a mão para tio Evandro. Os dois se abraçaram, enquanto ainda se xingavam. Riram e consertaram a cabeça de Jesus Cristo.

Fui buscar dona Idalice que apareceu à sala com os olhos vermelhos. Os três se abraçaram. Os dois irmãos pediram perdão para a irmã mais velha. E depois do vexame, todos fomos para a mesa cear.

Parece que o pedido de minha mãe foi atendido. Pairava uma harmonia serena, como se a família sempre tivera a atitude de paz e tranquilidade – a vida inteira.

Meus tios olhavam-se, falavam-se, descobriam-se como se estivessem se vendo pela primeira vez, como se estivessem percebendo suas diferenças, admitindo que tais diferenças eram interessantes, complementares, enriquecedoras.

O que será que os levou a viverem por tanto tempo separados, resguardados do afeto um do outro? Será que alguns poucos xingamentos, aqueles que deixaram de dizer um ao outro quando eram crianças, seriam suficientes para interromper o silêncio, aplainar o abismo que se formou entre eles? Que mecanismos atuavam sobre a alma, a mente, o comportamento deles? Talvez nunca venha a saber.

O que eu sei é que, a partir daquele dia, daquele Natal, o outro dia “D”, os irmãos agiram naturalmente como irmãos. E minha mãe, sentindo que tinha, finalmente, cumprido sua missão, alcançado a graça que tanto pediu a Deus, pôde nos deixar seis meses depois daquela noite de Natal memorável.

Em todos os Natais subsequentes, em que continuamos a passar juntos, aquela imagem de Jesus Cristo na cesta de palha foi requisitada. Ela era um símbolo. Não. Era mais que um símbolo! Era a presença de dona Idalice no meio de nós e a certeza de que Jesus Cristo está vivo e atuando em nossos corações!

E ainda há aqueles que não acreditam em milagres!

Conto escrito por
Cristina Faga

Produção
Bruno Olsen
Cristina Ravela


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO



Copyright 
© 2020 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução


Relacionados

0 comentários: