Antologia A Magia do Natal: 2x09 - O PreZente de Natal

  

Sinopse: O Natal também existe no Reino das Palavras... as letras são como crianças, esperam pela chegada do Papai Noel... entretanto, a ordem segue o alfabeto e o Zê é sempre o último a receber os presentes, portanto, quer inverter a ordem e criar um novo alfabeto - o Zumbix.


2x09 - O  PreZente de Natal
de Celso Lopes

Muita gente não acredita que exista o “reino das palavras”, e bem mais perto do que a gente imagina. Pois, basta olharmos para uma estante e se tiver ali um dicionário... pronto!... É ali mesmo que elas moram. Lá dentro, que parece tudo muito quietinho, quietinho, é onde acontecem as estripulias do abecedário. Por isso mesmo, pode se dizer que as letras, todas elas, são como crianças quando ficam sozinhas num quarto ou numa sala... Um Deus nos acuda!....

Alegres. Serelepes. Bagunceiras... As letras também são assim. São como crianças. Às vezes, até se parecem com a gente. Veja a letra “A”, por exemplo, quem não conhece um menino ou uma menina, um amiguinho, um primo, ou até mesmo um tio mais velho, alto e comprido, de pernas longas feito o “A” maiúsculo? Ou então, alguém com um rosto redondinho com uma franjinha, feito a letra “a” minúscula? A letra “B” se parece com uma criança rechonchudinha, seja pequena na forma minúscula, seja grande na forma maiúscula. E assim vai indo. Cada letra com o seu jeito. Igualzinho uma criança. E que melhor momento para ver a alegria das crianças senão quando chega o Natal? Cada criança, à sua maneira, não vê a hora de acordar e encontrar o seu presentinho trazido pelo Papai Noel.

No reino das letras é a mesma coisa. Papai Noel chega na casa de uma letra, entra pela chaminé ou pela janela entreaberta, olha para a arvorezinha enfeitada, pega a lista dos presentes, avalia como foi a criança durante o ano, e pronto. Coloca ali o tanto certo de brinquedos para cada criança, digo, para cada letra que habita o “reino das palavras”. E assim as letras vivem felizes para sempre? Nada disso. Sempre há uma pedra no meio do caminho que atende pelo nome de Zê!... A letra Zê, a última letra do alfabeto, sempre foi uma espécie de criança zangada. Tão zangada como o personagem Zangado na história da Branca de Neve e os Sete Anões. Mais que enfezado, o Zê não se conformava em ser, todos os anos, o último de todos a ganhar o seu presente de Natal. O Papai-Noel não tinha culpa, pois a recomendação era seguir a ordem alfabética: a, b, c, d, e , f, g, h, i, j... E era isso que mais irritava essa criança zangada chamada Zê.

Perto do Natal, o Zê vivia choramingando pelos cantos, chutando latas de tão nervoso, e tentando conseguir apoio dos seus vizinhos. O que ele queria mesmo era inverter a ordem da entrega dos presentes. Dessa forma, seria o primeirão. Bem que tentou trazer para o seu lado a letra S, a letra T, a letra U, o W, o Y.... Como não conseguia, ficava trucidando a letra “A” com suas pernas longas ou com sua franjinha no corpo. O “A”, confortável que estava na sua posição, nem ligava para o Zê. Sabia que da sua lavra é que saiam “as mais belas palavras do Natal” . Por isso, dizia e recitava pra quem quisesse ouvir: Amor... Alegria... Altivez.... Apreço.... Apoio.... Alma... Claro que a letra “Bê” não deixava por menos: “ E no Natal não tem Beleza, Bolas, Beatitude, Brincadeiras, Bondade?” – dizia o Bê, tentando ser melhor que o A. Quem não perdia tempo também era a letra CÊ, que sempre se gabava com o seu jeito de meia-lua, das possibilidades de ser soletrado de várias formas, e insistia: “ Quando é preciso sou Casa... mas também sou Ceia, e sou até Criação, e também sou Carinho.... “

Ouvindo isso o “ZÊ” esperneava. Tentava buscar algumas palavras que pudessem competir com esses “espertinhos” – como dizia - , mas nada vinha em sua ajuda. Da sua boca saiam apenas frases provocativas e ofensivas:

- “Zagais” o que são!... “Zabumbada” vocês todos !... – Dizia o Zê em tom alto, enquanto manquitolava tortuoso no “reino das palavras”. O dicionário não tinha culpa. Afinal, permanecia ali na estante, fechado, como um livro qualquer que descansasse dos muitos manuseios e leituras. Mas foi assim mesmo, a páginas fechadas, que se deu balbúrdia, isto é, quase uma revolução nada silenciosa no mundo das letras. As vogais, esparramadas que estavam ao longo das páginas, juntaram-se rapidamente, gritando palavras de ordem contra o zangadinho do Zê: 

- Urra, urra, urra... sozinha a letra Zê é burra! 

Perfiladas e unidas no seu tradicional a-e-i-o-u, as vogais exigiam que tudo ficasse como estava. Os presentes deveriam ser entregues pela ordem do abecedário tradicional: abcdefghijklmnopqrstuvwxy....e finalmente, o Zê!... 

- Zaratrustras!!!... respondia o “Zê” no seu estilo ofensivo contra as vogais. 

Letra tortuosa e explosiva, O “Zê” sempre caminhava dizendo adjetivos próprios (e até impróprios), além de alguns substantivos de difícil compreensão. Era chegar o Zê e lá vinham os nomes estranhos: 

- Zarolhos!... Zagais!... Zabumbada... Zambê!... 

O”Zé” dizia tudo isso e depois ficava “zaranzando” pelas páginas, até seguir veloz e zeloso como um Zepelim voando...

Não se sabe como, mas essa balbúrdia no “reino das palavras” chegou ao ouvido do Papai Noel. O que fazer para tudo ficar em ordem como sempre fora? O bom Velhinho consultou os sábios do universo e mandou o recado. A longa noite em que se comemora o Natal, quando todas as crianças dormem o seu sono encantado, uma carruagem voadora, trazida pelas mais belas Renas do universo, cortaria os continentes para levar tamanha alegria aos pequeninos do mundo. É bem verdade que não havia presentes para todos. Muitos e muitos ficam sem nada. Algumas crianças, quer dizer, letras, nunca, sequer, ganharam um presente de Natal. Mas poucas crianças, quer dizer, letras, ficavam sem o carinho dessa data que homenageia o nascimento do Menino Jesus. Sempre há uma alma boa e solidária para os mais necessitados. Sendo assim, não importa por onde se começa, o que é necessário é que todos ganhem um afeto. Um carinho, simples que seja, pode se transformar num belo presente de Natal.

Papai Noel cumpria a sua parte. Ao amanhecer o dia, todos os presentes estavam entregues, portanto, sua tarefa estava cumprida. Dizendo isso, mandou logo um recado para a “letra-menino Zê”: que ficasse tranquilo, afinal, o presente dele também já estava na caixa para ser entregue no dia de Natal. Portanto – disse Papai Noel - não precisa ficar me mandando recado com indiretas na grafia das letras, para me lembrar do seu presente. Papai Noel disse isso porque o Zê, espertamente, trocava o S pelo Z achando que assim enganaria o bom velhinho. Olha só como o espertinho escrevia as cartinhas: 

“ Papai Noel, minha caZa é logo ali!... Papai Noel, traga meu preZente primeiro!... Papai Noel, não querendo abuZar do Senhor... ” 

Papai Noel sabia que criança era criança, quer dizer, que letra era letra. Sendo assim, cumpriu mais uma etapa na vida de quem não faz outra coisa a não ser entregar as lembranças para o mundo inteiro. Os sinos de Natal soaram com a beleza de sempre. As letras-crianças correram em busca dos presentes. Quanto ao ZÊ - inquieto como sempre - continua dizendo que ainda vai criar um novo alfabeto, cujo nome seria – Alfabeto Zumbix - uma sugestão proposta pelo amigo “XIS”, um indivíduo xereta e xarope, dono de um xeque-mate exclusivo para convencer a todos. Como letra próxima do Zê nesse novo alfabeto, o esperto “XIS” tentava algumas adesões importantes, por isso vivia dizendo: 

 - o W e o Y merecem nosso xodó!... Viva o Alfabeto ZUMBIX!... 

Mas o XIS como seu jeito xucro de jogar xaveco no vazio, percebeu logo a xaropada do xadrez que inventaram. A essa altura, o zombeteiro ZÊ, sem rumo, ziguezagueando entre os vocábulos, zurrava e zumbia a não mais poder. Por fim, ambos, ZÊ e XIS, feito zumbis, riram soltos da zoada e zombaria, certos de que tudo não passava de pura provocação ao milenar e tradicional abecedário. A letra A evitava, a seu modo, à sua maneira, um confronto direto com os integrantes do ZUMBIX, preferindo – sempre que possível – analisar com seus provérbios: 

- “Abnóxios!”... “Abominável” ZUMBIX!... “Abobrinhas” o que falam!... 

Ainda não sabemos como isso vai terminar. O Zê continua lá, tortuoso e inconformado, e sempre manquitolando novas ideias pelo caminho. E o Xis está sempre o lado dele. Papai Noel continua tranquilo para atender aos pedidos de todas as letras-crianças do mundo, mas sabe que no meio do caminho tem uma letra de nome ZÊ e que vive querendo mais e mais “PreZentes”, primeiro que todas as outras crianças.

 

Conto escrito por
Celso Lopes

Produção
Bruno Olsen
Cristina Ravela


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO



Copyright 
© 2020 - WebTV
www.redewtv.com
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução


Relacionados

0 comentários: