Antologia Halloween - Contos de Terror no Brasil - 1x08


Sinopse: Miguel, de cinco anos, filho de humildes trabalhadores rurais que vivem num pequeno sítio, em Soledade, RS, cisma, de repente, que vai para o céu. De onde terá tirado tal ideia? No sitio deles, há uma estranha formação rochosa que há tempos instiga o pai de Miguel.


Soledade, 1986
de Luiz F. Haiml

  

Como se sabe, o entardecer, no verão, não se dá rápido. E pelos interiores, em tal estação, parece decorrer ainda mais devagar, do que nos centros urbanos.

Num cantinho rural da região de Soledade, no Rio Grande do Sul, no sítio em que viviam, e do qual tiravam seu sustento, a família Silva aproveitava um desses arrastados momentos.

 João e Rosa tomavam seu chimarrão no alpendre da casa, uma habitação simples, de madeira, ampliada fazia pouco para dar um quarto só aos meninos. Após a morte dos pais, João morava ali sozinho, até conhecer Rosa. Sete anos mais velha do que ele, Rosa, antes da última cria-lhe dera Salete, e antes dessa, Miguel, que dali a alguns dias completaria cinco anos.

Enquanto a bebê, de apenas alguns meses, dormia numa cestinha perto dos pais, os três manos mais velhos – frutos do primeiro casamento de Rosa – corriam e gritavam ao redor da habitação. Salete seguia junto naquela algazarra, assim como dois incansáveis e barulhentos guaipecas. Um dos meninos, sempre ao passar pela vaca Gertrudes, plácida a ruminar num capãozinho próximo, a espezinhava com caretas e pulos. Só Miguel não estava ali, entre eles.

Rosa tentava não pensar no estranhamento do pequeno Miguel, no dia anterior. Não havia comentado o assunto com o marido, esse já andava agitado por culpa de umas dívidas cada vez mais difíceis de sanar. “Além disso” ela pensava “deve ser coisa de criança, logo passa”, “não as levarei mais à missa, pelo menos os mais pequenos, devem ter se impressionado com o jeito daquele novo padre, gritão e falando o tempo todo que o mundo vai acabar”.

João enchia a cuia quando percebeu o pequeno Miguel a ir-se já lá pelo meio da estreita trilha de saibro que se iniciava um pouco a frente da casa e seguia por uns vinte metros até a cancela que dava entrada ao lugar.

– Miguel!

– Miguel!

O menino voltou-se, calmamente, e sem pressa encaminhou-se a quem o chamara. O pai sorriu. Gorduchinho, a cabeleira toda em caracóis e molinhas, Miguel lembrava aqueles anjinhos das pinturas antigas. O menino chegou diante de João.

– Onde tu ia, meu pequeno?

– Pro céu.

– Tu tá brincando de voar, é? – João largou o chimarrão no porta-cuia, botou Miguel em seus joelhos. O garoto sorriu.

 – Vou ir pro céu... é lá. – e apontou em direção a uma grande rocha. Dentro do terreno, ficava ela há poucos passos da cancela.

 Tal rocha já estava lá desde que o lugar tinha sido comprado pelo pai de João. Moldada em saliências irregulares, de um cinzento que em algumas partes se adensava, era de não muito vasta largura. Em altura, compreendia duas vezes o tamanho de uma pessoa adulta. Não passaria de mais uma imensa pedra qualquer, se não fosse pelo formato – quase perfeitamente retangular – e por intrigar os moradores a questão de ninguém saber como ela tinha ido parar ali, a erguer-se sozinha e única em meio ao que só eram campos e matos por quilômetros ao redor, ficando a pedreira mais próxima em outro município. Decidiram, por isso, não removê-la, deixando-a fixada em seu lugar como uma espécie de monumento.

Tendo crescido à sombra de tal enigmático pedregulho, de uns tempos para cá, João dera a acreditar que, pelas arestas desse, estaria a se esconder um determinado desenho, uma figura que, por mais que João tentasse, forçando os olhos sobre a superfície irregular e áspera, nunca lhe vinha nítida.

– Vai brincar com teus irmãos então...  .

João devolveu o filho ao chão e estremeceu ao perceber que o sorriso do menino se transformara num olhar sem vida. Miguel afastou-se, cabisbaixo, para o lado da casa.

Rosa chegara à porta, tinha entrado para esquentar mais água:

– João, esse menino está estranho. Não te falei nada antes, pois tu já andas muito preocupado

                                   

                                        ***

 

 No dia anterior, na hora do almoço, tendo deixado João na lavoura pra ir tratar as crianças – a bebê ficara com uma vizinha – Rosa estranhara que Miguel não estava a esperá-la; o pequeno sempre a aguardava ansioso, pois ainda gostava de mamar no peito. E como a Rosa tinha leite de sobra, não se importava com isso.

– Onde está Miguelzinho? – perguntou a mãe ansiosa?

– Está no quarto, nem saiu de lá hoje - respondeu Carlos, o mais velho dos irmãos.

– Miguel!...Miguel!...

Sem resposta, ela se apurou ao quarto dos meninos. A inquietação lhe espinhando mais fundo ao ver o que se passava: as roupas de Miguel estavam todas sobre a cama, o menino ao lado delas.

– O que é isso, filho, porque tuas roupas estão assim?

– Não preciso mais delas.

– Por que não?

– Por que logo vou ir pro céu – respondeu Miguel olhando Rosa – lá é bom mãe.

Ela encostou o queixo na testa do menino para ver se estava com febre. Nada. Normal.

– Tá com fome, amor? Não posso demorar muito. Teu pai tá me esperando.

– Não preciso mais comer – o garoto se calou, abaixou a cabeça, sentia-se culpado por atrapalhar a mãe.

Rosa impacientou-se.

– Tudo bem, então. Mas, quando eu voltar quero esta roupa toda no armário!

Rosa não viu remédio, tentou se acalmar, tinha que ir e ajudar o marido; ergueu-se apressada e tropeçou num pequeno vulto desequilibrando-se e quase o derrubando. Era Salete.

– Filha! – Rosa apoiou-se na porta para não cair - Cuidado! – e aí percebeu a pequena maleta.

– Vou junto com ele – diz a menina, antes mesmo que a mãe conseguisse se por totalmente de pé.

– O que é isso, meu Deus? A família está endoidando!

Do quarto atrás de si, a voz de Miguel:

– Não se preocupe, mãe. Não se preocupe... .

Perdendo de vez a paciência, Rosa gritou:

– Está bem, coma quem quiser, deixei tudo na mesa! Preciso voltar!

                                     

                                      ***

 

Um dos filhos passou correndo – a cuia estava caída diante de João – as outras crianças iam surgindo de todos os lados. O mate e a água quente formavam uma massa indefinida aos pés de Rosa. A bebê despertou, começou um choro intenso. Gertrudes iniciou um mugido ininterrupto, melancólico, olhos arregalados, injetados de sangue.

João e a mulher, sem movimentos, viram os filhos se fecharem ao redor de uma pequena forma, tombada essa, bem junto à grande rocha. Não podiam ver, porém, as sombras, que das raízes do grande monólito afloravam, e, se entremeando ao corpo de Miguel, iam lhe desfazendo os traços.

Então, o grito.

– Pai, ele tá morto!

Naquele mesmo instante, naquele especifico ponto da pétrea superfície que tanto o instigava, revelou-se a João, uma imagem. Por entre as duras, rugosas arestas, surgiu um rosto. E João o reconheceu. Soube logo de quem era aquela face profundamente tomada por um sofrimento silencioso mesclado a uma indizível bondade. Num dos vitrais da sua igreja, com um olhar de imensurável ternura, o mesmo homem, cujo rosto João naquele momento via em traços bem claros, segurou uma ovelha em seu colo. Por um momento, o coração do pai ganhou conforto.

A família mudou-se. “Culpa das dívidas”, alegou o casal. 

Conto escrito por
Luiz F. Haiml

Ilustração
Juliana Daniela Schneider

CAL - Comissão de Autores Literários
Agnes Izumi Nagashima
Eliane Rodrigues
Francisco Caetano 
Gisela Lopes Peçanha
Lígia Diniz Donega
Márcio André Silva Garcia
Paulo Luís Ferreira
Pedro Panhoca
Rosside Rodrigues Machado

Produção
Bruno Olsen
Cristina Ravela


Esta é uma obra de ficção virtual sem fins lucrativos. Qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência.


REALIZAÇÃO

Copyright 
© 2021 - webtvplay
www.webtvplayonline.com.br
Todos os direitos reservados
Proibida a cópia ou a reprodução




Relacionados

0 comentários: