0:00 min       ERA UMA VEZ...     CONTO I
0:15:00 min    

WEBTVPLAY APRESENTA
ERA UMA VEZ...



Antologia de
Hugo Martins

CONTO I
A Menina e o Jardineiro




© 2019, Blog da Zih.
Todos os direitos reservados.



A MENINA E O JARDINEIRO


   Era uma vez uma mansão no topo da colina, onde morava a doce e bela Selena. A jovem de olhos azuis e longos cabelos vermelhos.

   Ela passava as manhãs e as tardes cuidando do jardim nos fundos da mansão. Delicada e amorosa conversava com as flores. Sua presença irradiava paz entre todos, os olhos brilhavam de inocência, era um amanhecer que espantava o frio da noite.

   Não morava sozinha. Na mesma mansão, compartilhava o espaço com sua irmã mais velha, e com o cunhado carrasco, César Augusto; sentia medo dele.

   César tinha olhos maldosos, voz áspera e rosto sombrio. Certa noite, ela flagrou lhe mexendo em suas roupas, não sabia o que ele queria, só sentia que não podia confiar nele.

   No início da primavera os brotos floresceram, o jardim pulsava um arco-íris de cores e as rosas vermelhas, brancas e amarelas eram abundantes. Orquídeas roxas enalteciam o lugar. Ali era um paraíso sereno, um frescor que refrigerava a alma.

   César Augusto logo contratou um jardineiro. Um moleque esguio, loiro e de olhos vivos, seu nome era Argos.  

   Em seus dezessete anos, Argos nunca havia saído da cidade. Trabalhador, sempre ajudara seus pais nos serviços do campo. Agora, cuidava dos jardins da cidade. Tinha mão boa pra lidar com flores. Era sensível e apaixonado pela natureza.

   Argos e Selena tinham a mesma idade e, logo tornaram-se amigos. Aguavam o jardim juntos, adubavam a terra, plantavam sementes de girassóis, colhiam as rosas vermelhas.

   Todas as manhãs, ela aguardava o jardineiro subir a colina em sua carroça, para em seguida lhe servir café e bolo. Adorava vê-lo comer. Algo brotava em seu coração. Um sentimento tão puro que não podia explicar.

   Da mesma forma, Argos ia dormir ansioso, aguardando eufórico o amanhecer. Despertar era uma alegria, e saber que veria a jovem, motivo de muita felicidade. Nunca havia experimentado algo parecido. 

   O desejo de estar perto, de fazê-la sorrir, de esbarrar em sua mão ao devolver a xícara, ou talvez segurá-la por alguns instantes. Sentia um fogo arder em seu peito, uma chama que aquecia a alma, e acendia quando a encontrava.

   Mas, em uma noite de pesar, a irmã de Selena morrera. A jovem chorou durante dias, estava sozinha no mundo, sem mãe, pai e sua única irmã. Sentia-se abandonada pela vida, no frio de uma mansão deserta.

   Morar com César Augusto, seu tutor, era um tormento. Ele lhe proibira de ir ao jardim. Dissera-lhe que sua única função era ser dona de casa e mordoma do lar. Aqueles foram dias de trevas. As horas custavam a passar. Selena sentia-se prisioneira dentro da casa. “Como sair dessa situação?”, pensava. “Será que viverei para sempre cativa nesse lugar?”.

   Mas, numa manhã ensolarada, Argos trouxe uma escada, e subira até a janela da jovem. Ela sorriu ao lhe ver. Seu herói havia chegado. Estaria livre daquela prisão. Livre de César Augusto.

   Os dois correram para o jardim. Argos lhe abraçou com todo amor que podia, e ela beijou-lhe as mãos. Trocaram olhares apaixonados. Ele colheu uma rosa e entregou-lhe. Havia destilado seu amor naquela flor. Sentiam-se unidos, amantes, amados.

   O espinho da rosa espetou o dedo de Selena, derramando uma gota de sangue sobre a pétala. Argos carinhosamente beijou-lhe o dedo.  

   Do interior da mansão, um brado terrível ecoou. César Augusto procurava Selena. “Onde está a garota?”, rugia para os criados.

“Esconda-se. Vou distraí-lo”, disse Argos para a amada.

   Mas, ela não se sentia bem, uma tontura lhe tomava por completo. Logo após a saída dele, desmaiou no meio das flores. As pétalas das rosas caiam-lhe por cima. As raízes se entrelaçavam por suas pernas e braços. Um manto de flores cobria-lhe, e seu corpo fora puxado pela terra. Do interior das raízes, entre minhocas e grãos, levantou-se uma rosa exuberante, ainda inexistente, com pétalas vibrantes, e cores pulsantes, numa bela e mágica imagem. Selena transformara-se em rosa.

   Infelizmente, César Augusto a encontrara. Percebendo sua beleza, tratou de escondê-la no quarto, num vaso de porcelana.

   Argos fora expulso da mansão. Não poderia mais se aproximar do lugar. Sem saber do paradeiro de Selena, ainda juntou forças para tentar encontra-la, porém, sem sucesso.

   Acabou-se a primavera. Chegou o verão. As estações passavam uma atrás da outra, e Selena permanecia presa no quarto de César Augusto, que contemplava a flor com obsessão, em um olhar frio de apatia.

   Com o passar do tempo, a rosa não murchava. Suas cores vibravam, e no inverno, uma chama azul lhe envolvia, protegendo-lhe. Selena estava viva através da flor.

   Ainda era inverno, quando em uma noite gelada, a raiz da rosa começou a se mexer. Durante a madrugada, cresceu extraordinariamente e alongando-se cruzou o quarto de César Augusto. Passou por debaixo das portas e saiu da mansão. Única e determinada; percorreu todo o monte, descendo até o vale. Cruzando bosques selvagens, riachos profundos e muros de pedra. Chegou à vila de agricultores, na última casa da rua, feita de madeira simples e rústica.

   A raiz escalou as paredes até chegar à janela do jovem Argos. Ultrapassou a passagem de vidro na janela e correu até à cama, onde o jardineiro dormia. Com um só espinho, espetou-lhe o indicador lhe acordando de imediato.  

   Argos fora surpreendido pela raiz em sua cama, e ainda em choque não reagira. Simplesmente, observou enroscar lhe o dedo, e aproximá-lo da boca. Não entendia aquilo. “Por que a raiz segurava-lhe o dedo, com uma gota de sangue?”, pensava. Mesmo assim, permitiu tudo isso, e logo, entendeu o recado. “Era Selena, minha doce amada”, pensou sorrindo.

   Levantou-se rapidamente e correu até à mansão. A raiz lhe ajudou a abrir as portas, e lhe introduziu no corredor, diante do quarto de César Augusto. Era ali que estava presa. Só podia ser.

   Com prudência, o jardineiro entrou na masmorra e resgatou a rosa. Carregou o vaso com reverência, como se fosse uma parte do seu coração. Em suas mãos, a rosa brilhou. Parecia saber que seu amor lhe segurava.

   Mas, o amor não foi muito longe. César Augusto, acordou e agarrou o jardineiro por trás, lhe derrubando no assoalho frio. Argos tentava lutar, mas o carrasco era forte e estrangulava o moço. A rosa testemunhava tudo, sem poder fazer nada. Suas pétalas murchavam ao ver seu amado morrer nas mãos do cunhado.

   O crápula carregou o corpo do jovem até o jardim. Iria enterrá-lo ali mesmo. Antes, precisava cortar a raiz da flor. Não queria que ela aprontasse novamente.

   O corpo de Argos jazia morto, entre os galhos secos da roseira. Não havia pétalas para lhe cobrir, não existia rosas para lhe aquecer. Apenas algumas borboletas que se aproximavam, bailando com o vento.

    Uma, duas, dez, elas pousavam sobre o jardineiro, cobrindo-lhe por inteiro. A terra lhe sugou por completo, e do pó da existência, surgiu uma borboleta exuberante, com asas vermelhas em brasa, que soltavam flashes de luz ao bater.

   César Augusto não encontrou o corpo do jovem. “Quem o tivesse escondido, havia feito um favor”, pensava. Agora, seu único intento era manter a rosa prisioneira, com as raízes presas com fios de prata. Nunca mais ela sairia daquele quarto. Cativa para sempre.

   Mas, a borboleta vermelha voou até a janela do cativeiro, e encontrando uma brecha, conseguiu entrar. Pousou em uma das pétalas, e a rosa, percebeu sua presença. Uma dança romântica de cores começava. 

   A borboleta vibrava um vermelho vivo, enquanto a rosa emitia um azul cintilante. As cores se abraçavam no ar dançando uma valsa. A rosa logo despertou seus estames, pequenas hastes que saiam do interior. E no topo dos estames, abriu as anteras, liberando seu pólen.

   Com a delicadeza de uma canção, a borboleta pousou lentamente sobre as anteras, recolhendo os pólens. Um beijo sensível e cheio de amor acontecia. O toque suave do jardineiro sobre a rosa. A troca de calor e vida. Tudo transpirava sentimento e paixão. Uma celebração à união dos amantes.

   Ao sair do quarto, a borboleta voou até o jardim e espalhou o pólen sobre outras flores. Agora, precisava aguardar a primavera e testemunhar o milagre.

   Aqueles não foram dias fáceis. O jardim estava abandonado. A roseira não florescia. Mas, como um ato divino, várias borboletas começaram a sobrevoar o jardim. Vinham acompanhadas de abelhas e beija-flores. Traziam água em seus bicos e asas. Faziam a esperança nascer de novo.

   E, logo chegou a primavera. As flores desabrocharam cintilantes, de várias cores. E, no meio do jardim, uma dezena de rosas mágicas, destoava do restante. Tinham pétalas aveludadas pulsando uma aura mística.

   Quando a noite chegou, as rosas mágicas alongaram suas raízes até o quarto de César Augusto. Como um exército, marcharam até a cama do crápula e lhe amarraram por completo, sufocando lhe em seguida.

   Logo após, libertaram a rosa Selena e lhe carregaram até ao jardim. Ali, no meio das flores, ela que estava quase morta, ganhou vida. Pela manhã, quando o sol  aqueceu o jardim, foi sugada novamente ao interior da terra, mas em seguida o corpo frio de menina saltou da terra. A garota abriu os olhos, espantada. Parecia-lhe que tinha vivido um sonho, mas sabia que era real.

   Na mansão, encontrou seu cunhado morto, em cima da cama. Voltou ao jardim e aguardou a borboleta vermelha, que logo pousou em seu ombro. Em seguida, parecia ouvir algum segredo vindo da borboleta, um mistério que somente o jardineiro sabia.

   E foi assim que encontrou o corpo do amado, enterrado entre as rosas. Beijou-lhe as mãos e os lábios frios, mas ele continuou dormindo o sono da morte.

   Naquele mesmo dia, percebeu que não conseguia sentir o cheiro das flores. Tentou sentir o aroma em outros jardins, mas sem sucesso. Durantes anos, vários jardineiros vieram cuidar das roseiras. Um após outro, e ela buscava sentir o aroma de alguma flor. De todos os cheiros que existiam no mundo, o único inodoro era o perfume das rosas. Aquilo lhe entristecia.

   Quando a primavera retornou, um novo jardineiro fora contratado. Um homem distinto, de face serena, com porte de cavalheiro. Que segurava as flores com cuidado. Cheiravas as pétalas com paixão. E, fez florescer o jardim.

   Numa manhã feliz, Selena acompanhou o jardineiro. Agora, uma jovem senhora, ela observava o homem guiar-lhe o caminho, enquanto pousava a mão sobre o braço dele.

   Alexandre passeava com Selena entre os lírios, e recebia os raios de sol daquela manhã. Os dois sorriram com a afinidade. Foram ao jardim e ele colheu uma rosa, entregando-lhe. “Sinta o aroma”, ele disse. “Impossível”, ela pensou. Mesmo assim, aproximou a rosa de si e aspirou o doce perfume da flor. Agora podia sentir novamente. Uma flor brotava em seu coração. O amor renascia sereno, singelo e sublime.

   Selena celebrou o amor com Alexandre. Juntos, fizeram uma estufa repleta de rosas, orquídeas e lírios do campo. Todas as manhãs borboletas visitavam o lugar, e nas primaveras, uma borboleta vermelha aparecia pousando entre as flores. Selena observava o inseto, e meditava agradecida por um dia ter sido amada.

   Entre as estações, as rosas cresciam e morriam. Renasciam novamente e eram polinizadas pelo vento, as abelhas e as borboletas. Borboletas vermelhas que traziam vida e paz.

fim
Relacionados

0 comentários: