0:00 min       RAÍZA 2ª TEMPORADA     SÉRIE
0:25:00 min    


WEBTVPLAY APRESENTA
RAÍZA 2


Série de
Cristina Ravela

Episódio 23 de 23
"Colapso"



© 2012, WebTV.
Todos os direitos reservados.

FADE IN
CENA 1 FACHADA - ED. EM CONSTRUÇÃO [MANHÃ]
Carros de polícia cercam o local onde reconhecemos ter sido o palco da morte de Ari.
Corta para o seu interior
Há sinais de que as obras foram retomadas. Agentes trabalham na reconstituição do crime. Víctor está próximo, tenso, segurando uma arma.
CAM passa por eles, atravessa o chão e João Batista está em sua cadeira, de costas, olhando fixamente para uma grande abertura.

JOÃO: Tio, me leva embora. Eu não quero mais ficar aqui (silêncio). Tio! Tio, eu to falando contigo/

Forte suspense.
Raíza o surpreende por trás, fazendo avançar a cadeira. Medo em João.

RAÍZA: (voz sinistra) Tá querendo ir embora, querido primo? Se cansou de bancar ao falso viúvo cadeirante?

Raíza se mantém por trás, segurando a cadeira. Seu olhar denota uma leve perturbação.

JOÃO: Raíza? Não era pra você tá em casa? Hoje é sua formatura, não?

RAÍZA: Pra quê a pressa? Eu também quis vir para assistir a reconstituição do crime. (Raíza empurra a cadeira calmamente) Você acha que a Ari sofreu muito? (avança mais um pouco se aproximando da abertura).

JOÃO: Raíza, cê poderia me afastar da janela?

RAÍZA: O que te prende? Você sai a hora que você quiser. Aliás, você veio pra quê? Para ver se o Víctor repete o mesmo desempenho com a mesma destreza de antes?

Raíza leva João até a beirada da abertura. O vento bate no rosto de João, deixando-o amedrontado.

JOÃO: Raíza, o que cê tá fazendo? Me leva daqui…

RAÍZA: Sabe, fiquei pensando...A Ari deve ter levado um baita susto ao se deparar com o seu assassino...(Raíza encosta a boca em sua orelha) Você não acha? (em João, tenso)
JOÃO: (olhando para o vão / temendo o pior) Todo mundo sabe que foi o Víctor. Não sei por que o Danilo quer se atormentar ainda com isso, agora me leva daqui?

RAÍZA: Peça por favor, com jeitinho.

JOÃO: Eu posso gritar, sabia disso? Eu posso gritar e a polícia vai te levar presa, gosta da ideia?

RAÍZA: Por estarmos trocando uma ideia? Ninguém me viu entrar, sabia disso? E ninguém vai me ver sair.

Raíza, disposta, faz que vai empurrar a cadeira.

JOÃO: Não, Raíza! Não!

Josué está subindo as escadas, se assusta com a cena.

JOSUÉ: Raíza, para com isso!

Raíza leva um susto, solta a cadeira, mas Josué alcança a tempo de salvar João da queda, e acaba jogando Raíza ao chão.

JOSUÉ: Tá tudo bem, João, tá tudo bem.

João sua frio, espavorido; Josué espia Raíza ao chão, ambos com ódio.

CORTA PARA

2x23
Colapso
Final da 2ª temporada



CENA 2 FACHADA – ED. CIRANDA DE PEDRA [MANHÃ]
Corta para o interior do APTº 403 – SALA

O corte é feito diretamente na expressão raivosa de Josué.

JOSUÉ: Por um milímetro assim o João não morreu, acha pouco ou quer mais?

BRUNO: (perturba-se / anda de um lado e de outro) Isso é grave. Vamos esperar a Raíza chegar pra gente conversar com ela/

JOSUÉ: (por cima) Conversar? Se eu fosse o pai dela daria logo um corretivo.

BRUNO: Mas você não é o pai dela, Josué! Que mania você tem! Desde criança querendo mandar no que é de minha responsabilidade.

Clima. Joana e João espiam.

JOSUÉ: Não é nada disso, mas você mima demais essa garota. Ela sempre foi assim; Ou se fecha, ou se revolta.

BRUNO: Tente entender. Ela viu a Ari cair do prédio, foi um baque muito grande. Você sabe o que significa pra ela ter assistido a uma coisa a qual ela não pôde evitar.
JOSUÉ: Isso se chama culpa. Ela acha que pode estar a frente de Deus, que pode decidir o futuro das pessoas, e quando uma tragédia acontece, ela quer culpar o primeiro que lhe convém, porque é isso que ela quer: Jogar pra cima do João a culpa pela morte da Ari.

BRUNO: É uma prova de que ela não está bem; (joga) João tá preso a uma cadeira, não é? Ele nunca poderia estar naquele prédio.

JOSUÉ: Eu não sei no que você acredita. Não é a primeira vez que a sua filha apronta, não é?

BRUNO: Eu apenas procuro não julgar as pessoas. Eu sei que ela jogou o João do viaduto, mas se ela o fez, é porque ele também provocou, você não concorda?

Josué nada diz.
João ouve, contendo a raiva. Joana só observa, olhando-o de soslaio. CORTA.

Alto da cidade do Rio de Janeiro onde está a CURTO-CIRCUITO
CENA 3 FACHADA – CURTO-CIRCUITO [MANHÃ]
Corta para o seu interior

Dcr caminha por um corredor até chegar a uma porta. Faz que vai abrir.

Corta para o interior do escritório

A porta é aberta. Dcr, cabisbaixo, entra, fecha a porta e, quando se volta, se surpreende.
Valentina, num vestido branco e justo, e óculos sobre a cabeça, gira a cadeira onde está sentada e põe os pés sobre a mesa.

VALENTINA: (provocante) Oi, garotão. Já faz um tempinho que eu to te esperando, sabia?

DCR: Como é que você entrou aqui, Valentina?

Valentina se levanta, sensual.

VALENTINA: Tenho os meus meios, como você tem os seus.

Dcr só observa. Valentina caminha por trás dele.

VALENTINA: Não vai tentar me tirar daqui? Só pra eu... (Valentina dá um tranco nele, por trás, deixando-o tenso / encosta a boca em sua orelha) ... Relembrar a sua pegada?

Dcr se esquiva, contorna a mesa. Valentina sorri, safada.

DCR: O que você quer?

Valentina se apoia sobre a mesa, toda se querendo.

VALENTINA: Já disse; Relembrar a sua pegada, bonitão. (Dcr a encara, esperando outra resposta) Eu soube que você reabriu o caso Ari.

DCR: Sim, e você pode avisar pro Marco que eu vou levar esse caso adiante, até o verdadeiro assassino pagar pelo que fez.

VALENTINA: Eu não vim a mando dele.

DCR: Me poupe, ok?

VALENTINA: Marco não gosta de acusações, ainda mais quando são infundadas.

DCR: Ok, se ele não tiver nada a ver com isso, pra quê se preocupar, não é mesmo?

VALENTINA: Você sabe que ele não pode e não quer ter o nome envolvido numa investigação. Você tá mexendo com gente graúda, garoto.

DCR: Se ele fosse um cara honesto, digno, tenha certeza de que eu estaria muito preocupado em ver o nome dele numa investigação. Mas como cada um escolhe seu destino. Cada um paga o preço que merece.
Dcr vai até a porta e abre.

DCR: Agora se me der licença.
Valentina fecha a cara, pega sua bolsa grande e põe os óculos no rosto.

VALENTINA: (toca o queixo de Dcr): Uma pena que você não me ouve. Gostoso.

E Valentina sai. Dcr fecha a porta, insatisfeito.

CORTA PARA

CENA 4 COFFEE BREAK - SALÃO DE JOGOS [INT./ MANHÃ]

O corte é feito num pulso enfeitado por um relógio, cuja mulher está caminhando.
A mão masculina toca seu pulso, Rafaela se assusta, protegendo seu relógio.

BARMAN: Rafaela, é verdade que o salão ficará fechado por tempo indeterminado?

RAFAELA: Ahn...É, pois é, André...Cê soube que o Danilo reabriu o caso Ari, né? (André faz que sim) O chefe tá com receio de ser alvo de investigação.

ANDRÉ: Quem deve, teme. Tipo isso.

Rafaela, tensa, concorda. André toca seu relógio e Rafaela ergue o pulso em sua direção.

ANDRÉ: Gostei do relógio. Meio arrojado pra uma garota, hen.

E André sai. Rafaela observa, depois olha para o pulso.

CORTE CASADO

CENA 5 MANSÃO DE CAEL – ESCRITÓRIO [INT. / MANHÃ]

Tela de um notebook onde Rafaela aparece olhando para a câmera. Todo o cenário do salão é filmado.

LARA (O.S): Trabalhando em casa, como sempre.

O notebook é fechado na nossa cara. Cael disfarça.

CAEL: Perdendo a educação, como sempre.

Cael pega o note e se levanta.

LARA: Você anda trabalhando demais. Ouvi você de conversa ao telefone pela madrugada. (Cael para) Falava em códigos. Por acaso pretende voltar ao mundo do crime?

CAEL: Eu não falava com o Marco, ok? Licença.

Cael dá as costas deixando Lara desconfiada.

CORTA PARA
Alto da cidade / Corta
CENA 6 RUAS DA CIDADE [MANHÃ]

Grande movimento, engarrafamento de carros. CAM move-se de um lado para o outro como sendo alguém. Vendedores ambulantes de um lado; Guardas de outro.
Raíza, na porta de uma galeria, encostada estreitamente a uma das lojas como a se esconder, observa o movimento.
Raíza abre sua bolsa, apanha um celular – o mesmo que ela encontrou nas coisas de João – e admira.

[Ponto de Vista de Raíza]
O vídeo é visualizado.
Raíza olha rapidamente o movimento. Torna a admirar o vídeo, para logo desligá-lo.

VOLTA À CENA

Raíza torna a olhar para frente, mas vê uma ambulância e enfermeiros conversando na calçada. Um deles olha para ela e aponta para os demais.
Raíza se assusta. Ela está de cabelos curtos, toca sua roupa, e se vê com uma camisa branca, típica de hospital.

ENFERMEIRO: Ela está ali! Rápido!

Muita ação. Raíza corre, desvia dos carros, se joga contra o capô de um deles para atravessar a rua, esbarra nas pessoas.
Ao mesmo tempo em que vemos os enfermeiros correndo atrás dela, também não há ninguém no encalço de Raíza.

Raíza sobe a passarela, atravessa o outro lado, CAM atrás dela o tempo todo mostra suas roupas normais e seus cabelos compridos. Até que, olhando para trás, Raíza se choca violentamente contra um homem e cai no chão.
O tal homem veste uma farda de policial e se apronta para ajudá-la.

POLICIAL: Cê tem que ter mais cuidado, menina. Se machucou? Tá indo com essa pressa toda pra onde?
Raíza, confusa, observa que não há ninguém a perseguindo. Olha para o seu lado, onde há uma delegacia, e respira aliviada.

RAÍZA: Já cheguei.

O policial assente.

A tela se fecha num baque
FADE IN

CENA 7 HDM CONSTRUTORA – ESCRITÓRIO DE MARCO [INT. / TARDE]

Marco entra, furioso, com uns papéis nas mãos, joga sobre a mesa e apanha o celular.
A porta está aberta, um homem (Ivan) entra com uma pasta.

IVAN: Marco, eu preciso que...(observa a pressa de Marco) Vai sair? Aconteceu alguma coisa?

MARCO: (mente) Minha mãe. Parece que bateu com o carro. Não volto mais hoje, ok? Até amanhã.

E Marco sai. Ivan não tem tempo de mais nada. Fica ali, realmente preocupado.

CORTA PARA

CENA 8 ESCRITÓRIO DO DRº MUNHOZ – ED. OLÍMPIA [INT. / TARDE]

Marco abre a porta com estupidez, a secretária vem atrás.

MARCO: (firme / encara) Está se esquivando de mim, doutor?

Munhoz se levanta da cadeira, tenso.

SECRETÁRIA: Desculpe, doutor. Tentei avisar, mas/

Marco vai empurrando a moça delicadamente para fora.

MARCO: (força a educação) Ele já entendeu, agora licença, querida.

Marco fecha a porta.

MUNHOZ: O que aconteceu, Marco? Algum problema com os documentos?

MARCO: Algum problema, doutor?

Marco vai até ele e o pega pelo colarinho.

MARCO: Algum problema? Achou que ia me enganar até quando? Até o Danilo esfregar na minha cara que comprou o apartamento? (Joga Munhoz na cadeira, que cai sentado) É isso?

Em Munhoz, muito tenso.

MARCO: Ele e o Cael estão envolvidos nisso, não é? Trataram de contratar um testa de ferro para comprar o apartamento, não é isso?

MUNHOZ: Veja bem, Marco...Eu também fui enganado/

Marco saca, de dentro do paletó, uma arma e aponta em sua direção.

MARCO: Me conte esse esquema.

Medo em Munhoz; Marco engatilha a arma.

MARCO: AGORA!

MUNHOZ: (rápido) Olha, depois que os documentos foram assinados, o garoto veio até aqui esfregar na minha cara que eu tinha passado a perna em você sem saber. O plano partiu dele. O dinheiro é dele, mas foi o Cael quem arrumou o testa de ferro. Eu não podia saber/

Marco lhe acerta na testa com o cano da arma. Munhoz cai no chão, testa ferida.

MARCO: Você mente tão bem quanto esconde seu passado.

Tensão. Marco aponta a arma, decidido...
MUNHOZ: NÃO FAÇA ISSO!

E Marco aperta o gatilho. Nada acontece.

MARCO: Você achou que eu ia ser idiota em te matar aqui? (Marco guarda a arma por dentro do paletó) Tenho mais com o que me preocupar agora.

Marco sai de cena.
Munhoz se levanta, senta na cadeira e limpa a ferida, com raiva.

Corta / Movimento do trânsito
CORTA PARA

CENA 9 ED. OLÍMPIA [EXT. / TARDE]

Marco destranca o carro, enquanto fala ao celular.

MARCO: Quer dizer que Danilo Rodrigues ainda não registrou o imóvel, minha querida? Esse meu irmão anda muito ocupado ultimamente. Obrigado, falarei com ele.

Marco desliga o celular com um sorrisinho de vitória.

CORTA PARA

CENA 10 CURTO-CIRCUITO – ESCRITÓRIO DE CAEL [INT. / TARDE]

Vista de cima.

Há um lustre grande, volumoso. O escritório é bem espaçoso, com decoração preta, pisos cinza, e um lado da parede vermelha. Uma janela de vidro que vem do teto ao chão, uma mesa onde Cael está sentado diante de um laptop, duas portas, uma de frente para a mesa; Outra na extrema direita.
Dcr, de pé ao seu lado, observa.
A porta do outro lado é aberta, Rafaela surge, apreensiva.

DCR: Alguém te viu?

RAFAELA: Se ninguém além de nós souber dessa passagem que vem da porta da cozinha onde algumas pessoas costumam transitar...

CAEL: (sem tirar os olhos do laptop) Ela entendeu a pergunta.

RAFAELA: A Bárbara não me viu, fiquem tranquilos.

CAEL: Bom...Nem todos nossos amigos precisam saber dos nossos planos, não é?

Rafaela entreolha Dcr, sem graça.

CAEL: (finalmente a encara) Soube de alguma coisa?

RAFAELA: (provoca) Além do que você vê pela câmera?

Cael apenas lhe dá uma olhada. Dcr fica na dele, sério.

RAFAELA: (muda o tom) O Marco já sabe do golpe que vocês deram. Eu o ouvi dizendo ao telefone que vai dar um susto muito grande em quem tá pedindo há muito tempo.

Cael se levanta, passa por trás de Dcr, analisa o que acabou de escutar.

DCR: Eu ainda não registrei o imóvel. Será que há problema?

CAEL: Sempre há problema em se tratando de Marco. Mas não vamos nos preocupar com isso; Ele não poderá fazer nada.

RAFAELA: Ele pode tentar nos matar, não preciso repetir isso, né?

CAEL: E eu não preciso repetir que vocês terão seguranças. Vocês não terão contato direto com eles para ninguém levantar suspeitas. Estão preparados?

RAFAELA: Vai ser hoje?

Cael contorna a mesa, abre uma gaveta, e saca um revólver. Rafaela dá um passo para trás. Cael estende a mão, mas ela recua.

RAFAELA: O combinado não era esse.

CAEL: Entenda isso como proteção. Você não precisa matar ninguém, é só saber usá-la na hora certa.

Rafaela pega, receosa. Cael pega outra arma e entrega para Dcr, que admira o “acessório”.

CAEL: Se tudo der certo, Marco estará na cadeia até amanhã.

RAFAELA: E se tudo der errado?

Silêncio. Dcr encara Cael, este esboça dúvida.

CAEL: Não pode dar errado.

Dcr encara Rafaela; Esta mantém a expressão de medo.
A tela se fecha num baque

FADE IN / Alto da cidade do Rio de Janeiro / Corta
CENA 11 CASA DE CIPRIANO [INT. / TARDE]

Mãos femininas se esfregam irritantemente.
Alguém se aproxima e senta no sofá. É Cipriano, que estende uma xícara de chá para Raíza, sentada.
RAÍZA: (nervosa) Camomila? Eu não to nervosa, tá? Eu vim dizer que entreguei o João à polícia, gostou?

Cipriano coloca a xícara na mesa, calmamente.

RAÍZA: Cê não vai dizer nada? O seu celular finalmente vai ser útil. (olha ao léu) Quero só ver o Joãozinho indo para uma cela arrastando aquela cadeira (sorri estranho).

Cipriano toca suas mãos tentando contê-la.

CIPRIANO: Raíza...Raíza! O que você fez foi ótimo, mas você pensou que há mais gente envolvida nisso? Você falou para o Cael sobre essa sua atitude?

RAÍZA: Ele vai me agradecer, isso sim.

CIPRIANO: Você se esqueceu do passado que envolve esses dois. (intriga) Se até hoje o Cael não fez nada contra o Marco, você acha que essa gravação vai servir para quê? Ele não faz nada, porque não quer fazer nada, entendeu?

Raíza só observa. De repente se levanta, angustiada.

RAÍZA: Eu vim aqui pra você me apoiar. Você tem obrigação nisso. Eu deixei de ir com a Ari para a igreja porque você me chamou urgente.

Cipriano se levanta, rapidamente, fingindo-se de ofendido.

CIPRIANO: Você por acaso está me culpando de alguma coisa?

RAÍZA: (já consternada) Eu vi/ Eu...Eu senti que algo ia acontecer. Se eu tivesse ido com ela teria impedido/

CIPRIANO: Eu não sou vidente, Raíza. (mente) Eu te chamei aqui porque eu ouvi o teu tio dizer no colégio que ia te internar se você continuasse a agir desse jeito. Eu precisava te prevenir.

RAÍZA: E quem preveniu a Ari, hã? Eu podia ter estado com ela, você podia ter me ligado, mandado sms, é assim que as pessoas modernas fazem, sabia?

CIPRIANO: Você está me culpando por você não ter conseguido salvar a sua amiga, é isso? Se é assim que você pensa a meu respeito eu não me importo. Só que enquanto você fica chorando a morte da sua amiga, e acusando qualquer pessoa pelo o que aconteceu, o João continua naquela cadeira posando de vítima, até que ele decida sair dela.

Em Raíza, encarando-o.

CORTA PARA
CENA 12 FACHADA - ED. CIRANDA DE PEDRA [TARDE]
Corta para o interior do APTº 403 - SALA

João vem em sua cadeira, para, olha ao redor, estranhando.

JOÃO: Tio? Joana? Tem alguém aí?

Quando se volta, susto; Raíza está à soleira da porta da varanda, com vestido preto drapejado até o joelho, cabelos soltos, batom vermelho, um sapato de salto baixo cor preta, e segurando uma mini bolsa, igualmente preta.

JOÃO: Você podia entrar pela porta como todo mundo faz.

Raíza dá alguns passos, aparentemente arrependida.

JOÃO: Fique onde está! (Raíza para) Você veio terminar o que começou, não é? (Ele arrasta a cadeira para trás até o criado mudo, põe a mão no telefone) Eu ligo pra polícia, pro síndico, pro teu pai, mas você não vai tentar nada contra mim desta vez.

RAÍZA: (preocupada) Porque você se dá o trabalho de se arrastar com essa cadeira, se você pode se levantar? (sem deboche) Estamos só nós dois.

JOÃO: (desconfiado) Não sei do que você tá falando.

RAÍZA: A gente não tem mais conversa, não é? Na verdade, nunca fomos amigos, e tudo por causa de uma cruz.

JOÃO: Ainda não sei do que você tá falando.

RAÍZA: As coisas podiam ter sido diferentes. As coisas seriam diferentes, João? Se não fosse por essa cruz (aponta para o próprio pulso)?

JOÃO: Você quase me matou diversas vezes, Raíza. (delira) Seu gravador tá pegando isso? (raiva) E agora vem perguntar se as coisas teriam sido diferentes? Você ia me matar se não fosse o nosso tio chegar, não é? Só que como sempre, você faz tudo errado. Você não sabe fazer nada no meio de tanta gente.

RAÍZA: Desculpa.

JOÃO: O quê?

Raíza caminha calmamente na sua direção.

RAÍZA: Eu vim pedir desculpas. E dizer que...Vou me casar com o Marco, sair dessa casa, e você nunca mais precisa se preocupar comigo.

JOÃO: (temendo a aproximação) Eu não me preocupo com você, quem disse isso?

RAÍZA: Você queria o meu lugar. Queria ter a minha vida, mas...Você não seria feliz, porque eu não sou.

JOÃO: Você não é feliz, porque não quer. Se você tivesse cuidado da sua vida, tanto quanto cuidou da minha, a Ari poderia ainda estar com a gente, você não precisaria se casar com o Marco/

Raíza o abraça, deixando-o surpreso.

RAÍZA: A partir de hoje...

Raíza desliza a mão sorrateiramente até uma alavanca da cadeira, bloqueando-a.

RAÍZA: ... Nada mais será como antes...

Em seguida, encara o primo, sorrisinho estranho.


RAÍZA: ...Tudo será consequência.

João não entende. Raíza torna a abraçá-lo.
CORTE CASADO

CENA 13 FERROVIA [TARDE]
= = Mudança de Cenário = =

Ainda abraçada a João Batista, Raíza desfaz o abraço, enquanto ele, olhando ao redor, se mostra aflito.

JOÃO: O que cê fez?

João está sentado em sua cadeira, sobre os trilhos de uma ferrovia. Ele tenta, em vão, mover a cadeira, mas tem dificuldade para desbloquear a roda.
Raíza o encara, com sorrisinho estranho.

RAÍZA: Você tinha razão; Eu não sei fazer nada no meio de tanta gente.

Pavor em João.

A tela se fecha num baque
FADE IN

CENA 14 FERROVIA [TARDE]

A cena está dentro de uma tela de vídeo. João está trêmulo, olhando fixamente para a nossa câmera.

JOÃO: Raíza, para com essa palhaçada. Você quer gravar a minha morte, é isso?

RAÍZA (V.O): Eu só quero assistir ao milagre de te ver se levantar dessa cadeira, primo. (Raíza aparece segurando uma câmera) Você acredita em milagres, não acredita?

João olha ao seu redor. Muro de um lado; Morro de outro.

JOÃO: ALGUÉM ME AJUDA AQUI! ALGUÉM ME AJUDA!

RAÍZA: É inútil, João. (arregala os olhos / toca o terror) Ó, tá ouvindo? (murmura) O trem se aproxima.

JOÃO: MENTIRA! Você tá louca! Louca!

RAÍZA: Já to perdendo a paciência, João. Levanta dessa cadeira, vai! (trinca os dentes) Levanta! Todo mundo vai ver a sua performance, sabia?

JOÃO: (raiva) “Todo mundo” quem? O nosso tio Josué? É pra ele que você quer dar satisfação, não é? Você nunca conseguiu conviver com o desprezo dele ou de qualquer outra pessoa (baque em Raíza). Foi assim com ele, foi assim com o Marco e será assim sempre, por que ninguém tem obrigação de gostar de você, ouviu bem? NINGUÉM!

RAÍZA: CALA A BOCA!

Ouvimos um celular tocar.
Raíza, perturbada, põe a mão por dentro do decote e, pega seu celular.

RAÍZA (ao telefone): Tio! Que bom que o senhor ligou (p). Ué, eu trouxe o João para passear de trem, fiz mal?

INTERCALA
APTº 403 - SALA [INT.]

JOSUÉ: Raíza, onde é que você tá? O que cê fez com ele?

Ouvimos a campainha tocar.

JOSUÉ (ao telefone / vai atender): Tu não faz nada. To indo pra aí.

Josué abre a porta e dá de cara com dois agentes da polícia. Josué desliga o celular.

POLÍCIA #1: Boa tarde. Seu João Batista Lopes se encontra?

JOSUÉ: Ahn...Não, por quê?

POLÍCIA #1: Ele está sendo acusado de tentativa de homicídio e sabotagem contra a antiga casa noturna, L.A House, e de ser o principal suspeito de assassinato da senhora Ariadne Rodrigues. (surpresa em Josué) Sabe onde podemos encontrá-lo?

Em Josué prestes a falar.

CORTA PARA

CENA 15 CURTO-CIRCUITO – ESCRITÓRIO DE CAEL [INT. / FIM DE TARDE]

Cael está sentado olhando para o seu laptop.
Ouvimos uma porta se abrindo, Cael espia, tranquilamente.

MARCO (V.O): Já estava me esperando? (Marco se aproxima com as mãos nos bolsos) Pensei que não ia permitir a minha entrada.

Cael fecha o laptop.

CAEL: Você pretende fazer alguma coisa contra mim?

MARCO: E eu não devia? Você passou a perna mais uma vez em mim, só que desta vez você resolveu usar seus amigos. Você não tem consideração por ninguém, não é?

CAEL: Você está me dizendo isso? Ora, Marco, que consideração você teve pela pessoa que salvou a sua vida? Quer obrigá-la a se casar com você para se vingar de mim?

MARCO: Você deixou a minha noiva morrer, acabou com os meus negócios, me fez teu empregado na tua casa noturna. É justo que você pague um preço agora.

Cael se levanta e saca uma arma, apontando para Marco. Imediatamente, Marco põe a mão na cintura e saca sua arma também.

MARCO: Vamos resolver isso da forma que você conhece, querido irmão.

CORTE BRUSCO PARA

CENA 16 COFFEE BREAK – ESCRITÓRIO [INT. / FIM DE TARDE]

O local está aparentemente vazio.
Rafaela surge na tela sorrateiramente, tensa, e segue na direção de um quadro. Ela o retira de lá, revelando o cofre. Rafaela digita a senha, abre o cofre e pega uma papelada.

RAFAELA: Perfeito.

Rafaela guarda a papelada e se prepara para fechar o cofre. Valentina entra de repente. Rafaela se volta, assustada.

VALENTINA: O que é isso? (vê o cofre aberto / se aproxima / Rafaela está trêmula) Então foi você quem desligou as câmeras dos corredores, né, sua ordinária?

Valentina lhe acerta um tapa.

VALENTINA: Isso não é nem a metade do que vai lhe acontecer.

RAFAELA: Quero ver só, sua bandida.

E Rafaela lhe devolve o tapa, agarra seus cabelos, as duas lutam. Valentina tem força, segura Rafaela pelos ombros e a joga no chão.
Em seguida, Valentina põe a mão por debaixo da bainha da calça, retira uma arma pequena e engatilha.
Rafaela olha para trás, preocupada.

VALENTINA: Não vou deixar sobrar pena pra contar história. Levanta! Anda!

Rafaela obedece, encarando a arma.

VALENTINA (daquele jeito, surtada): Quem é a bandida aqui, hen? Diz, sua vagabunda! Achou mesmo que eu não tava de olho em você, né? (p) Vai, passa pra cá o que você roubou, anda.

Rafaela faz que vai abrir a bolsa.

RAFAELA: (inventa) Valentina, escuta, eu não peguei nada que o Marco não tenha pedido.

VALENTINA: Mentira! O Marco jamais confiaria a senha pra quem quer que seja.

RAFAELA: Muito menos pra você, não é? Ele não queria que você soubesse disso, mas eu sou o braço direito dele aqui (Valentina ri), sim, por que você acha que você tá servindo cafezinho, e não aqui do lado dele?

Valentina não gosta.

RAFAELA: A gente pode se unir, Valentina. Ou você quer viver a vida inteira como capacho?

VALENTINA: Eu nunca me juntaria a você (se prepara para atirar). Quer saber? Eu mesma vou te depenar.

Ouvimos um alarme.

Valentina se assusta, olha para o cofre e vê que está aberto.
Rafaela aproveita sua distração, puxa a arma de dentro da bolsa e dá um soco na mão de Valentina, fazendo sua arma cair. Em seguida, volta com o braço e acerta sua inimiga no rosto com o cano da arma, derrubando-a.
Rapidamente, Rafaela sai da sala e...

CORREDOR / SONOPLASTIA: AÇÃO

E corre, assustada. Ouvimos pessoas correrem pela escada, e o sinal do elevador.
Rafaela vira na curva, espavorida. Um segurança#1 vem em seu encalço e aponta a arma.

Entre a porta de vidro que se estende do teto ao chão, e Rafaela, há uma média distância. O segurança#1 logo atrás dela.
Rafaela atira contra a porta de vidro que se estilhaça.
[Efeito câmera lenta] Rafaela se joga no momento em que ouvimos um tiro, e CAI ILESA sobre a carroceria de um caminhão em movimento. [Fim do efeito]

O segurança, ao lado de Valentina observa.

VALENTINA: Tá fazendo o quê aí parado? Vai atrás dela!

O segurança sai. Valentina espia a ousadia da rival.

CORTA PARA

CENA 17 PRÉDIO EM CONSTRUÇÃO - TÉRREO [EXT. / FIM DE TARDE]

Homens ainda estão trabalhando.
Um deles, moreno, barba por fazer, se aproxima de um funcionário.

SUJEITO #1: Você vai lá pra cima agora?

SUJEITO #2: Sim, tenho que falar com o seu Bruno. Por quê?

SUJEITO #1: É que ligaram da casa dele. Será que você podia aproveitar e chamá-lo aqui?

SUJEITO #2: Claro, seu Edson.

O sujeito #2 vai à direção do elevador improvisado e aciona. Edson observa atento quando o elevador sobe. Corta

5º ANDAR – INT.

Bruno retira o capacete, abismado, diante do sujeito #2.

BRUNO: Ligaram lá de casa? (pensa) Estranho não terem ligado pro meu celular. Segura isso (Bruno entrega uma prancheta).

SUJEITO #2: Ah, eu vou descer contigo.

BRUNO: Ok, então, vamos!

Os dois entram no elevador.
ELEVADOR [EXT.]

Bruno aciona o botão. Close nas cordas gastas que sustentam o elevador.

SUJEITO #2: Ah, já ia me esquecendo. O seu Marco esteve por aqui.

BRUNO: Ele disse o que queria?

SUJEITO #2: Apenas mandou avisar que aquilo que o senhor ajudou a fazer, terá recompensa.

Bruno faz que entende. De repente, o elevador dá um tranco. Susto em Bruno e em sujeito #2.

BRUNO: O que tá havendo?

SUJEITO #2: Não sei, isso aqui foi inspecionado essa semana.

BRUNO: Tente parar!

= = SONOPLASTIA: AÇÃO = =

Sujeito #2 aperta o botão. Corta.
Edson observa a cena.
O elevador despenca.
Todos se apavoram.
Edson mantém uma expressão fria.
No momento em que o elevador cai...

CORTA PARA

CENA 18 CURTO-CIRCUITO – ESCRITÓRIO DE CAEL [INT. / FIM DE TARDE]

...Coincide com o momento em que Cael bate no braço de Marco desviando da arma e a joga longe. Muita ação.
Marco volta com o braço, segura no de Cael, e naquela luta, Marco derruba a arma dele.

Os dois começam uma queda de braço que parece interminável. Marco joga Cael no chão e, numa grande chance, este alcança as duas armas, e se levanta, apontando para Marco.

Marco surpreende, sacando de dentro do paletó, outra pistola.
Marco atira, atinge de raspão a mão de Cael. Cael reclama de dor e uma de suas armas cai. Cael atira também, mas Marco desvia a tempo, tendo chance de atingir sua testa com o cano da arma e derrubar o irmão.

Marco se posiciona diante dele, e se prepara para engatilhar a arma novamente.

MARCO: Vamos acabar logo com isso.

CAEL: Eu termino.

Cael atira para o alto.
Marco olha para cima.
O lustre, cheio de pontas cortantes, despenca.
Close na expressão assustada de Marco.

Cael rola pelo chão, Marco é atingido pelo lustre. Os cristais se despedaçam, a cena é trágica. Cael, ainda deitado, só tenta proteger o rosto. Depois, observa o estrago.

O lustre sobre o corpo de Marco, parte da sala coberta por cacos de vidros e cristais.

CORTA PARA

CENA 19 FERROVIA [FIM DE TARDE]

O trem fazendo a curva. Corta.
Raíza ainda filma João Batista.

RAÍZA: Já to perdendo a paciência! A polícia tem que acreditar que você matou a Ari, que você tava lá, que você pode andar, tá me ouvindo?

JOÃO: CHEGA! Você enlouqueceu, porque deve ter sido você a culpada, não é? Você que é vidente, prevê a droga do futuro, não se preocupou em evitar a morte dela (medo em Raíza). Tá filmando direito? O seu segredo é esse! Você é vidente e me teletransportou até aqui.

RAÍZA: (grita) Seu imbecil! Ninguém vai acreditar em você!

JOÃO: (grita) O Marco acreditaria. Ele iria acreditar em qualquer coisa vinda de você.

Raíza desliga a câmera, furiosa. Abre a bolsa, saca de dentro dela um pequeno revólver e aponta para a cabeça de João. João se assusta.

RAÍZA: Perdi a paciência.

Ouvimos sirenes de polícia.
João esboça medo; Raíza observa adiante.

Movimento rápido da CAM.
ESTAÇÃO DE TREM [INT.]

Carros de polícia param ao mesmo tempo causando burburio.
Os policiais descem armados, Josué vem atrás.

CORTA / FERROVIA

Raíza sacode a arma na direção de João.

RAÍZA: Tá com medo, tá? (surtada) Diz que tá com medo! Diz que tá com medo!

João treme, olhando de soslaio para o cano da arma.

JOÃO: Você não teria coragem...

RAÍZA: Você vai confessar que matou a Ari e que não está paralítico coisíssima nenhuma, ouviu bem? (Raíza espera) OUVIU?

Ouvimos o trem se aproximando.
A polícia intercepta o local. Josué vem de um lado. Raíza observa, e logo atrás, quatro policiais armados, se aproximam, sorrateiramente.

JOSUÉ: Raíza! Solta essa arma. Você tá maluca?

RAÍZA: Eu? Eu não. Eu só to fazendo o que é certo. Vou jogar o João na cadeia. Sabia que ele matou a Ari, sabia? (cutuca a cabeça de João com a arma) Fala pra ele, João, fala! Fala como você fez, fala!

POLÍCIA #2: RAÍZA MACIEL, (Raíza se assusta) ABAIXE ESSA ARMA, VOCÊ ESTÁ CERCADA!

RAÍZA: Que isso? O senhor chamou a polícia pra mim? A polícia é pra ele, pra ele!

Os policiais se aproximam, o trem também. Há curiosos em cima do muro, atentos.
Raíza se atordoa, aponta a arma em todas as direções, vários ângulos para mostrar seu estado insano, seu foco disperso, como se todos que estivessem a sua frente fossem seus inimigos.

RAÍZA: Não chega perto de mim, não chega perto de mim!

POLÍCIA #2: Raíza, abaixe essa arma e estará tudo bem. Nós viemos levar o João Batista para a delegacia para prestar depoimento, lembra?(João em pânico) Você esteve na delegacia hoje cedo, não viemos por você.

RAÍZA: (louca) Mentira...Mentira...Ele (olha para Josué) deturpou tudo, não foi? Vocês têm que saber que o João pode andar e matou a Ari, cês têm que saber disso!

O trem se aproxima cada vez mais. Pânico nas pessoas.
Josué faz sinal para um policial. Este faz sinal para o colega.

RAÍZA: Não tentem nada contra mim!
E Raíza atira na direção dos policiais. Susto. Raíza não atinge ninguém.
João se enche de coragem, levanta no impulso e agarra as mãos de Raíza.
JOÃO: Solta isso, solta, sua louca!

Os dois lutam. O trem prestes a bater neles. Pânico.
João e Raíza olham para trás, se apavoram.
Os dois se jogam em direções opostas.
Enquanto o trem passa, Raíza, se levantando, está cara a cara com Josué.
RAÍZA: (perturbada) Viu isso, tio? (ri) Ele se levantou, ele sempre pôde andar, sempre/

Josué apanha o revólver do chão e lhe acerta na testa. Raíza cai de novo. Sua testa sangra.

JOSUÉ: Você não é igual a sua mãe; Você é uma idiota! Uma idiota perfeita.

RAÍZA: Mas o João/

Josué a pega pelos ombros com força.

JOSUÉ: Você achou mesmo que o João ia passar a perna em mim? Que você ia me salvar das mentiras dele? Você nunca seria a minha heroína, ouviu bem? NUNCA!

Raíza, consternada, o empurra violentamente.

Corta.

Policiais seguram João Batista, ainda atordoado.
O trem acaba de passar. Josué está do outro lado, sozinho, e jogado no chão.
Ninguém entende.

CORTA PARA

CENA 20 APTº 3011 [EXT. / FIM DE TARDE]

O corte é feito diretamente nas costas de uma mulher, na altura da cintura, onde a mão segura uma arma presa na calça.
Rafaela anda de um lado e de outro, mantendo a mão nas costas e outra no celular. Ela disca, e ninguém atende.
O visor do celular exibe o nome de Josué.
Em seguida, Rafaela olha o relógio.
Ouvimos um barulho.

RAFAELA: (susto) Quem ta aí?

Ninguém responde.

Rafaela bate na porta.

RAFAELA: (murmurando) Anda logo com isso, Danilo.

Ouvimos passos. Rafaela se volta, assustada.
Um homem, com um roupa negra, se aproxima da garota segurando um canivete.

RAFAELA (medo / saca a arma): Não chega perto, senão eu atiro!

O homem não obedece.
Rafaela engatilha e atira, mas a arma trava.

RAFAELA: Droga! (O homem vai se chegando) Aqui você não entra... Aqui você não entra!

Corte rápido. O celular e a arma de Rafaela caem no chão.

CORTA PARA

CENA 21 EDIFÍCIO - ESTACIONAMENTO [EXT.]
Rafaela é jogada para dentro de um carro onde há outros dois homens, o motorista e o carona.
Outros dois caras mal encarados disfarçam, encostados a um carro.

CORTA PARA

CENA 22 APTº 3011 [EXT.]
A porta é aberta, Dcr sai com uma pequena mala, e estranha a ausência de Rafaela.
De repente, Dcr se mostra tenso. Há um homem apontando uma pistola para sua cintura.

CORTA PARA

CENA 23 EDIFÍCIO – ESTACIONAMENTO [EXT.]

Dois seguranças estranham uma movimentação do outro lado do estacionamento.
De repente, dois carros, um cinza-claro e outro, cinza-escuro, saem em alta velocidade. Um outro segurança se aproxima com uma rádio.

SEGURANÇA #4: Eles foram pegos!

Todos eles entram em seus respectivos carros pretos e seguem atrás.

CORTE BRUSCO PARA
CENA 24 COLÉGIO FRANÇA – AUDITÓRIO [INT. / FIM DE TARDE]

O salão está cheio, garotas de vestidos brancos e garotos de terno. No palco, um microfone e uma mesa, onde está o diretor e Cipriano.

DIRETOR: Raíza Maciel!

Os alunos começam a fazer bochichos, e outros na frente olham para trás. Raíza, com a testa escorrendo sangue, vem andando pelo estreito corredor que separa as fileiras de bancos, trajando seu vestido amarrotado, com uma expressão desatenta, olha a todos ainda consternada.

Cipriano disfarça um sorriso de deboche.

CORTE RÁPIDO

CENA 25 RUAS DA CIDADE [FIM DE TARDE]

Os carros da cena 23 seguem pela alta estrada.
Corta para o interior de um dos carros.
Atrás do banco do motorista, o segurança#1 aponta a arma para a cabeça de Dcr, amarrado com as mãos para trás.

DCR: O que vocês fizeram com a Rafaela? (p) O que vocês fizeram com ela?

O segurança#1 finca o cano da arma em sua testa. Dcr reclama de dor.

SEGURANÇA#1: (mal encarado) Cala essa boca!

Corta para o carro cinza-escuro

O segurança#2, no banco da frente, olha para trás, e o segurança#3 mantém Rafaela, esboçando medo, sob a mira de um revólver.

MOTORISTA: (olha pelo retrovisor, dois carros pretos o segue)

Tony, dá um jeito neles.
O segurança#2 coloca a cara na janela...

Corta para o seu exterior

...E atira contra o pneu do carro que vem atrás, mas acerta o capô. O carro desvia por um instante, mas volta a sua rota.

O segurança de Cael surge da janela e atira, o segurança#2 (Tony) se afasta rapidamente e o tiro acerta o retrovisor. É a vez desse carro fazer um desvio pela estrada. Ouvimos buzinas.

Os carros dão uma guinada.

CORTE RÁPIDO

CENA 26 COLÉGIO FRANÇA – AUDITÓRIO [INT.]

Raíza está no palco, com os olhos carregados, querendo chorar. O homem lhe entrega um diploma enrolado numa fita verde e a abraça.
Raíza encara a plateia.

CIPRIANO: Raíza, o que aconteceu? Você não quer ir ao toillete lavar esse rosto?

Raíza impede algum contato.

RAÍZA: ME DEIXA! (perturbada) Essa é a minha formatura...Eu não posso faltar.

Rapidamente, policiais invadem o local. Os alunos se levantam, Raíza se afasta com medo.
Três enfermeiros e Josué vêm atrás causando balburdia.

JOSUÉ: Podem pegá-la.

DIRETOR: O que está acontecendo aqui?

JOSUÉ: Desculpem o transtorno. Mas a Raíza não está em plenas faculdades mentais. Peço a todos que se afastem.

RAÍZA: Mentira! Ele quer que todo mundo pense que fiquei louca! Eu não to louca!

Raíza pula do palco, sai correndo por entre os colegas, mas um policial a detém. Dois enfermeiros agarram Raíza. Ela grita e luta em vão para se esquivar. A cena é deplorável.

CORTA PARA

CENA 27 AVENIDA BRASIL [FIM DE TARDE]

Um caminhão de carga, carregando alguns carros na lataria, segue numa velocidade média. Corta.
Os carros pretos perseguem seus alvos. Os homens de cada carro trocam tiros.
Vários ângulos, muita ação.
O caminhão de carga e os carros onde estão Dcr e Rafaela se aproximam da ponte.

CORTE RÁPIDO

CENA 28 COLÉGIO FRANÇA [EXT.]

Carros de polícia e uma ambulância cercam o local. Alunos, professores e curiosos assistem Raíza ser arrastada pelos enfermeiros de camisa de força. Raíza ainda esperneia.

RAÍZA (surtada): Me solta! Me solta! Cadê o meu pai? Pai, me tira daqui, me tira daqui!

Josué segura no rosto de Raíza.

JOSUÉ: O seu pai não vai te ajudar; O seu pai tá morto, ouviu bem? Agora quem cuida de você sou eu!

Baque em Raíza.

CORTA PARA

CENA 29 PONTE RIO-NITERÓI [FIM DE TARDE]

O carro cinza-escuro tenta uma ultrapassagem perigosa, logo atrás de um corsa branco.
Os carros pretos logo atrás. Há uma troca de tiros entre os ocupantes desse carro e os do carro cinza-escuro.
Quando finalmente o corsa branco ultrapassa, um ônibus surpreende vindo de frente.

Corta para o interior do carro cinza-escuro.
Todos se apavoram. Rafaela grita.

Volta pra o exterior

O carro desvia violentamente.
Outros carros freiam de forma brusca.
O carro cinza-escuro bate de contra a grade da ponte, rodopia no ar e despenca no mar.
Um dos veículos do caminhão cai na pista.

Pânico em todos no carro cinza-claro.

= = CENAS SE ALTERNAM = =

A porta da ambulância é fechada. Raíza gritando lá dentro.
O carro desvia do veículo tombado, mas vai de encontro a lataria do caminhão.
Muita tensão.
Forte batida arrebenta todo o vidro dianteiro. Cena chocante.

A tela se fecha num baque.

Continua na próxima temporada


SÉRIE ESCRITA POR:
Cristina Ravela

ESTRELANDO:

Maria Flor - Raíza
Michael Rosenbaum - Cael
Pierre Kiwitt - Marco
Caio Blat - João Batista
Nathália Dill - Ari
Aaron Ashmore - Dcr
Fernanda Vasconcellos - Rafaela
Alinne Moraes - Valentina
Caco Ciocler - Josué
Juan Alba - Bruno
Thiago Rodrigues - Cipriano

PARTICIPAÇÕES:

Monique Alfradique - Joana
Alexandre Barilari - Víctor
Ed Oliveira - Tony
Aramis Trindade - drº Munhoz
Ator não definido - Edson
Sujeito#2
Segurança#1
Segurança#3
Polícia#2

PARTICIPAÇÃO ESPECIAL:

Paulo Vilela - André
Jane Saymour - Lara
Werner Schünermann - Ivan

Relacionados

0 comentários: