0:00 min       FOLEY BOYS     SÉRIE
49:00 min    

WEBTV APRESENTA
FOLEY BOYS


Série de
EDUARDO SOARES DE AVELLAR


Episódio 12 de 21







Aiden Turner em off – Nos episódios anteriores de Foley Boys.
Cena: Quarto de Ethan – Int. Noite
Liam – E daí, meu filho!
Ethan – Acorda, brow. (contando nos dedos) Outubro, novembro... Tá, já faz dois meses que ela está na cidade e nada.
Liam – Ethan...
Ethan – Conselho do amigo: parta para o ataque!
Cena: Casa de Kelly – Int. Noite
Grayson – Eu sugiro que... Eu pague pelo menos as mensalidades do colégio do Liam.
(...)
Leo (suspira olhando para cima) – Deus, posso me arrepender amargamente num futuro não muito distante, mas guarde esse momento de bondade. (olhando para Grayson) Ok.
Grayson (sorri levemente) – Certo.
Kelly e Liam os observam.
Cena: Rua qualquer – Ext. Tarde
Liam – [...] Aí vem você e me ignora esses dias todos que pareceram meses, e eu não sei se você também é só mais uma dos que me odeiam [...]
Chelsea segura Liam pelo rosto e lhe dá um beijo rapidamente.
Chelsea (nervosa) – Eu estou interessada!
Ela sai andando rapidamente, quase correndo e dobra a esquina. Liam permanece ali parado, surpreso.
Cena: Clínica dentária – Int. Tarde
Ela abre mais a porta e percebe que o homem beija uma mulher. Emily eleva as mãos à boca e fica chocada. Ao virar-se para sair, acaba chutando uma pequena bancada próxima à porta. Os dois se assustam e o homem se vira bruscamente, assustado. Emily sai da sala apressadamente.
Cena: Bronx High – Ext. Tarde
Mulher – E você? Esperando...
Liam (chegando de surpresa) – Hey!
Leo (apontando para Liam) – Ele.
Mulher – Legal. Também veio buscar seu irmão mais novo?
Leo (abraçando Liam) – Não, ele é meu filho.
Mulher (impressionada) – O que? Filho?
Leo – Ah, meu nome é Leo, a propósito.
Mulher – Julia.
Leo – Então, Julia... Muito prazer em conhecê-la.
Cena: Casa de Leo – Ext. Noite
Leo – Olha, Emily, eu sei que é difícil toda essa situação, mas... Calma, uma coisa de cada vez. Em relação ao seu pai, uma hora vocês vão se encontrar e vão ter que conversar.
Emily (abaixa a cabeça) – Eu sei...
Cena: Clínica dentária – Int. Tarde
Aiden – Então... Eu... Estava pensando esses dias... Já que eu não sei onde você mora e nem tenho nenhum contato seu, eu marquei essa consulta mais pra te convidar pra conhecer o restaurante.
Hanna – Jura?
Aiden – Juro.
Hanna – Era só ter ligado pra recepção e te pego meu número com a Clara.
(...)
Hanna – Bom, hoje é sexta-feira, minhas amigas furaram comigo... Íamos a um barzinho aqui mesmo em Hartford, mas enfim... Tô livre. Posso ir sim.
Cena: Praça – Ext. Noite
Leo (sorrindo) – O que sua amiga quis dizer hoje cedo com “Muuuuito bem”, quando confirmou que você falou de mim pra ela? Sei lá, ela falou de um jeito, como se tivesse segundas intenções.
Julia (olhando para os lados/ segurando seu copo com as duas mãos) – Ah, a Kathy é muito sacana, só isso. (sorri)
Leo (encarando-a) – E por que você não consegue olhar pra mim agora?
Julia (nervosa) – O que?
Leo pega no braço de Julia, se aproxima rapidamente e a beija. O copo de Julia cai no chão, espalhando todo o líquido que continha.
Cena: Rua qualquer – Ext. Noite
Imagem pega Ethan de frente, olhando para o lado. Ao olhar para a pista, de frente para a câmera, Ethan arregala os olhos. Ethan comprime os olhos e gira o volante para o lado.
Cena: Hospital – Int. Noite
Ethan – Pela última vez que soube, ela ainda estava inconsciente, fora de perigo. (respira fundo) Mas... Por que vocês demoraram a chegar? Eu fiquei aqui por horas até ser liberado, não tenho mais notícias da menina e... Nem sei da família dela...
Susan – Calma, Ethan. Nós vamos procurar saber dessas coisas. E você deve se sentar. (apontando para o banco) Ali. Senta ali, enquanto eu e o seu pai resolvemos o que tiver que resolver. (Ethan se senta)
Eddie (furioso) – E o meu carro?
Susan e Ethan – O que?
Eddie (tom de voz elevado) – E o meu carro? Eu quero saber do meu carro.
Cena: Quarto do hospital – Int. Tarde
Lucy – Quem é você?
Ethan (sem jeito) – Eu... Eu… M-meu nome é… Ethan. (abaixa a cabeça)
(...)
Ethan – Na verdade eu... Vim aqui te pedir desculpas.
Lucy (lágrimas escorrem por seus olhos) – E você acha que “desculpas” vai fazer o meu braço voltar pro lugar ainda hoje?
(...)
Ethan (com os olhos marejados) – Olha, Lucy. (pega na mão de Lucy/ ela abaixa a cabeça) Sei que nada vai justificar o meu erro, mas eu tô aqui de coração pra te pedir desculpas. Te atropelar não foi a minha intenção.
Lucy o encara com os olhos marejados. Silencio por um tempo.
- - - - - - - - - - - - - - -
FADE IN
Casa de Leo – Int. Noite
Imagem abre em foco, na mesa de centro da sala, onde vemos alguns bonecos do tipo “comandos em ação”, dispostos sobre a mesa. Vemos algumas motos e carros em miniaturas próximos aos bonecos. Diante da tela, surge uma mão, que logo pega um dos bonecos.
Voz diferente #1 (em off/ movimentando o boneco) – Temos que reunir o pelotão e traçar a estratégia do resgate.
Outra mão surge segurando um boneco diferente. A mão para com o boneco de frente para o outro.
Voz diferente #2 (em off/ movimentando o segundo boneco) – Ok. Pegarei a moto e acionarei o pelotão. Mas espera... São 4 da manhã!
Voz diferente #1 (em off/ movimentando o boneco) – Não importa! Temos um soldado em perigo nas ruínas e temos que resgatá-lo.
Câmera abre o foco, revelando Leo e Liam sentados diante da mesa de centro, brincando com os bonecos. Leo põe seu boneco na miniatura do carro e Liam põe o seu montado na miniatura da moto. Leo emite com a boca, o som de um carro ligando.
Leo (fazendo voz diferente) – Nos encontraremos na base.
Liam – Sim, senhor!
Leo anda com o carrinho pela mesa, enquanto Liam emite com a boca, o som de uma moto ligando. Liam também começa a andar com a moto pela mesa. Logo, ambos põem tudo no chão. Leo pega um pedaço de isopor do chão e põe na mesa. Liam faz o mesmo em seguida.
Leo (voz normal) – Ainda bem que guardei o isopor do aquecedor novo.
Liam (voz normal) – Para o nosso bem. Olha, a metade do isopor que está do meu lado é a base militar.
Leo – Ok. Essa metade aqui vai ser as ruínas onde o soldado está.
Liam – Tá.
Eles arrumam os outros bonecos na “base militar”. Em seguida, pegam o carrinho e a moto com os bonecos que estavam no chão. Ambos começam a repetir som de carro e moto, passeando com eles pela mesa.
Liam (voz normal) – Rapidinho, não é melhor usar as ruínas depois?
Leo (voz normal) – Por quê?
Liam – Porque senão vai dar a impressão de que as ruínas ficam em frente ao quartel. Aí não tem sentido juntar todo o pelotão pra fazer o resgate.
Leo (pensativo) – É verdade!
Leo põe seu isopor no chão e se aproxima com seu carrinho da “base militar”. Liam faz o mesmo com a moto.
Ouve-se o som da campainha e os dois se entreolham.
Leo – Ah, quem é?
Liam – Não sou vidente.
Leo – Quem veio estragar a brincadeira?
Liam (levantando-se do chão) – Tá, deixa que eu abro.
Leo – Ok. Cuidado.
Liam (indo em direção à porta) – E você fica atento com as coisas aí.
Leo continua agachado, porém de frente para a mesa como se estivesse tapando-a da visão de quem entra. Liam abre a porta.
Liam (com os olhos arregalados) – Aiden?
Aiden (entrando com uma caixa em mãos) – Cadê seu pai?
Liam (com os olhos arregalados) – Ele...
Num susto, Leo empurra tudo que está na mesa para o chão e se levanta. Liam fecha a porta.
Leo (surpreso) – Aiden!
Aiden (aproximando-se) – Trouxe uma caixa com brownies pra vocês.
Leo (aparentemente nervoso) – Trouxe, é? (Liam se aproxima de Leo)
Aiden – Sim. É que o Bill colocou açúcar demais na receita e… Como vocês são uns loucos que comem de tudo e têm uma ótima tolerância para açúcar no corpo, achei que vocês iriam gostar. Eu já estaria diabético na condição de vocês, mas percebi que... (olhando uma baguncinha no chão) O que vocês estão fazendo?
Liam fica ao lado de Leo.
Leo e Liam – Nada.
Aiden – Vocês estão me escondendo alguma coisa?
Leo (sorrindo forçadamente) – Claro que não, Aidenzinho. (Liam sorri)
Aiden põe a caixa no assento do sofá e se inclina, olhando para os bonecos no chão.
Aiden (cruzando os braços/ arregalando os olhos) – Comandos em ação?
Leo (como se fosse culpado) – Eu posso explicar.
Liam – Eu também.
Aiden (sério) – Ok, estou esperando.
Leo – Tá bom. (pausa/ Aiden suspira) É que...
Aiden (sério) – Eu quero saber por que não me chamaram pra brincar? (Leo e Liam se entreolham/ descruza os braços) Ah, esquece! (pausa) Deixa eu brincar também?
Aiden se agacha, recolhendo alguns bonecos e pondo-os em cima da mesa, enquanto Leo e Liam se entreolham.
Liam (dando de ombros) – Ok.
Leo (apontando o indicador) – Mas isso morre aqui, ouviu?
Aiden – Claro!
Leo e Liam também se agacham, juntando-se a Aiden. Logo os três começam a arrumar tudo novamente.
Aiden (escolhendo seu boneco) – E então, qual é a missão de hoje?
FADE OUT

    
FADE IN
Bronx High – Int. Manhã
Câmera passeia por uma sala de aula, mostrando alguns alunos copiando algo da lousa, concentrados, enquanto outros cochicham. Há um professor sentado em sua cadeira. Ouvimos o sinal bater. Todos começam a arrumar suas coisas e a sair da sala. Vemos Liam fechar seu caderno e em seguida, guardá-lo em sua mochila. Ele se levanta da carteira e sai. Imagem corta para o corredor. Liam fecha seu armário e começa a caminhar. Notamos que está com sua mochila pendurada por apenas uma alça nas costas e possui uma folha de papel em mãos. Ele dobra o corredor e entra numa porta em seguida.
Vemos uma movimentação de alunos. Ele caminha até uma mesa e deixa o papel sobre ela. Ao virar-se, dá de cara com Brick e leva um susto.
Liam – Cruzes!
Brick – O que?
Liam (ajeitando sua mochila pela alça) – Já não é a primeira vez que você faz isso.
Brick – Que eu faço o que, Foley?
Liam – Me dá um susto.
Brick – Deixa de ser mariquinha! (olhando para a mesa) O que você deixou na minha mesa?
Liam – A matéria.
Brick (indo se sentar) – Eu tava na aula, obrigado pela preocupação.
Liam – É a matéria pro jornal.
Brick (pega o papel e o olha) – Hum...
Liam – “Hum” o que?
Brick (lendo) – Hum...
Liam – “Hum” o que, Brick?
Silêncio por alguns segundos.
Brick (ainda lendo) – Hum...
Liam – Foi um “Hum” bom ou um “Hum” ruim?
Brick (lendo) – Pode melhorar...
Liam (arregalando os olhos) – O que?
Brick (esticando o braço para devolver o papel) – Isso aqui está horrível. Quero outra matéria em minha mesa até amanhã. (franzindo a testa/ olhando para o lado) Amanhã?
Liam (pega o papel e o olha) – Mas o que tem de errado com isso?
Brick (mexendo em outros papéis) – Péssima formatação de escrita e texto não conciso.
Liam (abrindo os braços) – Só pode estar de sacanagem com a minha cara, não?
Brick (encarando-o) – Não.
Liam – Eu tive um trabalho enorme pra conseguir descobrir qual é o tema da festa “escondida” que vão dar na casa do Johny neste fim de semana e você simplesmente ignora?
Brick – Sim. Seu modelo de escrita não agradou e a história não é boa.
Liam – Mas foi o que aconteceu. A única coisa que aconteceu durante a semana, após o incidente do Alex na cantina.
Brick (olhando para o lado) – Muito idiota o Alex, né? Isso eu mesmo publiquei.
Liam (continuando) – E eu tive que correr atrás dela sozinho durante essa semana, porque a Ashley estava caçando outro namorado pra semana que vem e não pôde me ajudar.
Brick – Isso aí já é azar o seu.
Liam (leve irritação) – Brick!
Brick – Não gaste meu nome em vão. (apontando para o papel/ movimentando a mão) Muda algumas coisas aí nessa história.
Liam (tom) – Brick, isso aqui é fofoca de escola! Não é um assunto sério e foi o que realmente aconteceu. Descobri o boato e revelei os fatos. Não há como mudar.
Brick – Claro que há!
Liam – Então você quer que eu minta?
Brick – Não. Só distorça a verdade.
Liam – Aí se acontecer alguma coisa, a culpa vai ser minha, que escrevi mentira. Ainda mais sendo fofoca.
Brick – Fofoca não, entretenimento. E outra! (levanta-se) Se fosse mesmo fofoca, que graça teria se não fosse inventado?
Liam – Gostaria que eu inventasse algo sobre você?
Brick – Eu esmagaria a sua cara.
Liam (irônico) – Tá bom... Me desculpa, mas eu não sou escritor e não vou fazer.
Brick – Me desculpa, mas você está fora.
Liam bufa e o encara, enquanto Brick se senta novamente, sorrindo forçadamente.
Liam – Verei o que posso fazer. Hawkins!
Liam se vira e sai.
Corta para:
Hospital Ext. Manhã
[música: “Falling Awake” – Gary Jules]
Imagem mostra a fachada do hospital, onde se lê “Hospital Memorial de Tudor”.
Corta para o interior de um quarto. Vemos Ethan sentado em uma cadeira localizada ao lado da cama, que está vazia. De uma porta, sai Lucy. Ela está com um roupão, chinelos e notamos seu braço engessado.
Lucy (caminhando até a cama) – Voltei.
Ethan – Está melhor agora?
Lucy – Sim. Fui ao banheiro e me sinto aliviada. (sorri) Foi o número 1 mesmo, tá? (senta na cama lentamente)
Ethan (sorri) – Não, eu quis dizer em relação ao braço. Pô, ontem ele estava apenas enfaixado e agora...
Lucy – Ah... O doutor... Esqueci o nome dele agora.
Ethan – Calvin?
Lucy – Isso, esse cara aí mesmo. Então, ele precisava tirar chapas e tudo mais. Agora que ele já tem tudo, resolveu engessar. E pra sua informação, eu tô engessada faz um tempinho. Coisa de semanas.
Ethan – Ops! É que faz um tempinho que não venho aqui, não é?
Lucy – É. Devo ficar mais um mês com esse gesso. (pausa) Olha, Ethan... Pra falar a verdade, você nem precisa. Sério. Você está faltando aula e isso não é bom.
Ethan – Calma, garota. Eu tenho tudo sob controle.
Lucy – E você não estava de castigo?
Ethan – Ainda estou. Meu pai me deixa na escola e quando ele vai embora eu saio, pego o ônibus e venho até aqui.
Lucy – Até ele descobrir.
Ethan – Relaxa. Não posso ficar mais ferrado do que já estou.
Lucy – E seu pai? O que ele fala em relação ao acidente?
Ethan – Nada. Ele fala mais do carro que eu destruí. Se bobear nem se lembra que eu cheguei a ficar inconsciente.
Lucy – Mas falando sério agora... (ajeita o cabelo com a outra mão) Não precisa ficar vindo aqui. Você já se desculpou e eu aceitei suas desculpas. De coração.
Ethan – Eu sei, mas é que realmente eu me senti culpado pela basteira que eu fiz. (Lucy sorri) Eu faria o mesmo se eu atropelasse um cão. Ficaria no veterinário até ele ficar cem por cento curado.
Lucy – E se o cão morresse?
Ethan – Aí não poderia fazer nada.
Lucy – E se eu morresse?
Silêncio por um breve momento. Lucy abaixa a cabeça, tristonha.
Ethan – Eu jamais iria me perdoar.
Ambos ficam em silêncio por mais alguns segundos.
Ethan – E para de pensar nisso, garota. Você está viva e bem de saúde, graças a Deus.
Lucy sorri e encosta na cabeceira da cama em seguida. Ethan retribui o sorriso.
Ethan – E então... A papinha que eles dão aqui dá pro gasto ou você vai ter que se consultar com o gastro... Gas... Enfim, médico de estômago? (Lucy ri) Ah, você entendeu!
[música cessa]
Corta para:
AQT Group / Sala de Leo – Int. Manhã
Câmera mostra Leo sentado à mesa redonda, perto da porta, concentrado conferindo uma planta. Imagem se aproxima dele lentamente.
Monica (em off) – Leo!
Leo (sem se virar) – Oi.
Monica (em off) – Vem aqui rapidinho.
Leo larga o lápis e se vira para a direção em que Monica está. Câmera a revela sentada à mesa dele, mexendo em seu computador. Leo suspira e vai até ao lado dela.
Leo – O que?
Monica – O que é isso?
Leo – “Isso” o que?
Monica – Olha pra tela que você vai saber.
Leo (olhando para a tela) – O que?
Monica – Esse troço vermelho com um “X”.
Leo – Ah, isso?
Monica – É.
Leo – Ah, simples! Você acabou de deletar uma planta importantíssima e apareceu essa mensagem.
Monica (arregalando os olhos) – Não!
Leo – Tô brincando.
Monica – Palhaço! Quer me matar de susto?
Leo – Desculpa, não resisti.
Monica – Bobão. Sério, como eu faço pra isso desaparecer?
Leo – Dá ok ou cancela.
Monica – Mas a mensagem está estranha. Parece árabe.
Leo – O que você fez?
Monica – Estou tentando gravar as plantas num CD pra botar no arquivo técnico.
Leo – E você não consegue fazer isso sem supervisão?
Monica (dá um tapa no braço de Leo) – Dá pra ajudar?
Leo – Me conta passo a passo o que você fez.
Monica (olhando para a tela) – A máquina perguntou se eu queria gravar. Aí eu disse sim.
Leo – Ela é boa de conversa?
Monica – Que?
Leo – Você tá dizendo que ela perguntou e você respondeu.
Monica (continua sem dar importância) – Aí apareceu isso.
Leo – Você botou a mídia?
Monica – Sim, eu botei a mídia.
Leo – Você...
Monica (interrompendo-o) – Sim, eu fiz.
Leo – Nem sabe o que vou perguntar!
Monica – Não enche!
Leo aperta o botão e o drive de CD abre.
Leo – Põe o CD aí dentro, esperta.
Monica – Vou nem falar nada.
Leo (dirige-se à mesa redonda) – Melhor mesmo, pois sabe que está errada.
Monica (com as sobrancelhas erguidas/ sem dar importância) – Hum!
Leo – Depois me explica como você conseguiu mudar o idioma da máquina. E vem cá, o que você está fazendo aqui, que não está na recepção?
Monica (olhando para a tela) – Pessoas estão me irritando hoje.
Adam (entrando na sala) – Bom dia!
Leo – Bom dia, Adam!
Monica (maliciosa) – Muito do bom dia.
Adam (reparando em Monica) – Tá fazendo o que aqui, que não está na recepção?
Leo (murmurando) – Quero ver agora...
Adam (abre uma das portas do armário) – O que disse?
Leo – Nada. (ajeita a cadeira/ se sentando) Só estou conferindo umas coisas aqui na planta.
Monica – Eu aproveitei que o movimento tá fraco e vim gravar algo num CD, já estou descendo.
Adam (guardando uma pilha de papéis no armário) – Ah, sim. Porque tem um cara lá embaixo perguntando por você.
Monica (franze a testa) – Por mim?
Adam – É... É um tal de...
Monica (levantando-se) – Harold?
Adam – Isso.
Monica (indo em direção à porta) – Ah, sim.
Leo (olhando para Monica/ estranhando) – Monica, não seria esse Harold aí que é o seu primeiro ex-marido?
Monica – Sim. Estamos combinando de sair hoje à noite. Qual é o problema?
Leo (pondo-se ereto na cadeira) – Nenhum. Eu acho.
Monica – Aprenda uma coisa aqui com a amiga experiente. Todo ex serve de estepe. Se você está sozinho, corra pro ex. Se você está na fossa, corra pro ex. Se você está depressivo ou sentindo muito a falta de sexo, corra para o ex.
Leo (franze as sobrancelhas) – Ok. (pausa) Eu acho.
Adam – Mas e se você se cansar ou brigar novamente com esse ex? (fecha o armário)
Monica – Pra isso existe o segundo ex, querido!
Monica sai da sala, enquanto Adam e Leo balançam a cabeça negativamente.
Corta para:
Bronx High – Ext. Tarde
[música: “This is a Call” – Foo Fighters]
Vemos grande movimentação de alunos. Todos estão saindo do colégio. Há grupos distintos conversando, e alguns até gargalhando alto. Câmera desloca para a frente do prédio. Brick empurra a porta principal e sai do prédio. Ao olhar para frente, avista Liam parado conversando com uma garota. Ele se aproxima dos dois. Ao chegar, puxa a garota e lhe dá um beijo intenso, interrompendo o assunto que ela tratava com Liam. Liam suspira e olha para o lado, sem jeito, e ajeitando sua mochila pela alça. Brick termina o beijo e se afasta da garota.
Brick – Cai fora.
Ela faz uma cara séria, encarando-o por alguns segundos e sai.
[música cessa lentamente]
Liam – E tinha que se exibir...
Brick (furioso) – O que foi aquilo?
Liam – Como assim “o que foi aquilo”? Eu é que te pergunto: o que foi aquilo?
Brick (aproximando-se) – Não se faça de bobo, Foley?
Liam suspira, com um ar de cansaço.
Liam – Tá bom, Brick... Qual vai ser a implicância dessa vez?
Brick – O que era aquilo entre você e a... E a tal ali?
Liam (franze as sobrancelhas) – Nada, oras! Por que a pergunta?
Brick – Não, é que... Eu achei que vocês estavam próximos demais pro meu gosto. Só isso.
Os dois começam a caminhar.
Liam – Você precisa de um psicólogo, isso sim.
Brick (puxando Liam pelo ombro) – Escuta aqui. (Liam o encara) Fica longe da “tal”, valeu?
Liam (empurrando-o) – Cara, qual é o seu problema? Primeiro que eu não tenho nada com ela. Segundo, era algo sobre o jornal.
Brick – Mas ela nem é do jornal.
Liam – Não enche, seu paranoico. O que, o senhor “editor-chefe e gerente geral de suporte” esqueceu que criou cargos demais pro jornal e inventou que ele estava cheio, só pra não me dar a vaga? O que é? Está com medo de mim?
Brick – Ha. Eu? Com medo?
Liam – Aham.
Brick – De você? (Liam confirma com a cabeça) Me poupe e faça um favor: some da minha frente senão eu vou acabar com a sua vida.
Liam – Você já me ameaçou assim antes. E quer saber? (dando de ombros) Dane-se!
Liam vira e segue andando, deixando Brick para trás. Liam caminha mais um pouco e encontra Chelsea. Os dois seguem caminhando.
Chelsea (sorrindo) – Liam! E aí?
Liam (sério) – Oi.
Chelsea – O que houve?
Liam – Nada... É só o Brick que enche a porcaria do meu saco. Mas tudo bem, já passou.
Chelsea (comprime os lábios/ olhando para o lado) – Hum...
Liam – O que foi?
Chelsea – Nada.
[música: “Valentine” – The Get Up Kids]
Liam para de caminhar. Chelsea dá alguns passos, para e volta.
Chelsea – O que?
Liam – Como nós estamos?
Chelsea – De onde veio essa?
Liam – Sei lá. Eu quero saber como nós... Enfim, acho que você ouviu a pergunta.
Chelsea – Em que sentido?
Liam – Estamos há um bom tempo apenas ficando aqui e ali...
Chelsea (abaixa a cabeça/ sem jeito) – Eu sei...
Liam – Olha... (abrindo a mochila) Antes de tudo eu queria te entregar uma coisa.
Ele retira um envelope branco da mochila e a entrega.
Chelsea (olhando o envelope) – Que isso?
Liam – É uma coisa que eu escrevi pra você... (Chelsea começa a abrir o envelope) Mas eu queria que você não lesse.
Chelsea (para de rasgar o envelope) – Como assim não quer que eu leia? (Liam coça a cabeça) Você escreve algo pra eu ler e não quer que leia?
Liam (sem jeito) – É pra você ler depois. (olhando para os lados) Quando estiver sozinha. (Chelsea olha novamente para o envelope) É uma carta que eu escr... Nela eu escrevi algumas coisas que tenho vergonha de falar cara a cara e... (coça a cabeça)
Chelsea (cortando-o) – Você acha que a gente devia namorar?
Liam (erguendo as sobrancelhas) – Você tá me pedindo em namoro?
Chelsea (abaixa a cabeça) – Você acha que a gente devia namorar?
Liam (radiante) – Você tá me pedindo em namoro?
Chelsea (guarda o envelope na mochila) – Eu não sei.
Liam – Não sabe se está me pedindo em namoro ou se acha que devíamos namorar?
Chelsea – Não sei.
Liam – Olha, Chelsea. Já estamos ficando há um bom tempo…
Chelsea – Você já disse isso.
Liam (continua) – Eu não estou ficando com ninguém e você também não. Eu acho. Você tá ficando com alguém? Digo, me excluindo, é claro.
Chelsea – Não. Eu não tô ficando com ninguém. Te excluindo, é claro.
Liam – Então.
Chelsea – Ok.
Liam – “Ok” o que?
Chelsea (fechando os olhos/ abraçando seu fichário com força) – A gente namora.
Chelsea abre os olhos, os dois se encaram e sorriem.
Liam – Então... Somos namorados?
Chelsea (ajeita o cabelo/ sorrindo tímida) – Uhum...
Os dois sorriem e Liam a surpreende com um selinho.
Chelsea – Essa eu não esperava.
Liam sorri e os dois começam a andar.
Liam – Bom... Então.
Chelsea – Estamos namorando?
Liam – Estamos namorando. (franze as sobrancelhas) Estamos namorando?
Chelsea – Estamos namorando.
Liam estende a mão, sorrindo. Chelsea olha para a mão de Liam. Câmera pega, em close, a mão dele estendida. Em seguida, a mão de Chelsea a segura.
Liam – É... Estamos namorando.
Imagem agora pega o dois de costas, caminhando de mãos dadas.
[música cessa lentamente]
Corta para:
Casa desconhecida – Ext. Fim da tarde
[música: “Wonderwall” – Oasis]
Vemos Leo e Julia se beijando carinhosamente. Imagem abre e vemos Leo sentado em uma mureta de pedras e Julia, entre as pernas dele. Ela o abraça após o beijo.
Julia (tristonha) – Tem certeza que você tem que ir nesse jantar?
Leo – Absoluta. E olha, já faltei a faculdade hoje por dois motivos. Um é que o trabalho agarrou. E o outro é que... Passei o resto do dia com você. (passando a mão no cabelo dela) E não me arrependo. (eles dão alguns selinhos) Pode parecer irônico e meio adolescente esta citação, mas... Se eu faltar esse jantar meu pai me mata.
Ambos riem e se beijam novamente. Julia se afasta e Leo se levanta.
Julia – Ok.
Eles se abraçam e Leo a beija novamente. Ele afaga os cabelos de Julia, que o abraça com entusiasmo. Aos poucos vão desfazendo o beijo.
Leo (sorrindo/ desacreditado) – Agora é sério, tenho que ir.
Julia sorri e Leo dá um beijo em sua testa.
Leo – Te ligo mais tarde, pode ser?
Julia sorri empolgadamente. Ele se vira e segue em direção ao carro. Imagem mostra Julia radiante. Leo olha para trás e a vê sorrindo. Ele para no meio do caminho, sorri e volta, se aproximando de Julia novamente. Leo coloca suas mãos na cintura de Julia, que descansa seus braços por volta do pescoço dele. Os dois ficam apenas parados, trocando olhares, enquanto sorriem. Os dois se beijam novamente. O beijo é rápido, porém romântico. Novamente, eles se afastam devagar.
Julia (sorrindo) – Cai fora.
Leo retribui o sorriso, dá alguns passos para trás e se vira, caminhando até o carro. Ele sorri e Julia acena. Leo entra no carro e parte.
[música cessa]
Corta para:
Dixon’s – Int. Noite
Há algumas pessoas sentadas nas mesas e há algumas no balcão, realizando suas refeições. Emily entra na lanchonete olhando ao redor, procurando por algum lugar. Duas pessoas se levantam de uma mesa próxima da janela. Ela caminha e se senta.
Voz (aproximando-se com papel e caneta) – O que vai querer?
Emily (olhando para trás) – Oi, Bill.
Bill – Oi. O que vai querer?
Emily (pensando) – Um… Dois… Dois? Dois não, um.
Bill – “Um” o que?
Emily (coçando o braço) – Vou querer um...
Bill – Esse “um” é bem passado?
Emily – Você nem sabe o que vou pedir!
Bill – E nem você.
Emily – Sei sim. Eu quero um sanduíche natural e um suco de qualquer coisa. (olhando para o lado pensativa) Qualquer coisa? Qualquer coisa não. Está frio. Quero um café. (olhando para o lado pensativa) Café? Já sei! Um café e dois donuts comuns e sem granulado, pelo amor de Deus.
Bill – Ok. Feito.
Emily – Não vai anotar?
Bill – Nem se eu tivesse um aneurisma iria esquecer.
Emily – E o Aiden?
Bill – Está em casa se arrumando e vai sair com uma bonitona. Me deixou aqui com tudo. E sozinho.
Emily – Te deixou até com o senso de humor rude, não foi? (Bill se retira) Eu hein.
Emily olha pela janela, a movimentação na rua. Ela percebe a presença de um homem ao seu lado. Ela olha e leva um susto.
Emily (surpresa) – Chip?
Chip – Oi... Emily.
Emily movimenta ligeiramente o canto do lábio, tentando esboçar um sorriso, porém volta a ficar séria rapidamente.
Chip – Será que posso me sentar?
Emily (piscando como se estivesse acordando) – Ah, sim, claro. Senta aí.
Chip – Como tem passado?
Emily – Bem, na verdade. E você?
Chip – Não vou mentir. (pausa) Tenho andado bem angustiado ultimamente. Principalmente nos últimos meses.
Emily – Por causa de que?
Bill (chegando) – Seu pedido.
Bill põe o pedido de Emily sobre a mesa e olha para Chip.
Bill (à Emily) – Ei, desde quando você se duplicou?
Emily – Aiden!
Bill – Não me xinga, eu ainda sou mais sociável do que ele. (a Chip) Vai querer alguma coisa?
Chip – Não, obrigado.
Bill – Você vem a uma lanchonete e não vai comer nada?
Chip – Não, obrigado.
Emily (a Bill) – Cai fora.
Bill olha torto para os dois e sai.
Emily – Bom, você dizia…
Chip – Emily, vou ser direto. (pausa) Só não quero que pense que estou te pressionando. Afinal, faz meses que eu quero uma resposta e você não me atende, não responde meus e-mails, minhas mensagens... Parece que está fugindo de mim. Eu sou um monstro por acaso?
Emily – Tenho andado ocupada com algumas coisas.
Chip – Ok. Mas você não está agora.
Emily – Na verdade eu estou criando coragem pra enfrentar meu pai.
Chip (preocupado) – Seu pai? O que ele fez?
Emily – Algo muito sério e eu não gostaria de falar no assunto. (Chip abaixa a cabeça ligeiramente) Pelo menos não agora, se é que você me entende.
Chip (suspira) – Ok, tudo bem... Tudo ao seu tempo. (pausa longa) Bom... Eu...
Emily – Certo. Pode falar. (toma um gole do café)
Chip – Bom. Pra começar sendo bem direto, eu quero saber por que você não quis ficar noiva naquela noite.
Emily – Olha, Chip, eu não me senti preparada.
Chip – Como, se você sempre quis casar, ter uma vida a dois e... (pausa longa) Eu tinha planos, Emily.
Emily (abaixa a cabeça/ triste) – Eu sei.
Chip – Nós já morávamos juntos há alguns anos, só faltava oficializar nosso relacionamento e você... Simplesmente pulou fora.
Emily – Shhh! Fala baixo!
Chip – Nós tínhamos planos, nós tínhamos uma história!
Ouve-se apenas o som da conversa das outras pessoas por uns instantes.
[música: “Numbered Days” – Eels]
Chip – Quando você recusou meu pedido de noivado, eu... Eu quase pirei. (pausa) Achei estranha essa sua atitude. Aí eu fiquei com esse peso nas minhas costas por todos esses meses. Foram 6 meses tentando entender o porquê. Aí, quando me julguei preparado pra saber de todas as respostas, eu te ligava e você me evitava. Então, minha última alternativa foi aparecer aqui e acabou não dando em nada. Você veio com a mesma desculpa esfarrapada de que estava ocupada no dia de Ação de Graças.
Emily – Eu sei, me desculpa, Chip. Eu realmente estava ocupada e não me senti preparada pra enfrentar tudo de novo, juro pra você. De verdade, eu... Achei que ia ser fácil, mas... Eu não sei. (pausa longa) Sinto muito, mas eu não consigo explicar.
Chip olha para o lado ligeiramente e volta a encará-la.
Chip – Foi por causa dele?
Emily (franzindo a testa) – O que?
Chip – Que você não quis noivar comigo e... Enfim. Todo o boato que eu ouvia na cidade... Foi por causa dele?
Emily (séria) – Claro que não! (pausa/ incrédula) Meu Deus, por que todos pensam que eu gosto dele?
Chip – Desculpa, eu só te fiz essa pergunta por que eu me importo com você, Emily. Porque eu ainda te amo e não consegui te esquecer.
Emily arregala os olhos e abre a boca, pasma.
Chip – Se fosse apenas pra eu deixar o que aconteceu de lado, era fácil. Mas eu não conseguia parar de pensar nisso, e agora eu quero respostas. Por isso eu fiquei insistindo. Todo esse tempo que eu fiquei longe, eu estava mesmo era dando um tempo pra nós dois. Sabe, pra colocar tudo em ordem...
Emily – Chip, eu... Eu nem...
Emily toma um gole do café e faz uma cara ruim.
Chip – O que foi?
Emily – Tá frio.
Chip (pega nas mãos de Emily) – Eu não quero que você me diga nada. Não por enquanto. (pausa) Eu vou viajar e ficar alguns meses na Flórida. Aí eu venho de vez com a resposta do meu emprego, dizendo se eu vou ficar de vez ou não.
Emily solta suas mãos lentamente e segura a xícara de café.
Emily – Chip...
Chip – Até a próxima. (pausa rápida) Emily.
Ele se levanta, põe a cadeira ano lugar e sai, deixando-a pensativa, ainda abismada.
[música cessa]
Corta para:
Casa de Kelly / Sala de Jantar – Int. Noite
Câmera percorre pela mesa, onde vemos Grayson, Kelly, Leo e Liam com os pratos vazios. A empregada começa a recolher alguns utensílios.
Grayson – Então, Liam?
Liam (arregalando os olhos) – Eu? (olha para Leo)
Grayson – Sim, você.
Liam – O que tem eu?
Kelly – Beth, já pode trazer a sobremesa, por favor.
Grayson – Eu vi você patinando no gelo naquele... Festivalzinho na sua cidade.
Leo – Ei, não desdenhe do nosso festival!
Liam – Sim. Foi minha primeira vez.
Grayson – Também vi que estava acompanhado de uma garota.
Liam (aliviado) – Ah, sim. Aquela era a Chelsea, uma amiga minha.
Grayson – E você costuma beijar suas amigas na boca?
Leo e Liam se entreolham, assustados.
Kelly – Querido, não precisa constrangê-lo. (Liam coça a cabeça) Não dê extrema importância, Liam.
Grayson – Não há constrangimentos, só estou querendo saber o que acontece na vida do meu neto e na vida do meu filho. Só isso.
Leo – Na minha também?
Grayson – Claro! Ou você acha que eu também não vi você se agarrando com aquela... Mulher.
Kelly – Querido...
Leo (fazendo-se de desentendido) – Que “aquela” mulher? O senhor está louco?
Grayson – Não sou cego.
Leo – Pai, olha...
Grayson – Falei com o Liam primeiro, então ele responde primeiro.
Leo – Então o senhor vai jogar a bomba pra mim e tirar o corpo fora?
Grayson – Então, Liam... (Leo bufa, incrédulo)
Liam – Ok, vamos lá. Eu e a Chelsea somos dois amigos.
Grayson – Chelsea?
Liam – Sim, o nome dela é Chelsea. E somos dois bons amigos.
Grayson – Dois bons amigos que se beijam de vez em quando?
Liam – Dois bons amigos que se gostam. (Grayson ergue ambas as sobrancelhas rapidamente) Ok, ok... Ela é minha namorada.
Grayson, Kelly e Leo (em uníssono) – Namorada???
Leo – Você não me contou sobre isso.
Liam (arregala os olhos) – É que nós... (sem jeito) Meio que decidimos hoje. (pausa/ a Leo) Desculpa.
Leo – Tudo bem.
Grayson (a Leo) – Você é um irresponsável!
Leo (estranhando) – O que? Eu? Voltou a falar comigo agora?
Grayson (sério) – Não, minha tia. Mas é claro que é você! Onde já se viu? Criou o filho sozinho a vida inteira e não sabe o que acontece bem debaixo do seu nariz? Tem que ter alguém de fora, no caso eu, pra notar que algo está errado?
Leo – Pai, não tem nada de errado.
Liam – É, vô... Pode ficar tranquilo que...
Kelly (interrompendo) – Eu vou ver a sobremesa. Não sei por que a Beth sempre demora tanto nessas horas. (se levanta e sai)
Leo – Pai, tá tudo certo. Isso aconteceu no colégio, provavelmente... (Liam confirma com a cabeça) E ele só não me contou porque quase não nos esbarramos hoje. Tivemos um dia cheio, só isso.
Grayson – Ok, vou deixar essa passar.
Leo (passando a mão na testa) – Ufa, menos uma. Que venha a próxima!
Grayson (sério) – Seu irresponsável!
Leo (surpreso/ apontando para si próprio) – Eu de novo?
Grayson – Sim!
Leo – Mas você já falou pra mim. (apontando para Liam) Agora é a vez dele.
Liam – Ei!
Grayson – Eu vi você com aquela mulher se agarrando no meio da praça!
Leo – Ah, você já disse isso... É a vez dele agora. (Grayson continua encarando-o) Ah, qual é? Você acha o que? Que eu devo dar uma de adolescente e esconder meu namoro?
Grayson – Não sei. Da última vez que fez isso, a Brenda apareceu grávida de você.
Liam – Você está namorando, pai?
Leo – Isso é sério, GI Joe.
Liam – Ei, você também brincou!
Leo – Shhh, Liam!
Grayson – O que foi?
Liam (a Leo) – Desculpa.
Leo (a Grayson) – Nada.
Grayson (apoiando os cotovelos na mesa) – E só pra ficar bem claro, já não fui com a cara dela.
Leo – O que? Como assim? Você nem a conhece! Como pode julgá-la?
Kelly volta, acompanhada de Beth. Kelly se senta e Beth começa a distribuir as sobremesas.
Kelly – Gelatina chegando, meninos!
Grayson (a Leo) – Sua mãe não gostou dela também.
Kelly – Não gostei de quem?
Leo – Mãe?
Grayson – A namoradinha do Leo.
Kelly – Ah, Leo. (sem jeito) Não sei. Ela me pareceu estranha.
Leo (ajeitando-se na cadeira/ olhando para o lado) – Inacreditável.
Kelly – Leo... Mas pode ser que estava escuro de onde eu vi a moça. E eu a vi de longe. Eu não sei.
Leo – E mesmo assim você não foi com a cara dela também? Parabéns, vocês estão a todo vapor com o clube “Ódio ao Leo e a tudo que ele faz”, no qual meu pai querido fez o favor de fundar.
Kelly – Calma, Leo.
Leo – Teve uma faixa roxa pra inauguração? Ou ela era azul? Usou aquelas tesouras gigantes? Teve fogos?
Grayson – Leo, nós só fazemos isso para proteger o seu filho.
Leo bufa, balançando a cabeça negativamente.
Grayson – É a integridade do seu filho que está em jogo.
Leo – Integridade?
Grayson – Exato. E o exemplo. Integridade e exemplo. Que exemplo você quer dar para um garoto que, ao contrário de você, quer ter um futuro decente, se você só vive na esbórnia?
Liam arregala os olhos, enquanto come. Ele fica sem jeito, tentando se encolher na cadeira.
Leo – Pai, é o seguinte: eu sairei com quem eu quiser, vou na esbórnia que eu quiser e vocês dois ficam fora disso, ok? O Liam vai continuar sendo o Liam e vou continuar sendo eu. E outra, eu não vou me privar de ter um relacionamento na esbórnia por causa do pirralho.
Liam – Ei!
Leo (continuando) – Ele sabe muito bem o que essa coisa toda de namoro significa. Ele não mistura as coisas, não muda de ideia facilmente, não é carro de direção hidráulica no qual é fácil de guiar e não preciso falar mais nada, acabou, fim de papo. (olhando para a mesa) Sobremesa! Oba!
Grayson – Será que você não percebe que você pode estar desvirtuando a mente dele?
Liam – Ei, eu estou aqui. Não falem de mim na minha presença.
Leo – Desvirtuando? Ele não é nenhum robô que age pelos pensamentos dos outros.
Liam (que parte sua sobremesa) – É isso aí!
Grayson olha seriamente para Liam, que põe a colher na boca rapidamente e olha para o lado.
Grayson (bufa/ insatisfeito) – Meu recado está dado.
O silêncio domina a sala.
Kelly – Eu só disse isso, porque o Grayson...
Leo (cortando-a) – Eu esperava qualquer coisa de todas as pessoas aqui da sala, menos da senhora. (pausa) E quando eu digo “todas as pessoas”, eu quero dizer esse homem aí.
Grayson – Eu?
Leo – “Não, minha tia. Mas é claro que é você! Onde já se viu?”
O silêncio predomina o local. Câmera os mostra numa visão mais afastada, apenas comendo.
Corta para:
Casa de Leo – Ext. Noite
Leo para o carro rente à calçada e sai, seguido de Liam.
Liam – Não vai botar o carro na garagem?
Leo (um pouco abatido) – Não. Preguiça.
Leo abre o portão e passa. Liam o fecha em seguida e os dois caminham pelo jardim, até a varanda e param.
Liam – Olha, esquece o meu avô.
Leo – E dá pra esquecer? Pra ele, mesmo você tomando atitudes próprias, eu serei sempre o irresponsável.
Liam – Na verdade eu nem entendi o motivo da discussão.
Os dois se sentam nos degraus da varanda.
Leo – Ele só queria um motivo pra jogar tudo na minha cara como sempre faz.
Liam – Acho que na verdade ele está assim só porque estamos namorando ou... Prestes a, como é o seu caso. Aí ele deve achar que tudo vai fugir do controle.
Leo – Ah, claro. Eu vou arrumar outro filho com a primeira pessoa que aparecer, você vai engravidar a primeira que aparecer e vamos viver vagando pelo mundo atrás de esmola. E daí?
Liam – Nada disso faz sentido.
Leo (abraçando Liam) – É, eu sei. Eu só queria que ele visse o lado bom das coisas às vezes e parasse de ser tão bitolado. Sabe, ele podia enxergar o fato de eu ter conseguido te criar. À minha maneira, mas eu consegui te fazer diferente de mim. E eu digo isso na questão da personalidade.
Liam – Para o meu próprio bem.
Os dois ficam em silencio por um instante.
Leo – E aí?
Liam – Vamos terminar a brincadeira?
Leo (arregalando os olhos) – É verdade, esqueci completamente! Tá com disposição?
Liam – Estou. Mas olha, eu só não quero emprestar o meu carrinho pro Aiden de novo.
Leo – E por que não?
Liam – Porque ele só quer ficar fazendo racha, jogando meu carrinho da mesa e vai acabar estragando.
Leo – É só dizer não.
Ouvimos o som de um celular tocando, enquanto Aiden se aproxima com algo nas mãos.
Liam (tira seu celular do bolso/ olhando no visor) – É o Ethan, ele tem me ligado em horários especiais. (levanta)
Leo (levantando) – Castigo?
Liam – É. Eu vou atender lá dentro.
Leo – Não demora.
Leo dá uma tapa de leve no ombro de Liam, que logo entra, enquanto Aiden chega.
Aiden – Olha!
Leo pega o que está nas mãos de Aiden.
Leo – É pano.
Aiden – Abre.
Leo abre e notamos que se trata de uma camisa. Na frente, está o desenho do rosto de Aiden.
Aiden – Eu disse que ia fazer uma camisa com o desenho que o seu pirralho fez de mim, não disse?
Leo – Isso é um máximo! E... E o encontro com a Hanna? Foi hoje, não foi?
Aiden – Foi bom, mas terminou rápido. Ela tinha umas coisas pra fazer amanhã cedo. Sabe, uns dentes pra cuidar. O de sempre. E você?
Leo – Bom, eu tava num jantar com...
Aiden (interrompe) – Ótima história. (toma a camisa de volta) Vamos terminar a brincadeira?
Leo sorri empolgado e eles entram. A porta se fecha em seguida.
FADE OUT
- - - - - - - - - - - - - - -
OPENING CREDITS
Starring:
Aiden Turner AS Leo Foley
Asher Book AS Liam Foley
Cameron Mathison AS Aiden Dixon
Chris Warren Jr AS Ethan Morgan
Jane Sibbett AS Monica Führ
Piper Perabo AS Emily Drewan
Kathy Bates AS Kelly Foley
Special Appearance:
Victor Garber AS Grayson Foley
Guest:
Robbie Amell AS Brick Hawkins
Caitlin Wachs AS Lucy
Kirby Bliss Blanton AS Chelsea Smith
Mark Doerr AS Adam Miler
Billy Gardell AS Bill
Amaury Nolasco AS Chip
Dilshad Vadsaria AS Julia Simon
Patricia Heaton AS Beth
Created by: Eduardo Avellar
Written by: Eduardo Avellar
Music Theme: "Where the Lines Overlap" performance by Paramore
Music end of episode: "Black Horse and the Cherry Tree" performance by KT Tunstall
Soundtrack:
"Falling Awake" – Gary Jules
"This is Call" – Foo Fighters
"Valentine" – The Get Up Kids
"Wonderwall" – Oasis
"Numbered Days" – Eels
END CREDITS
FOLEY BOYS™ 1x12: IT’S SERIOUS, GI JOE
©COPYRIGHT 2011 - ALL RIGHTS RESERVED
Relacionados

0 comentários: