0:00 min       FOLEY BOYS     SÉRIE
49:00 min    

WEBTV APRESENTA
FOLEY BOYS


Série de
EDUARDO SOARES DE AVELLAR


Episódio 06 de 21





FADE IN
Praça – Ext. Manhã
Leo e Liam vêm caminhando, cruzando a praça. Liam está vestido com seu uniforme do colégio e Leo vestido para o trabalho.
Leo – Daí eu levantei e nem acreditei no que tinha acontecido.
Liam – Ahn...
Leo – Tá tudo bem?
Liam – Já é a quinta.
Leo – “Quinta” o que? Quinta-feira?
Liam – Quinta vez que você me pergunta isso.
Leo – Eu sei, mas é que... Sei lá.
Liam – Pai, já falei que tá tudo bem.
Leo – Ok.
Liam – Olhou os pés dela?
Leo (estranhando) – Que?
Liam – Você me contou uma vez que tem a mania de olhar os pés das pessoas, principalmente das mulheres com quem vai ficar. (Leo ri e coça a cabeça) Se eles forem bonitos e os dedos proporcionais, você fica com ela. Agora, se o pé for feio, tiver os dedos tortos e possuir joanete, você dispensa a pessoa na hora. (pausa/ cutucando-o com o braço) Imitando o Eddie Murphy legal em “O Príncipe das mulheres”.
Leo (olhando ao redor) – Nem reparei os pés.
Liam (sarcástico) – Sei...
Leo (completando) – Porque foi bem rápido.
Liam – Vamos pular essa parte. Você se protegeu pelo menos?
Leo – Agora eu tenho que dar satisfações dos detalhes?
Liam – Só checando, caso apareça um irmãozinho pra mim daqui a algum tempo. Imagina se a mulher resolve pedir parte da minha pensão? Logo ela vai descobrir que somos pobres, vai desistir do dinheiro e deixar o Leozinho com a gente.
Leo – Quem é Leozinho?
Liam – Eu quando era um zigoto. Mas agora é vez do meu irmão, que nascerá dentro de 9 meses, ser chamado assim.
Leo (fazendo o sinal da cruz) – Nem brinca, tá? E outra, ela também não é nenhuma prostituta ordinária que apareceu na cidade só pra me passar DST ou me arrumar problema.
Liam – Tá bom.
Leo – Não que filho seja um problema.
Liam – Aham.
Leo – É que no seu caso... Você foi um problema. Mas um problema que deu certo. Mas ainda sim, um problema.
Liam – Quanto mais você fala, mais se complica. E olha só, quem disse que ela é uma prostituta ordinária? Ninguém falou isso.
Leo – Eu só frisei antes que pergunte. (pausa longa) Foi apenas sexo casual! Grande coisa. O que tem de mais nisso?
Liam – Pai, eu não tô falando nada. Eu só perguntei, porque você dormiu com ela no sábado, então chegou tarde em casa com os sapatos nas mãos que eu vi, e quando eu acordei no domingo, você passou o dia todo evitando falar no assunto.
Leo – É que eu achei que tava te constrangendo.
Liam – Já sou constrangido por você ser meu pai. Esquece isso.
Leo – Você vai entender quando chegar a sua vez de fazer... Essas coisas.
Liam – O que, sexo?
Leo – Também. Mas eu me refiro aos... Casuais.
Liam – E quem disse que eu não faço sexo?
Leo (convicto) – Eu sei.
Liam – Poderia estar fazendo no sábado, quando saiu.
Leo – Com quem?
Liam – O Ethan tem uns telefones.
Leo – Fazendo sexo com o Ethan?
Liam (fazendo cara de nojo) – Ugh! Não! Ele tem telefones de garotas.
Leo – Usar garotas de programa não vale.
Liam – Seu sem graça!
Leo – Tá, mas... Quando chegar a hora, você vai entender o que é o sexo casual.
Liam – São duas pessoas que transam sem se conhecer e sem ter o compromisso de ligar no dia seguinte, ou seja, um serviu pra dar prazer ao outro e vice-versa.
Leo (surpreso) – Muito bem o seu conceito. Na teoria!
Liam – Tá dizendo que não sou bom na prática? Ou que eu não tenho feito a prática. Ou que a prática...
Leo (abraça Liam, que continua falando) – Crianças...
FADE OUT


  
FADE IN
Dixon’s – Int. Manhã
Leo e Liam entram na lanchonete. Todas as pessoas voltam seus olhares para eles, que param assustados.
Leo (sorrindo/ cochichando com Liam) – Mas o que... O que houve? Por que todos estão encarando a gente?
Liam – Eu sei lá!
Os dois sorriem forçadamente e se sentam nos lugares vagos. Todos começam a cochichar algo entre si.
Liam – Pai.
Leo – Que?
Liam – Se foi pelo vidro da janela da senhora Bing, eu juro que não fui eu. Tudo bem que eu tava no meio da confusão, jogando Softball, mas não-fui-eu!
Leo – E você lá tem talento pra jogar alguma coisa? Ou você se esqueceu do desastre no golfe? E outra, não esquenta.
Aiden – O que vão querer?
Leo – Saber o que houve aqui.
Aiden – Desculpe, mas não está no cardápio.
Leo – Eu só quero saber o que houve aqui e só.
Aiden – Se vão ficar e ocupar lugar à toa, peço que caiam fora.
Leo – Aiden.
Aiden – O que?
Liam – Por que estão falando da gente?
Aiden – Ah, relaxa pirralho. Não tão falando de você, e sim do seu pai.
Leo – Que? De mim? Por quê?
Liam – É, por quê?
Aiden – Porque tá todo mundo sabendo do seu encontro casual.
Leo (bufa) – Ah, claro...
Aiden – Você deve ter dado alguma bandeira. Alguém deve ter visto você saindo com ela.
Liam – Boa, pai.
Leo – Ei, pera lá. Como eu vou saber se não foi você quem contou pra fofoq... Digo, pra Olívia? Ou pra Sophie?
Aiden – Eu poderia ter contado pra te descontar de quando todos vieram contra mim e você botou lenha na fogueira. Mas, como eu realmente sou seu amigo... (Leo foça um sorriso)
Leo – Tá, mas... Até quanto eles sabem?
Aiden – Como assim?
Liam – É que “até quanto” pegou mal na frase.
Leo (a Aiden) – Eu quero que você me diga o máximo que eles sabem da história. O quanto eles sabem?
Aiden – Em metros ou centímetros?
Leo – Para, palhaço, é sério!
Aiden – Em milímetros?
Leo – Tsc!
Aiden – Tá vendo como é bom zoar os outros?
Leo – É, eu sei.
Aiden – Vai querer o que?
Leo – Só uma panqueca e um suco de laranja, já que toda essa fofocada me tirou a fome.
Aiden – E você, pivete?
Liam – Hum... Deixa eu ver...
Aiden – Esse tempo todo você ainda não pensou?
Liam – Ou eu presto atenção na conversa ou penso no que vou comer.
Aiden – Eu não tenho o dia todo disponível só pra você. E outra, seu pai rapidinho me deu a resposta.
Liam – Ele tem a capacidade de pensar em 15 mil coisas ao mesmo tempo. Por isso faz besteira por aí.
Leo – Ei!
Liam – Já eu, não.
Leo – Vai lá, bonitão.
Liam (continuando) – Eu penso em cada coisa de cada vez.
Aiden – Já pensou agora?
Liam – Não, porque eu tava falando com você.
Aiden – E agora?
Liam – Eu não funciono assim, meu amigo.
Aiden – Pensa aí e quando eu voltar você me diz.
Aiden vira-se para sair, mas volta.
Aiden – Ah, Leo!
Leo – Pois não?
Aiden – A Emily ainda não sabe.
Leo – Quem não sabe o que?
Aiden – Ela não sabe desse teu rolinho aí.
Leo – E por que não?
Aiden – Ficaram receosos em contar pra ela.
Leo – E por quê? Digo, não que minha vida diga respeito a todos, mas já que tá tudo exposto, o que que tem ela saber?
Aiden – Ah, não se faça de sonso!
Leo – Eu hein. Mais essa.
Liam – Já decidi o que vou comer! (Aiden sai) Ei, volta aqui!
Leo – Depois ele volta.
Senhora (aproximando-se) – Leo!
Leo – Olívia.
Olívia – Arrumando outra mãe pro Liam, né safadinho?
Leo (indignado) – O que?
Olívia – Estou sabendo do que aconteceu no sábado.
Leo – Ah, é? O que aconteceu sábado?
Olívia – Não está sabendo?
Leo – Não!
Olívia – Não está sabendo que você saiu com a bonitona?
Leo (irônico) – Não me informaram a respeito disso ainda.
Olívia – Devia se informar mais. (sai)
Leo – Eu juro que se mais alguém ficar de gracinha eu vou embora sem pagar.
Liam – O Aiden não tem nada a ver com isso. Ah, deixa eu ir lá rapidinho.
Liam se levanta e caminha até o balcão. Aiden o vê ali parado, mas continua a mexer no caixa. Liam acena com a mão, Aiden olha e continua a mexer no caixa.
Liam – Hey!
Aiden o olha novamente, pega algumas notas e entrega a um senhor.
Aiden – Aqui está seu troco. Obrigado e volte sempre. (o senhor sai)
Liam – Vou querer uma panqueca com um suco e laranja.
Aiden – Tá de brincadeira com a minha cara?
Liam – Não. Ah, melhor, ao invés do suco eu quero um café! Mas só pra não ficar igual ao do meu pai.
Aiden permanece sério e vai para a cozinha. Liam volta para a mesa que estava, e nota que seu pai está no telefone.
Leo – Tá bom, mas diz que eu vou chegar aí um pouco mais tarde. (pausa/ Liam se senta) Tchau. (desliga)
Liam – Sabia que não pode usar celular aqui?
Leo – O Aiden tá lá dentro.
Liam – Mas isso serve de exemplo para as demais pessoas que frequentam a lanchonete. Aqui já não é tão grande e imagina se todo mundo resolve falar ao mesmo tempo?
Aiden – Aqui está. Duas panquecas e um café.
Leo e Liam pegam suas refeições e Aiden vira-se para voltar para o balcão, mas esbarra numa mulher.
Aiden – Opa, perdão.
Mulher – Não, tudo bem. É que você não estava no balcão, então vim até aqui te entregar isso.
Ela lhe entrega algumas notas enroladas.
Aiden – Isso tudo?
Mulher (sorrindo/ boba) – Ah, isso é meu e das minhas amigas. Pode ficar com o troco, viu?
Ela sai e se aproxima da porta, onde há três mulheres esperando por ela. Todas cochicham algo, bastante empolgadas. Duas soltam um gritinho e todas saem da lanchonete. Aiden olha para Leo, ergue as sobrancelhas e os dois riem.
Corta para:
Sala do Romans Bronx – Int. Tarde
Liam entra na sala e observa tudo ao redor. Ele dá alguns passos pra dentro da sala, parecendo procurar alguém. Ao virar-se para sair, dá de cara com Brick.
Liam (levando um susto) – Jesus Cristo!
Brick – Foley.
Liam – Podia ter me matado do coração.
Brick – Fazendo o quê aqui?
Liam – Falo sério. Senti até espasmos!
Brick – Não tem ninguém no jornal, está cedo e a aula já vai começar. O que quer aqui?
Liam – Ok, olha... Nesse fim de semana eu estava em casa...
Brick – Chatice.
Liam – Espera, deixa eu terminar. Então, eu tava em casa e achei uma caixa.
Brick – Com flores? Não fui eu que mandei, provavelmente.
Liam – Não, com uns desenhos meus.
Brick – Eu mandaria um pedaço de uma orelha ou de um dedo, provavelmente o mindinho. E seria o seu. E a caixa seria pro seu pai.
Liam – Posso terminar?
Brick – Não.
Brick sai e Liam vai atrás. Corta para o corredor do colégio, onde há movimentação de alunos.
Liam – Mas então...
Brick – Meu Deus, você ainda tá aí?
Liam – Estive olhando meus desenhos e percebi que eu desenho muito bem modéstia à parte.
Brick – E...?
Liam – E aí que eu tive uma brilhante ideia.
Brick – Nem quero ouvir.
Liam – Já que você ainda não se decidiu sobre o cargo que vou ocupar, eu queria te pedir pra me colocar na parte de quadrinhos. Sabe, eu faria as caricaturas do pessoal da escola, ou até criar piadas pra...
Brick (para de caminhar) – Não!
Liam (também para de caminhar) – O que? Por quê?
Brick (à menina que passa por ele) – Amanhã eu te ligo e a gente sai, valeu gata? (a Liam) Eu já decidi o que você vai fazer no jornal.
Liam – Não vai me botar pra cobrir a pavimentação do estacionamento, não é?
Brick – Não.
Liam – Ou a pintura das paredes da biblioteca ou a modernização do refeitório?
Brick – Não.
Liam (aliviado) – Ufa, menos mal.
Brick – Vai ficar na parte de entretenimento junto com a Ashley.
Liam (surpreso) – O que?
Brick – Quer que eu desenhe?
Liam – Você vai me fazer ficar na parte de fofoca do jornal junto com a Ashley?
Brick – Fofoca não, entretenimento.
Liam – Mas nessa parte do jornal só sai fofoca!
Brick (irônico) – Que pena! Cabe a você mudar isso. Mas a questão é: será que a líder de torcida mais famosa do colégio vai aceitar pitacos de um recém-chegado no jornal?
Ethan (aproximando-se) – O que tá pegando?
Brick – Bom, tenho mais o que fazer. (sai) Divirta-se fofocando, Foley!
Liam – Que cara ridículo!
Ethan – O que foi, cara?
Liam e Ethan seguem caminhando devagar pelo corredor. Ouvimos o sinal tocar.
Liam – Ele me deu a parte de fofocas do jornal.
Ethan – Que bom!
Liam – Que péssimo!
Ethan – Torno a repetir: que bom!
Liam – Tá maluco, Ethan? Não acabou de ouvi que eu vou ficar...
Liam e Ethan (completando) – Com a parte de fofoca do jornal.
Ethan – Eu sei! Mas olha pelo lado bom. Você vai ficar perto da Ashley.
Liam – E daí?
Ethan – Daí que você vai poder ser o mediador. Moderador. Sei lá.
Liam – O cupido, você quer dizer.
Ethan – Exato!
Liam – Cara, eu vou ser infeliz e vou entrar em depressão.
Ethan – Dane-se! Você vai e me ajudar com a Ashley. Deixa de ser egoísta e comece a pensar na felicidade dos amigos também.
Liam (surpreso) – O que?
Ethan (puxando-o pelo braço) – Vamos pra aula!
Corta para:
AQT Group / Sala de Leo – Ext. Manhã
Leo está falando ao telefone e mexendo em seu computador, enquanto Monica entra na sala.
Leo – Certo, mas eu só projetei a platibanda porque me disseram que a calha seria interna. (pausa longa/ Monica faz cara feia) Ok, eu mudo então. Ponho a calha externa, mas mantenho a altura do telhado pra entrar a caixa d’água. (pausa) Ok, mas aí é com a parte de instalações hidráulicas. (pausa) Certo, qualquer coisa torne a ligar sem problema algum. Obrigado, tchau. (desliga) E aí, Moniquinha?
Monica – Odeio esses termos que vocês usam no trabalho.
Leo – E assim que a gente se entende. Não posso chamar as coisas do jeito que eu quiser.
Monica – Comigo funciona muito bem. Eu diria: “Eu só projetei o troço porque me disseram que a coisa ficaria externa”.
Leo (corrigindo) – Interna.
Monica – Que seja. (continuando) “Ok, eu mantenho a altura do treco pra entrar a caixa d’água”.
Leo – Ok, já parou com a palhaçada? Estou tentando resolver um pepino num dos meus projetos aqui.
Monica – Ih, tem gente que acordou com o ovo virado.
Leo – Ah, eu não tô bem... E você pelo visto tá bem até demais.
Monica – A tristeza dos outros é a minha felicidade. Se você está infeliz, eu tô muito feliz. Se você está bem, eu estou irônica e melhor ainda. Ou seja, sou superior. (ajeitando um dos brincos em sua orelha/ olhando para o alto) Muito superior.
Leo – Ok, mulher maravilha. Preciso voltar a trabalhar.
Monica – Tá certo, já vou. Só mais duas coisas.
Leo – O que?
Monica – Primeira: você tá me devendo.
Leo – Eu? Devendo o que?
Monica – O Adam, esqueceu?
Leo – Adam, o nosso chefe. Tá, o que tem ele?
Monica – Paixão, o que será que tem ele?
Leo – Não sei.
Monica – Ele é gato e está disponível no mercado.
Leo – Você quer que eu te arrume um encontro?
Monica – Bingo.
Leo – Você quer que eu te arrume um encontro com o Adam, nosso chefe?
Monica (fingindo vibrar) – Yey!
Leo – Você faz a empresa quase perder a equipe dos engenheiros mais competentes da região por ter xingado os caras e ainda diz que eu tô te devendo um encontro com o Adam, nosso chefe que ainda te deu esporro?
Monica – Aham.
Leo – Mas será possível?
Monica – Se você me ajudar, sim.
Leo – E por que você não o seduz por livre e espontânea vontade, ao invés de me usar pra te arrumar um terceiro marido?
Monica – Você já o conhece muito bem, o que torna as coisas fáceis. E outra, tô guardando meu charme pro final.
Leo – Final de que?
Monica (maliciosa) – Nem te conto.
Leo – Tá, tá, tá. Me deixa trabalhar.
Monica – Falta só mais uma coisa.
Leo – Fala, criatura.
Monica – Tô sabendo.
Leo – Do que?
Monica – Da bonitona.
Leo (sem tirar s olhos da tela) – Que bonitona?
Monica – A do disque-sexo casual.
Leo (sério) – Sai daqui!
Monica (fazendo biquinho e voz de criança) – O pirralho do Liam tá precisando de uma nova mamãe, tá?
Leo – Monica!
Monica – Tchau, paixão. E não me ligue! Nem por engano. (vira-se jogando o cabelo para trás) Foi só naquela noite.
Monica sai da sala rindo, enquanto Leo permanece sério.
Corta para:
Refeitório do colégio Bronx High – Int. Manhã
Há movimentação de alunos. Vemos Liam sentado à mesa sozinho com seu lanche. Vemos Ethan ao longe se despedindo do garoto e vem em direção a Liam em seguida. Ethan chega e se senta.
Ethan – E aí?
Liam (chateado) – “E aí” o que?
Ethan – Ainda tá chateado?
Liam (sério) – Tô.
Ethan – Olha, se você quiser, pode sair do jornal.
Liam – Pior que não, já que foi o diretor quem me obrigou.
Ethan – Tá bom, tá bom. Então não precisa me ajudar com o lance da Ashley. Pode deixar que eu dou em cima dela sozinho.
Liam (respira fundo/ mudando a expressão) – Não, cara... Tudo bem. Eu te ajudo.
Ethan (alegrando-se) – Sério?
Liam – É. Eu só tô chateado por causa disso ainda. O que, ele acha que eu tenho cara de mariquinha pra ficar fazendo fofoca?
Ethan – Não precisa pôr o seu nome no jornal.
Liam – Mas é claro que precisa. Como o diretor vai computar minha atividade extracurricular? Aí vai ser como se eu não tivesse participado.
Ethan – É verdade. Mas olha pelo outro lado bom...
Liam – Nem vem falando da Ashley.
Ethan – Não, não. É outra coisa.
Liam – O que?
Ethan – Yale.
Liam (animando-se) – É verdade. Tudo por Yale. Daqui a alguns anos eu vou pra lá e o Brick vai pra Harvard e viveremos longe um do outro.
Ethan – Para o equilíbrio da natureza.
Chelsea (chegando com sua bandeja) – Pessoas!
Liam e Ethan – Oi.
Chelsea (olha para Liam com timidez) – Posso sentar aqui?
Ethan – Fica à vontade.
Chelsea põe sua bandeja à mesa e se senta. Liam muda sua expressão cabisbaixa, passando a sorrir mais.
Chelsea – Vocês estão sumidos, hein. O que houve?
Liam – Nada. É que eu ando lanchando nas mesas lá do pátio, onde não tem separação de grupinhos. Mas hoje abri uma exceção.
Chelsea – Ah, por isso. E na sala você tava bem chateado. Aconteceu alguma coisa?
Liam – Não. Digo, sim, mas... Não é nada demais. Pode ficar tranquila.
Chelsea – Então tá.
Ethan – Bom, pessoal. Tenho que devolver um livro na biblioteca.
Liam (desatento) – Que livro?
Ethan – Facilita, cara!
Liam (tocando-se) – Ah, sim! O livro...
Ethan – Vejo vocês depois. (sai)
Chelsea (sorrindo) – Não perde a mania de ficar saindo no meio dos assuntos, não é?
Liam – É.
Chelsea – E... Nos deixando sozinhos sempre.
Liam – É verdade.
[música: “Thunder” – Boys Like Girls]
Os dois cruzam os olhares, e se encaram com certo embaraço. Liam desvia o olhar e Chelsea ajeita seu cabelo.
Liam – Então... Já tá se dando bem com as ruas do bairro?
Chelsea (sorri) – Já tô craque.
Liam – Que bom. Não corre mais o risco de você bater lá em casa procurando pela lanchonete.
Chelsea – Na verdade eu tava procurando o mercadinho, quando o seu pai abriu a porta. Ele até me ofereceu o mapa da cidade, mas como eu tava atrasada... Decidi arriscar e tentar achar o caminho sozinha.
Liam – Mas vem cá, você não desconfiou nem um pouco que a minha casa não parece nadinha com um mercado?
Chelsea (rindo) Eu sei, eu sei! Seu bobo.
Os dois ficam em silêncio por um tempo. Liam toma seu suco e Chelsea morde seu sanduíche. Novamente, os dois cruzam os olhares.
Liam – Só você mesmo pra me fazer rir num momento ruim.
Chelsea – Eu digo o mesmo.
Liam – Como assim?
Chelsea – Não, é que... O clima tem ficado meio chato lá em casa depois que minha irmã decidiu voltar pra onde a gente morava. Por isso também tenho andado meio pra baixo.
Breve silêncio.
Liam – E por que ela decidiu voltar? Não gostou da cidade?
Chelsea – Até gostou, mas ela tem ficado cansada de ir e vir todo dia da faculdade. Então ela preferiu voltar pra lá. Só que aí ela vai ficar morando de aluguel na nossa casa antiga que fica perto da faculdade.
Liam – Entendi.
Novamente, um breve silêncio os deixa embaraçados.
Chelsea – Mas ela virá em alguns fins de semana. Sentirei muito a falta dela, pois além de irmãs, somos muito amigas.
Liam – Sei...
Chelsea – Tipo... Tipo você e seu pai. O que vocês dois têm, é o que eu e a Cassidy temos.
Liam – Isso é bacana.
Os dois ficam calados por um breve momento.
Liam – Mas então. Você disse que... (olhando para o alto) Peraí, “disse” não, deu a entender que eu te faço rir?
Chelsea (sorri) – Sim. Você falou de como eu me perco nessa cidade enoooorme e eu achei seu tom irônico engraçado, sei lá.
Liam (ri) – Mas então, Chelsea... Me diz. Você, tipo, fazia parte do jornal da sua escola anterior, era líder de torcida popular, chefe de algum clube, namorava algum jogador de futebol...?
Chelsea (rindo) – Nossa! Bom, vamos lá. Eu... Fazia natação...
Liam – Já pode entrar no time da nossa escola.
Chelsea – Odiava o jornal que só saía fofoca da vida dos outros, fundei o clube de francês, mas logo acabou porque só era eu e o Gerard, um aluno francês de intercâmbio do colégio... (Liam ri) E não, eu não namorava o líder do futebol.
Liam – Mas quem disse que era o líder?
Chelsea – Você.
Liam – Não, eu falei “algum” jogador de futebol. Não especificamente o líder.
Chelsea – Tá, eu confesso. (ajeita o cabelo por trás das orelhas) Eu citei ele porque era por quem eu tive uma quedinha. Mas foi só fogo de palha, já que eu não era popular como ele e a namoradinha dele da equipe de torcida.
Liam – Parece que é lei um jogador de futebol namorar uma líder de torcida.
Chelsea – É... (trêmula) Mas enfim, além desse fogo de palha eu namorei um carinha durante um mês. Ele até era legal, mas aí... Não deu certo. E o tempo foi passando e eu me mudei. (engole seco)
Liam (sério/ olhando para o lado) – Você ainda gosta dele?
Chelsea (olhando para o lado algumas vezes) – Não, é que... (rápida, como se quisesse encerrar o assunto) Fui perdendo o interesse. (Liam volta a encará-la) Mas e você? (sorri) Faz parte do jornal da sua escola, é líder de torcida popular, chefe de algum clube, namorava alguma garota...?
Liam – Sim, faço parte o jornal da escola, não sou líder de torcida porque meu pai me ensinou desde pequeno a não usar saias, não sou chefe de nenhum clube e... (sem jeito) não tenho namorada.
Chelsea (rindo) – Desculpa pela parte de líder de torcida. Só aproveitei a sua pergunta.
Liam – Faz parte.
Os dois sorriem um para o outro e continuam a realizar suas refeições.
[música anterior cessa]
Corta para:
Rua qualquer – Ext. Noite
Vemos Aiden caminhando com um ar de satisfação. Em sentido contrário, vemos Emily caminhando cabisbaixa.
Aiden – Cruzes. A bruxa tá solta na cidade?
Emily – Por quê?
Aiden – Tá todo mundo triste!
Emily – Que todo mundo?
Aiden – Stue tá chateado porque até agora a esposa dele não apareceu, Olívia está assim porque não tem ninguém pela rua e porque minha mãe saiu. Ou seja, nada de fofocas por hoje...
Emily – E a Sophie?
Aiden – Não sei dizer... E tem o Leo também.
Emily – O que houve com ele?
Aiden – Nada. Tchauzinho! (ameaça ir embora)
Emily – Ei! Não foge!
Aiden – Ah, o caso é que tão fazendo fofoca dele pela cidade.
Emily – Sobre o que?
Aiden – Sobre a mulher que ele saiu no fim de semana.
Emily (surpresa) – Leo saiu com alguém?
Aiden – Tá chateada?
Emily – Leo saiu com alguém no final de semana?
Aiden – Tá chateada?
Emily – Sim. (tocando-se) Ei, ei, mas não por causa disso.
Aiden – Ufa, menos mal.
Emily – Eu hein.
Aiden – Mas e você, por que tá chateada?
Emily (desvia o olhar) – Chip.
Aiden – Seu ex-noivo com o nome esquisito? O que ele quer?
Emily – Ele que conversar alguma coisa comigo, mas não diz pelo telefone. E eu nem faço ideia do que seja.
Aiden – Ah, não esquenta. Ex-noivo e ex-mulher é tudo ex. Tudo farinha do mesmo saco e só serve pra ficar chateando.
Emily – Que isso, Aiden!
Aiden – É verdade, não vê a minha ex? Ficou com raiva de mim porque me demiti da concessionária que trabalhava em Hartford pra tomar conta da lanchonete do meu pai, que tinha acabado de falecer. Até pensei em deixar pra lá, mas minha irmã Claire tá na Califórnia e não vai voltar pra cá, e minha mãe nunca suportou aquela lanchonete. Você acha que eu ia mesmo deixar o trabalho de uma vida inteira ir pro ralo? Claro que não. A partir daí as brigas foram se tornando constantes, os ciúmes da parte dela também, já que modéstia à parte eu sou bonito, isso tenho que reconhecer... (Emily ri) Ficamos mais um tempo juntos e bam! Depois de 3 anos casados, nos separamos. Hoje ela tá bem, eu espero. Tá namorando um cara mais jovem do que ela, contador igual a mim... Acho que é pra jogar na minha cara que ele não está fora de função como eu.
Emily – Ah que isso, Aiden. No meu caso, eu fico achando que o Chip não... Acho que...
Aiden – Que ele não superou o fim do noivado?
Emily – Isso. (cruza os braços) Acho que é exatamente isso, mas ele não joga nada na minha cara. A última vez que o vi, foi quando ele veio me devolver uma caixa com coisas minhas. Eu vi nos olhos dele que ainda tava frustrado com aquela coisa toda de cancelar o noivado. E agora ele me vem com um “quero conversar com você, mas não pode ser pelo telefone”.
Aiden – Ué? Estranho... Ele termina o noivado e fica frustrado?
Emily respira fundo e olha para o lado.
Aiden – Enfim... Isso você só vai descobrir se conversar mesmo com o cara. Ele gosta de você, assim como o...
Emily (curiosa) – Como o...?
Aiden – Assim como o... Como o... (despistando) Como o mundo todo gosta.
Emily (sorrindo) – Seu bobo!
Aiden – Bom, tô indo nessa. Tenho que ir lá na casa do Leo rapidinho.
Emily – Tá bom, vai lá.
[música: “Sick of You” – Cake]
Emily joga beijo no ar e os dois seguem seus caminhos.
Varanda da Casa de Leo – Ext. Noite
Leo e Aiden estão sentados numa cadeira de três lugares, que fica ali mesmo na varanda da frente. Ambos estão com uma garrafa de cerveja nas mãos, olhando a pequena movimentação na rua.
Aiden – Mas pode ficar tranquilo, que ninguém tá comentando nada.
Leo – E como você pode ter certeza?
Aiden – Minha mãe não tá em casa, então a Olívia fica sem ter ninguém pra fazer fofoca. Bom, tem a Sophie, mas ninguém sabe onde ela se enfiou o dia todo.
Leo – É verdade... Mas sabe o que me impressionou?
Aiden (após um gole na cerveja) – O que?
Leo – Que até no trabalho as pessoas sabem que eu saí com a Paty. Na boa, o que tem de mais nisso? Um alvoroço danado só porque eu consegui sair com alguém mesmo depois de tanto tempo sem... Namorar.
Aiden – Cara, não tem nada. Cidade pequena.
Leo – Né?
Aiden – Você só saiu com uma mulher.
Leo – Eu sei.
Aiden – E por falar em tanto tempo sem sair com alguém...
Leo – O que, você tá saindo com alguém?
Aiden – Não. Ainda não.
Leo – Hummm, mistério, é?
Aiden – Você chegou a reparar nas notas que uma cliente me deu hoje cedo?
Leo – Ah, aquela que tava com as amigas? (toma um gole de cerveja)
Aiden – Isso, isso. Então. (toma um gole da cerveja) No meio das notas tinha um papel amarelo, onde estava escrito “Mary Ann”, embaixo tinha um número de telefone e no fim “me liga”. O que acha?
Leo – Cara, vai fundo. Faz um bom tempo que você também não tem um encontro ou não sai com alguém.
Aiden – Ou não tenho um sexo casual.
Leo – Sem tirar sarro, ok?
Aiden (em dúvida) – Não sei... Devo pensar melhor nisso.
Leo – Sua separação tem mais ou menos 1 ano. É recente, mas veja o exemplo da Jen. Ela se separou de você e já tá namorando um cara aí. Sabe, sei lá, acho que a gente devia sair um dia desses novamente. Faz um bom tempo que não fazemos isso juntos. (toma outro gole de cerveja)
Aiden – Cara, eu sou bonito assim, mas não sou garanhão não. (dá um gole rápido na cerveja) Também não faço o estilo romântico, mas sou quieto, na minha, sossegado e difícil com relacionamentos. Digo, no sentido de começar um. (pausa) Eu gostava da Jen, mas... Esquece. Ela pra lá e eu pra cá.
Leo – Eu sei, você é tímido.
Aiden – Eu não sou tímido.
Leo (continua) – Mas ela tocou a vida dela e acho que você deveria fazer o mesmo com a sua.
Aiden – Ok, tem razão. Então acho que vou ligar pra Mary Ann. (toma alguns goles de cerveja) Mas não hoje.
Do ângulo de visão deles, vemos Liam chegando, passando pelo portão. Ele sorri ao ver o pai e Aiden, e logo acena.
[música anterior cessa lentamente]
Liam (subindo os degraus) – Oi pessoal.
Leo e Aiden – Oi.
Liam – Qual é a boa?
Ouvimos o telefone tocar. Leo olha para Liam e sorri.
Leo – A boa é que o telefone tá tocando, eu tenho visita e tem uma criança aqui pra atender.
Liam (bufa) – Tá, eu atendo. (entra)
Leo – Cara, valeu por levantar meu astral.
Aiden estica seu braço pelo encosto da cadeira e, com sua mão, apoia no ombro de Leo. Que faz o mesmo. A imagem os pega de frente, como se tivessem sentados abraçados a uma pequena distância.
Aiden – Pode contar sempre comigo.
Leo – E eu digo o mesmo.
Liam aparece com o telefone na mão.
Liam (entregando-o) – Meu avô.
Leo (a Aiden) – E agora vem a tempestade pra baixar meu astral de novo.
Aiden sorri e Leo pega o telefone. Ele se levanta e caminha pela varanda.
Leo (atende) – Alô.
Grayson (off, tel) – Eu ouvi isso, engraçadinho.
Leo – Pai?
Grayson (off, tel) – Que história é essa de tempestade?
Leo – Não, pai é que vai chover aqui. Acabei de ver a previsão do tempo. (a Aiden) Já volto, aguenta aí. (entra em casa)
Grayson (off, tel) – Sei.
Leo (caminhando de um lado para o outro) – Mas então. O quê que há, velhinho?
Grayson (off, tel) – Bom, serei curto e grosso.
Leo (indo para a cozinha) – Sempre me disseram que é muito bom ser você mesmo em todas as conversas.
Grayson (off, tel) – Mas enfim. Eu estou sabendo, Leo. Estou sabendo do seu casinho de final de semana.
Leo (com a mão na testa) – Ai meu Deus, mais um. (bufa) Fala, pai. Descarrega!
Leo abre a geladeira e fica apenas olhando lá pra dentro.
Grayson (off, tel) – Eu fiquei imaginando... Como você pôde fazer isso? Você só pensa em si mesmo, não é? Sempre foi assim e sempre será.
Leo (fecha a geladeira e se senta numa cadeira) – Pai, eu adoraria debater sobre meu assunto com você, mas eu tô com visita agora.
Grayson (off, tel) – Sei. É a tal que está com você nesse momento? Ou é aquela outra “amiga” sua da lanchonete?
Liam aparece de fininho e fica escorado à porta da cozinha, observando.
Leo – Pai, é o seguinte. Eu conheci essa mulher, me interessei, rolou e desenrolou. Já foi. Viva a vida moderna, século 21, mês de novembro de 2011 e fim de papo.
Grayson (off, tel) – Você é brincadeira, não é? É a integridade do seu filho que está em jogo com essas suas brincadeirinhas fora de hora. Tá querendo o que? Arrumar mais um problema?
Leo – Tá falando de arrumar outro filho? Pode ficar tranquilo que isso não vai acontecer. E eu não vejo mais o Liam como problema pra mim. Pelo visto ele ainda é pra você, não é?
A imagem mostra Liam, sério, apenas prestando atenção no assunto.
Grayson (off, tel) – Por que não guarda essas suas folias só pra você? Seu irresponsável! Você tem um filho, Leo. Um filho! Que tipo de exemplo você está dando pra ele nesse momento? Que tipo de pai ele tem como se espelhar nesse momento?
Leo – Você quer falar de exemplo? Então tá, beleza. Você me deu algum por acaso? Sempre foi ausente na minha vida e nunca deu opinião de nada. De repente o seu filho precioso, o santo do pau oco, chega em casa dizendo que vai ser pai e você acha que é brincadeira de criança. Aí eu decido amadurecer e criar a criança sozinho, já que foi abandonado pela mãe, e você foi totalmente contra.
Grayson (off, tel) – Isso não tem nada a ver.
Leo (levantando-se da cadeira/ tom) – Ah, não? Pai, você não foi exemplo pra mim. Eu nunca tive um pai pra me acompanhar no futebol, ou na natação. Até mesmo nas estúpidas apresentações de coral, pois quem ia era a minha mãe. Eu não tive em quem me espelhar, não tive um exemplo. Agora, eu saí com a Paty? Tudo bem. Foi bom e não me arrependo. Posso ter cometido um erro, mas eu sim posso dizer que sou um exemplo pro meu filho porque eu estou e sempre estarei presente na vida dele. E só o fato de eu ter conseguido criar e educar um garoto ótimo, já me põe no pedestal com a fama de herói, com direito à capa, cinturão e tudo mais. E eu já tô cansado de todo fato que acontece, nos remeter à velha historinha da minha vida. Tudo me remete a isso e eu já tô cansado! Esquece, já passou, é passado e não quero mais falar disso. (pausa) E mais uma coisa: independente de quem for afetar, se for o senhor, se for a velhinha da esquina, não interessa, da minha vida amorosa cuido eu! (Liam sai de fininho)
Grayson (off, tel) – Sua mãe também não gostou desse seu encontro, pra sua informação.
Leo (mais calmo/ senta novamente) – Depois eu converso com ela. E diz pra ela ficar tranquila, porque o Liam já é crescidinho e tem sua própria personalidade. Ele pode responder por si só e dar opiniões próprias. Agora, se não se importa, eu tenho mais o que fazer. Passar bem.
[música: “I Don’t Want to Talk About it” – Rod Stewart]
Leo desliga o telefone e bufa. Ele passa uma mão na cabeça e a repousa por alguns instantes em sua nuca. Leo se levanta e segue em direção à sala.
Corta para:
Quarto de Liam – Int. Noite
Liam entra caminhando bem devagar em seu quarto. Ele ajoelha ao lado de sua cama, abaixa e puxa uma caixa de papelão. Em seguida a pega, se senta na cama e tira alguns papéis de dentro dela. Vemos alguns desenhos feitos por ele. Ele os observa por um instante e fecha a caixa. Em seguida, Liam vai até sua escrivaninha, abre uma das gavetas e pega alguns papéis em branco. Ele mexe num estojo que está em cima da mesa, pega um lápis e se senta na cadeira. Liam encara o papel por um instante e começa a fazer alguns rabiscos.
[música cessa]
Corta para:
AQT Group / Sala de Leo – Ext. Manhã Seguinte
Leo entra na sala com alguns projetos enrolados nas mãos. Monica está sentada na mesa dele.
Leo – Pode saindo.
Monica – Calma, só tô terminado de ver alguns e-mails.
Leo – Me ajuda aqui com essas plantas.
Leo coloca os rolos de papel em cima da mesa redonda, enquanto Monica se levanta e dirige-se à mesma. Ela pega uma planta e a desenrola sobre a mesa.
Leo – Tá tudo na folha A0. A0 é um tamanho de papel, tipo A4, A3...
Monica (fazendo careta) – Disso eu sei, palhação.
Leo – Só checando.
Eles começam a dobrar um dos projetos e o telefone toca. Leo dirige-se à sua mesa e o atende.
Leo – Alô?
Kelly (off, tel) – Sou eu, Leo. Sua mãe.
Leo (sério) – Mãe, tô no trabalho. Depois eu ligo pra senhora. Não tô a fim de ouvir mais coisas sobre... Você sabe... O que aconteceu.
Kelly (off, tel) – Ok, vou te respeitar. Mas eu só não acho justo você descontar certas coisas em cima de mim, não acha? Você acha que eu mereço?
Leo – Do que você tá falando, mãe?
Kelly (off, tel) – De ontem, que seu pai falou com você que eu fiquei sim chateada com o que aconteceu, e você disse pra eu ficar tranquila, porque o Liam já é crescidinho e blablablá.
Leo (com a mão na cabeça) – Mãe...
Kelly (off, tel) – Leo, eu não vou discutir. Já falei que vou respeitar a sua opinião e conversamos outra hora.
Leo desliga o telefone, que toca novamente.
Leo (atende) – Que? (pausa) Ah, desculpa, é ele mesmo quem fala. É que eu pensei que fosse minha mãe ou meu pai, ou mais alguém da minha família, já que eles estão me chateando sobre... (pausa) Eu sei que isso não lhe diz respeito, desculpa. (pausa) Não, também não é assim que trato um membro da minha família. Pelo menos não na maior parte do tempo. (pausa) Ok, mas... Com quem eu tô falando? (pausa) Michel Frist? Ah, sim, o diretor do colégio Bronx, certo? (pausa longa) Mas do que se trata?
Corta para:
Bronx High – Ext. Manhã
A imagem mostra a entrada principal do colégio. Há movimentação de alunos saindo. Dentre eles, vemos Leo e Liam saindo. Ambos estão sérios e caminham pela calçada em direção ao carro.
Leo – Bom, foi sua primeira advertência no colégio. Eu tomava várias. E não se preocupe porque foi apenas verbal, não vai pra sua preciosa e impecável ficha de Yale. (pausa) O engraçado é que toda semana eu tava na secretaria e sempre quem ia lá pra me dar esporro era quem? Meu ausente e querido pai. Frequentava tanto o colégio por minha causa, que acabou ficando conhecido por todos. Foi numa dessas que ele foi chamado pro aniversário de debutantes de uma aluna que eu nem conhecia.
Liam (desconversando) – Pai, eu só quero ir pra casa e esquecer esse papo de advertência.
Leo – Ok. Mas... Por que você e o Brick estavam trocando elogios?
Liam – Porque ele me irrita, porque ele ameaçou me expulsar do jornal caso não conseguisse a matéria a tempo, fiquei com raiva e discutimos... E porque ele me irrita.
Leo – Ok, ele te irrita. Tudo bem. Entendi.
Eles chegam ao carro, Leo o destrava e Liam entra no lado do carona. Leo olha mais adiante e avista uma mulher.
Leo – Espera um minutinho.
Liam – Rápido.
Leo caminha um pouco mais além de onde está seu carro.
Leo (reconhecendo-a) – Julia?
Julia (surpresa) – Oi, tudo bem?
Leo – Na medida do possível.
Os dois se cumprimentam com um beijo no rosto.
Julia (sorrindo) – Pensei que tinha se esquecido de mim.
Leo – Ah, que isso, claro que não. Fazendo o que por aqui?
Julia – Tive que resolver umas coisas por aqui por perto... (põe as mãos nos bolsos da calça) E acabei que não resisti. Parei aqui pra buscar minha irmãzinha.
Leo – A Amy, né?
Julia – A própria.
Ouvimos uma buzina tocar duas vezes ao fundo. Leo olha para trás e vê Liam com o braço do lado de fora, batucando na lataria do carro.
Leo – Me desculpa, mas... Tenho que ir. Tem uma criança impaciente esperando no carro.
Julia – Seu filho?
Leo – É.
Julia – Que mais parece irmão mais novo? Nem o tinha visto ali ainda. Sou muito distraída, não repara.
Leo (ri) – Tudo bem...
Julia – Ok então. A gente se vê outra hora.
Leo vira-se e começa a caminhar. Julia o observa por um breve instante. Leo olha para trás, vê que ela está olhando em sua direção e acena. Ela retribui o aceno de forma tímida e sem jeito. Ela ajeita o cabelo e olha para o outro lado.
Corta para o interior do carro de Leo.
[música: “Breakfast at Tiffany's” – Deep Blue Something]
Ele entra e fecha a porta. Liam o encara e ele sorri com os olhos fechados e mostrando todos os dentes.
Liam – Eu hein.
Leo (ligando o carro) – O que foi?
Liam – Quem é ela?
Leo – Julia.
Liam – Julia?
Leo – Irmã mais velha da Amy, aquela sua amiga.
Liam – Amiga nada.
Leo – Por quê?
Liam – Sei lá. Não tenho intimidade.
Leo sai com o carro e a imagem corta para fora dele. Vemos o carro se distanciando conforme a imagem vai subindo, numa visão panorâmica da rua. Ouvimos apenas as vozes dos dois.
Liam (off) – Então agora você deu pra ser amigo da Julia? Ela é o que? Sua amiga de espera da hora da saída?
Leo (off) – É.
Liam (off) – Mais uma pra fazer sexo casual?
Leo (off) – Pirralho! Respeito é bom e faz bem pro dente da frente.
Liam (off) – Não sei... É que vindo de você... Sabe, ultimamente a palavra “sexo” foi a mais citada no nosso vocábulo.
Leo (off) – Cala essa boca! E assunto encerrado. Todo e qualquer assunto sobre sexo está proibido de agora em diante.
Liam (off) – Ok.
Leo (off) – De agora em diante não. Digo... Só por enquanto, claro.
O som dos dois é cortado e permanece apenas a música ao fundo, até o carro dele desaparecer.
FADE OUT
- - - - - - - - - - - - - - -
OPENING CREDITS
Starring:
Aiden Turner AS Leo Foley
Asher Book AS Liam Foley
Cameron Mathison AS Aiden Dixon
Chris Warren Jr AS Ethan Morgan
Jane Sibbett AS Monica Führ
Piper Perabo AS Emily Drewan
Kathy Bates AS Kelly Foley
Special Appearance:
Victor Garber AS Grayson Foley
Guest:
Betty White AS Olivia
Jennifer Morrison AS Mulher (Mary Ann)
Robbie Amell AS Brick
Kirby Bliss Blanton AS Chelsea
Dilshad Vadsaria AS Julia Simon
Created by: Eduardo Avellar
Written by: Eduardo Avellar
Music Theme: "Where the Lines Overlap" performance by Paramore
Music end of episode: "Black Horse and the Cherry Tree" performance by KT Tunstall"
Soundtrack:
"Thunder" – Boys Like Girls
"Sick of You" – Cake
"I Don’t Want to Talk About it" – Rod Stewart
"Breakfast at Tiffany’s" – Deep Blue Something
END CREDITS
FOLEY BOYS™ 1x06: REFLEXES OF A CASUAL DATE
©COPYRIGHT 2011 - ALL RIGHTS RESERVED
Relacionados

0 comentários: