0:00 min       FOLEY BOYS     SÉRIE
49:00 min    


WEBTV APRESENTA
FOLEY BOYS


Série de
EDUARDO SOARES DE AVELLAR


Episódio 04 de 21





Aiden Turner em off – Nos episódios anteriores de Foley Boys.
Cena: Quarto de Liam – Int. Noite
Leo – Olha, vou ser direto com você. Desde cedo você me evita e dá respostas curtas e grossas. E ainda recusou uma panqueca. Você ama panqueca.
Liam – Eu odeio panqueca.
Leo – O que está havendo? Eu fiz alguma coisa de errado?
Liam – Não.
Leo – Então me conta.
Liam – É coisa minha. Eu posso, por favor, ficar sozinho?
Cena: Quarto de Liam – Int. Manhã
Leo – Olha... Se você ainda estiver estressadinho por causa dessa sua crise proveniente da adolescência, pelo menos disfarça na frente do seu avô.
Liam – E quem disse que eu tava estressado?
Leo – Deixa eu ver... (contando nos dedos) Quando você se irrita faz um bico enorme, não quer conversar com ninguém, franze a testa, suas veias saltam e... Ah! Eu te conheço desde que nasceu. Tá bom pra você?
Cena: Dixon’s – Int. Noite
Grayson – Batatas fritas? Eu não posso comer isso.
Leo – Ah, pai. Qual é? Só hoje.
Grayson – Não. (levanta e sai)
Leo (estranhando) – O que deu nele? Perdi alguma coisa?
Cena: Dixon’s – Ext. Noite
Leo – Ah, então tá explicado. Você me levou lá com o Liam pra mostrar pra todo mundo o que? Que você ainda me tem sob controle? Ou você quis mostrar o Liam e esfregar na cara de todo mundo que mesmo o “fato” de eu ter decidido criar o meu filho sozinho, não afetou a integridade do nome Foley?
Grayson – Não é nada disso, Leo. Está pirando?
Leo – Ah, não? Então por que eles me atacaram com bombas atômicas lá na sauna como se eu fosse Hiroshima?
Grayson – Porque eles reprovaram sua atitude, Leo.
Leo – Pai. Isso foi há 16 anos. Até quando todo mundo vai ficar remoendo o passado e lembrando do que eu fiz? Eu não fiz nada de errado. Quem fez foi a Brenda ao abandonar o garoto comigo e viver a vida solteira. Eu só saí de casa por que você não aprovava eu, um homem, tendo que abandonar os estudos pra cuidar de um bebê, mesmo sendo imaturo.
(...)
Grayson – Olha só. Olha pra nós dois discutindo algo que não tem nada a ver com isso.
Leo – Então por que tudo nos leva a essa história? Por quê?
Grayson – Leo, eu só queria fazer parte da vida de vocês. Só isso, mais nada. Eu levei vocês lá porque eu queria sim que eles vissem que você está bem e que meu neto está melhor ainda. Mas eu juro pra você que não quis esfregar nada na cara de ninguém.
Leo – Jura?
Grayson – E quanto às batatas...
Leo – Que foi o que causou todo o problema...
Grayson – Eu tive problema de coração, Leo.
Leo (surpreso) – O que?
Grayson – É disso que eu tô falando. Eu quero fazer parte do mundo de vocês, assim como eu quero que vocês façam do meu. Vocês não sabem nada de mim e eu menos ainda de vocês. Então, me dá essa chance de ter um neto. De ter um filho.
Leo – Então por que não nos procurou antes? Nos momentos que eu mais precisei? Nos momentos que eu mais passei necessidade?
Os dois ficam calados por um longo período de tempo.
Cena: Bronx High – Int. Manhã
Brick – Não vê problema porque tiraram “B”, não foi?
Liam – Tiramos “B” sim. E quer saber?
Brick – Não.
Liam – Estou muito satisfeito! E você pelo visto tá com inveja.
Brick – Inveja de você? Eu quero ir pra Harvard e você pra Yale. Destinos completamente diferentes.
Liam – Mas e se eu mudar de ideia e quiser ir pra Harvard?
Brick – Aí você vai ter um problema sério.
(…)
Brick (recolhendo os livros) – Só vou avisar uma vez e vai servir pros dois. Nunca, jamais e em tempo algum cruzem o meu caminho!
- - - - - - - - - - - - - - -
FADE IN
Praça – Ext. Noite
A imagem mostra a praça vista do alto. Notamos que há pequena movimentação de pessoas. Vemos alguns carros passando e algumas pessoas paradas conversando, ou apenas caminhando, passando por eles. Leo e Liam caminhando.
Liam – Não... O pior foi no final. Pior não, engraçado. Ah, sei lá. Pelo menos ele conseguiu chamar atenção de todo mundo na locadora.
Leo – Pior que eu não consigo imitar o jeito que ele fez.
Liam – Foi Whisky.
Leo – Whisky?
Liam – Sim. Mas foi aquele “Whissssssssssss” bem alto e o “Ky” bem baixinho.
Leo – Mas isso foi por que ele notou que estava sendo notado. Senão o Whisky sairia inteiro.
Liam – No colégio eu já vi um garoto espirrar assim: “Ah...”.
Leo – Que isso?
Liam – O garoto puxando ar. Por quê?
Leo – Nada, esquece. Continua.
Liam – Aí ele: “Ahhh”, aí fica respirando por um longo tempo... “Ahhh...” Aí ele respira mais um pouquinho. “Ahhhhhh...” Aí todo mundo olha pra ele. Ai ele: “Ahhhhhhh”, falando mais alto e criando expectativa, e depois, quando todo mundo já está olhando pra ver se ele vai babar, ele vai e solta um sutil “tim”.
Leo (rindo) – O que ele tem na cabeça?
Liam – Não sei, mas todo mundo ri.
Leo – Na época que eu estudava, um tal de Steve espirrava dizendo “Skin”. E era rapidinho, como se fosse uma pausa pra iniciar uma conversa. Ele tava lá todo bobo contando um assunto, aí de repente ele “Skin”. Tipo: “Aí o cara tava descendo a ladeira, Skin, então ele foi...”. (Liam ri) É mais ou menos assim.
Liam – Uma vez no ônibus eu já ouvi um “Nietzche”. E foi aí que eu lembrei de um trabalho sobre ele. Eu e o Ethan rimos muito.
Leo – Eu já ouvi “Hashi”.
Liam – Que?
Leo – Uma menina que namorei antes da sua mãe. Ela espirrava assim.
Liam – “Hashi”?
Leo – Isso porque você não conheceu a irmã dela: “Tchááá”. Era muito engraçado.
Liam – Já viu o Aiden espirrando?
Leo (caindo na gargalhada) – Já!
Liam – “Catch me”.
Os dois começam a rir.
Leo – Aquele seu amigo Ethan espirra assim: “Atchó”.
Liam – Jura? Nunca reparei.
Leo – Repara só.
Liam – Acho que é porque parece ser normal pra mim. A gente só repara no que é anormal.
Leo – Verdade.
Liam – E você espirrando: “Eighteen”.
Leo – E você...
Liam (interrompendo) – Espirro “Atim”. Normal.
Leo – “Athcá!”
Liam – Ah, que mentiroso.
Leo – Mentiroso nada.
Liam – Mentiroso sim.
Leo – Eu vou gravar da próxima vez pra você perceber.
Os dois começam a rir, até ficarem sério, olhando a paisagem ao redor.
Liam – E a gente começou com esse papo nojento por que...
Leo – Kane Stroup espirrou “Whisky” na locadora.
Liam – Ah sim. (pausa) Seu nojento.
Leo – Ei, você que começou a falar disso.
Liam – Foi você.
Leo – Não, na verdade, foi o Kane...
Liam (pensativo) – Verdade... Eca!
Os dois fazem silêncio por um rápido momento. Eles atravessam a rua e começam a gargalhar novamente.
FADE OUT
    

FADE IN
[música: “First Day of The Rest of Our Life” – MxPx]
Campo de Futebol do Bronx High – Ext. Manhã seguinte
A imagem percorre todo o campo de futebol. Os jogadores estão treinando, enquanto há um técnico gritando com eles. Do outro lado do campo, há algumas garotas líderes de torcida que também estão treinando seus movimentos. A imagem mostra a arquibancada, onde vemos Liam sentado lendo um livro. Em seguida vemos Ethan se aproximando. Ele está suado e veste o uniforme de futebol. Ele tira seu capacete e senta-se ao lado de Liam.
Ethan – Hey!
Liam ergue a mão por um instante, fazendo um sinal para esperar, e Ethan olha em direção ao campo.
Ethan – Já?
Liam ergue a mão novamente.
[música anterior cessa lentamente]
Ethan – Meu pai do céu.
Liam (fechando o livro) – Já!
Ethan – Agora sempre que eu quiser falar com você terei que esperar finalizar o capítulo?
Liam – O Pequod acabou de ser destruído e eu só estava concluindo a página.
Ethan – O que?
Liam – “Chamai-me Ismael”.
Ethan – Tá falando alemão comigo, cara?
Liam – Vem cá, em que mundo você vive?
Ethan (olhando em direção às líderes de torcida) – No mundo da Ashley.
Liam – Ashley Tisdale?
Ethan – Ashley T’s Dale.
Liam – Dá no mesmo.
Ethan – Não dá nada. Tem uma pausa no “T’s”.
Liam – Dá no mesmo sim. Esse “T’s” parece até o som do spray de cabelo que ela usa. Cara, tem certeza que você quer tentar algo com ela?
Ethan – Absoluta.
Liam – Ainda não vejo sentido no “T’s”. O que, uma homenagem à banda Plain White T’s?
Ethan – Não tem homenagem nenhuma aí não. E saiba que ela só assina Ashley Dale.
Liam – Ok. Então ela aboliu o “T’s”.
Ethan – E que papo é esse de “Chamai-me sei-lá-o-que”?
Liam – Moby Dick, o livro que o Sr. Hoyt mandou ler na semana passada pra prova do mês que vem.
Ethan – Ah, claro. E você tratou logo de comprar o livro. Cara, ainda temos um mês pela frente. Sabe o que pode acontecer em um mês?
Liam – Terminar o livro a tempo pra prova e ter dias de vantagem pra fazer um resumo?
Ethan – Não. Dá pra eu pensar num ótimo plano pra conquistar a líder de torcida mais gata da escola.
Liam – Até mesmo vestir esse uniforme com ombreira gigante, que te deixa aparentemente mais forte, e entrar para a equipe dos Fighters sem saber jogar?
Ethan (olhando para as líderes treinando) – Isso. Mas você vai ver... Mesmo sem ter conseguido a vaga no time da escola, eu ainda vou sair com a Ashley.
Liam (abrindo seu livro novamente) – Tisdale. Digo, T’s Dale.
Ethan – Dale.
Corta para:
AQT Group – Ext. Manhã
A imagem mostra a fachada do prédio de três andares por um instante. Corta para a Sala de Leo. Ele está sentado em uma mesa redonda, analisando um projeto. Monica entra com alguns papéis nas mãos. Ela joga os papéis e cima do que Leo está lendo e vira-se para sair.
Leo – Ei!
Monica (voltando) – Foi comigo?
Leo – Não, Miss Simpatia. Foi com a minha avó.
Monica – Ok. (vira-se)
Leo – Espera! (Monica volta) É claro que foi com você.
Monica – Então?
Leo (recolhendo os papéis) – O que é isso aqui que você jogou na mesa?
Monica – Um contrato pra você apenas ler e o trabalho de alemão do pirralho que você chama de filho.
Leo – Você fez o trabalho dele?
Monica – Fiz e ele me deu um bom trocado por isso.
Leo – O que?
Monica – Acorda! São apenas correções. Ele tem uma ótima caligrafia, porém um péssimo vocabulário.
Leo – Ok.
Monica – Ele tem muito que aprender se quiser conhecer a Alemanha um dia.
Leo – Ok.
Monica – Ah, outra coisa... Sabe aquelas plantas que ficaram pra ser assinadas?
Leo – Aquelas que você deixou na minha mesa mesmo sabendo que eu ainda não posso assinar nada pelo fato de ainda não ser arquiteto? Sei.
Monica – O prazo de entrega estourou e a empresa que ia realizar a obra simplesmente não vai mais.
Leo – O que?
Monica – Esse foi um recado do Adam, só estou repassando.
Leo – Adam?
Monica – Você ainda se lembra que o nome do seu chefe gostoso é Adam, certo?
Leo – Sim, sim, claro. Mas eu dispenso a parte do “gostoso”.
Monica – Bom, provavelmente eles devem ter um projeto maior de construção. Sabe, um em que eles ganhem mais dinheiro construindo um edifício, um hotel ou até mesmo uma padaria, ao invés daqueles seus casebres ralés em Hartford.
Leo – Mas como assim “ia” realizar a obra?
Monica – “Ia” do verbo “não vai mais”.
Leo – Tá, mas... “Ia” é muito... Então eles cancelaram?
Monica – Sim, eles cancelaram.
Leo – Desde quando?
Monica – Desde quando o “vai” se transformou em “ia”.
Leo – Meu Deus... Não pode ser!
Monica – E o que você tá pensando em fazer?
Leo (coçando a cabeça) – Ainda não sei, mas você vai ter que me ajudar. (bate as mãos) Ah, já sei! Liga pro Harold e marca uma reunião.
Monica – Leozinho querido. Eu xinguei o cara pelo telefone hoje cedo pelo fato dele ter sido muito rude comigo.
Leo – Tem certeza que é ele o rude nessa história?
Monica – E agora você quer que eu te ajude com isso?
Leo – Monica, amorzinho. Se vira! Se você xingou o cara, peça desculpas, dance a hula, não sei. Pense em algo e liga pra ele.
Monica – Sinto muito, mas... Câimbras.
Leo – Monica!
Monica – Não estou para pessoas hoje.
Leo – Você já usou isso ontem.
Monica – Já?
Leo – Já! E a semana inteira eu só venho ouvindo esse seu blablablá.
Monica (coçando a cabeça) – Então...
Leo – Para de pensar em algo pra se esquivar e me ajuda, mulher! Se eu não conseguir fazer com que alguém construa as casas que eu projetei, simplesmente vão dar um jeito de vender os terrenos e consequentemente vamos perder um bom dinheiro.
Monica (com o indicador no queixo) – É verdade. (pensativa) Ainda tenho a última hipoteca da casa pra pagar.
Leo – Viu? E outra, nunca deixe as plantas na minha mesa. Você sabe muito bem que eu não posso assinar. Ainda. E eu canso de dizer isso. Vai até virar o meu bordão. (pausa, Monica cruza os braços) Eu apenas desenho e planejo, o Adam assina as plantas após elas passarem pela parte de instalações hidráulicas e elétricas e você contrata a empresa de construção. Processo simples. Mas de nada adianta se você ficar xingando todo mundo pelo telefone.
Monica – Tá, tá, tá. Captei a mensagem. (ergue a mão direita) Juro solenemente que nunca mais deixarei as plantas na sua mesa. (abaixa a mão)
Leo – A não ser para que elas sejam revisadas.
Monica (ergue a mão novamente) – A não ser para que elas sejam revisadas.
Leo – Ok.
Monica – E para com essa sua mania de ficar falando “ok” pra tudo, ok?
Leo – Ok.
Monica – Leo!
Leo – Tá, já parei. Ah! Se você conseguir marcar a reunião com o cara, prometo te pagar um café mais tarde.
Monica – “Ok”.
Leo sorri e Monica sai.
Corta para:
Bronx High / Sala de aula – Int. Manhã
Vemos o professor entregando alguns trabalhos enquanto fala com a turma.
Sr. Hoyt – No geral, a turma está boa. Claro, ainda há uns ou outros que ainda não conseguem acertar o passo com o ritmo do restante dos alunos. (entrega o trabalho a Ethan) Porém isso não é motivo de desânimo.
Enquanto o professor continua falando e entregando os trabalhos, Ethan mostra o seu para Liam. Vemos um “C” envolvido de vermelho. Sr. Hoyt entrega o trabalho de Brick, que sorri e vira a folha para Liam. Este não percebe. Brick se ajeita na cadeira, tentando chamar atenção. Liam percebe e olha para Brick. Ele vê um “A” no alto do trabalho de Brick.
Sr. Hoyt – Por outro lado, tenho que reconhecer que alguns alunos se destacaram diante da turma.
Ele entrega o trabalho de Liam e segue entregando os demais. O sinal toca e os alunos começam a arrumar seus materiais.
Sr. Hoyt – Espero que continuem assim, e que se preparem bem para a prova sobre Moby Dick. Aconselho vocês a fazerem como o companheiro Liam Foley fez.
Liam olha para Sr. Hoyt com os olhos arregalados.
Sr. Hoyt (continuando) – Comprou o livro e já está bem adiantado na leitura.
Brick para de arrumar suas coisas e os alunos começam a sair aos poucos.
Sr. Hoyt – Espero que continue assim e que mantenha o padrão na sua escrita. (Liam sorri sem jeito) Você escreve bem, rapaz. Seu texto é conciso e bem estruturado.
Brick encara Liam, que se levanta e caminha em direção à porta.
Liam – Obrigado, Sr. Hoyt.
Sr. Hoyt – Parabéns pelo “A”.
Imagem corta para o corredor.
[música: “Be My Escape” – Relient K]
Vemos grande movimentação de alunos. Liam caminha olhando para os lados, parecendo procurar por alguém enquanto alguns alunos passam por ele. Ele chega em seu armário, o abre e guarda alguns livros. Ao fechar a porta, dá de cara com Brick, que está apoiado na porta de outro armário, encarando Liam.
Liam (levando um susto) – Cruzes!
Brick – Tirou “A”, né?
Liam – E daí?
Brick – Daí que isso é o mínimo que deve ser feito pra chegar aos pés de Yale, se é o que quer.
Liam põe a mochilas nas costas e começa a caminhar. Brick o segue.
Brick – O que você quer?
Liam – Engraçado... Eu é que deveria estar te fazendo essa pergunta.
Brick – Não fuja, Foley!
Liam – Não enche, Hawkins!
Brick – Você pretende entrar no Romans Bronx?
Liam – Não me interesso pelo jornal da escola. Obrigado pela oferta.
Brick – Eu só quero que saiba que eu sou o editor chefe do jornal, além de decidir quem entra e quem sai.
Liam – Tanto faz. (Os dois dobram o corredor)
Brick – Isso porque no último ano eu vou ser o presidente. E também sou o gerente geral de suporte.
Liam – Isso nem existe.
Brick – Mas eu tenho autonomia suficiente para criar o cargo que eu quiser. (Os dois param de caminhar)
Liam (irritado) – Brick!
Brick (falso sorriso) – O que?
Liam (tom) – Eu não tenho interesse nenhum em entrar na porcaria do seu jornal patético, valeu? Que se dane se eu tirei um “A”. Que se dane se você é o editor chefe, ou gerente geral de suporte, ou o melhor amigo do zelador. Eu não quero concorrer com você, eu não quero me envolver em qualquer coisa que tenha o seu nome. Só quero viver a minha vida longe de você. Agora vê se arranja um tempo e me deixa em paz.
Liam sai e Brick permanece parado no meio do corredor, enquanto ainda há movimentação de alguns alunos.
[música cessa]
Corta para:
Dixon’s – Int. Tarde
Vemos a lanchonete lotada. Algumas pessoas estão reunidas no balcão com um ar de irritação. Vemos Aiden tentando contornar algum tipo de problema. Emily entra e acha estranho.
Emily – Aiden?
As pessoas ainda reclamam. Emily dá a volta e passa para trás do balcão, onde Aiden está. Todos param de falar na hora e passam a encará-la.
Emily (para) – O que foi? Por que tá todo mundo me olhando?
Senhora – Ele odeia quando alguém atravessa a faixa de gaza.
Emily – O que?
Senhora (falando baixo, como se cochichasse) – Ninguém pode passar pro outro lado do balcão.
Emily vê Aiden encarando-a de braços cruzados.
Emily – Ops. (dando alguns passos para trás) Tudo bem, tudo bem. Me desculpe, eu não sabia. Olha, estou saindo. Viu?
Emily sai de trás do balcão e a discussão torna a ocorrer. Aiden sai de trás do balcão e as pessoas o seguem.
Emily – Vai me contar que diabos está acontecendo aqui?
Aiden – Essa gente maluca...
Senhora – Maluca não! Olha lá como fala de nós. Somos os seus clientes fiéis e temos direito de reclamar quando estamos sendo prejudicados.
Aiden (sério) – Prejudicados em que, meu Deus do céu?
Emily – Pessoal, pessoal... Acalmem-se! Vamos resolver o que quer que seja... Com calma.
Senhora – Olhe ao redor, Emily.
Emily olha ao redor e todos permanecem calados.
Senhora – Viu?
Emily – O que?
Senhora – Ele moveu todas as mesas de lugar.
Emily – Ele fez isso?
Aiden – Fiz, e daí?
Senhora – Daí que...
Aiden (interrompendo) – Dona Olivia, a senhora não tem mais o que fazer não?
Olivia (indignada) – O que?
Emily – Aiden...
Aiden – Ao invés de ficar dando palpites de como eu ajo na minha lanchonete, por que não vai... Sei lá. Passear na cidade, comprar um jornal, ou regar o jardim?
Olivia – Ok. Tudo bem. (pausa) Me aguarde.
Aiden (ignorando-a) – Ah!
Emily – O que disse, Olivia?
Olivia – Que vou regar meu jardim. Vamos, pessoal!
Todos saem e só permanecem Emily e Aiden.
Emily – Vai me dizer realmente o que houve?
Aiden (irritado) – Emily, eu só movi as mesas uns quatro centímetros pro lado após uma limpeza que resolvi fazer. Só isso, mais nada. Daí simplesmente esse povo que não tem o que fazer, resolveu vir encher a porcaria do meu saco.
Emily – Calma, amigo. Fica calmo. Você tem se irritado muito ultimamente.
Aiden – E você? O que acha disso tudo?
Emily – Sinceramente? (Aiden balança a cabeça positivamente) A lanchonete perde a originalidade com as mesas fora do lugar.
Aiden – Até tu, Brutus?
Emily – Aiden...
Aiden (sai) – Esquece!
Corta para:
AQT Group / Sala de reunião. Int. Tarde
Vemos algumas pessoas de terno sentadas numa mesa grande, com 8 lugares.  Monica está sentada à mesa e Leo está de pé, ao lado de um homem que está sentado à cabeceira da mesma.
Homem #1 – Então senhores, mais uma vez eu peço desculpas pelo ocorrido e torno a dizer que aquilo não ocorrerá novamente.
Homem #2 – Ok, nós só queríamos mesmo uma garantia. Pois não adianta nada vocês contratarem nossos serviços e do nada sermos xingados por algo que não fizemos. Nós não somos obrigados a aturar isso.
Homem #3 – Exatamente, e isso é um absurdo. Uma vez eu liguei e me xingaram porque simplesmente não soube pronunciar o nome da mulher que nos contratou. (Leo e Monica se entreolham)
Homem #2 – E uma vez eu liguei pra cá pra saber o número do documento que vem junto com a planta, só pra saber se batia com o que eu tinha. O resultado? Fui xingado em outra língua que ainda não descobri qual é. Mas fiquem tranquilos que eu já estou descobrindo. Deve ser árabe.
Monica (coçando a cabeça) – E como você... Digo, como o senhor sabia que era xingamento?
Homem #2 – Por causa do tom da voz.
Homem #1 – Pois eu garanto que não acontecerá novamente. Ao meu ver, tudo foi um mal-entendido.
Homem #2 (apoiando os cotovelos sobre a mesa) – Porque não foi você que foi xingado. Mas então me diga, Adam Miler. Por que a minha empresa deve retomar os laços com a sua?
Adam – Primeiro porque nós somos quem contratamos vocês.
Homem #2 – Mas eu estou disposto a pagar toda a rescisão do contrato.
Adam – E você acha que deve desperdiçar dinheiro só pra não ser tratado mal? Digo, não que os senhores realmente tenham... Digo...
Leo – É o seguinte. Me desculpa interromper, mas... Vocês fazem parte da melhor empresa de engenharia de todo o condado e por isso confiamos nos seus serviços. Se cancelarmos nossos contratos, além de vocês perderem dinheiro, nós vamos perder toda a credibilidade que conquistamos ao lado dos senhores. Além do mais, teremos que contratar outras empresas fajutas pra fazer o trabalho que não sabemos se vai ser de qualidade. E atualmente, nós estamos em vigência apenas com quatro empresas, contando com a sua.
Adam – Exato. Imagina termos que estudar para contratar outra empresa qualquer? Teríamos que estudar todos os projetos anteriores...
Leo – Teríamos que correr atrás de registros... Ia ser uma trabalheira danada.
Homem #2 (pensativo) – Ok. (pausa) Acabaram me convencendo.
Leo e Adam sorriem, enquanto os homens se levantam.
Homem #2 – Vamos retomar os serviços e fingir que nada aconteceu.
Adam (radiante) – Vocês não irão se arrepender.
Homem #2 – Estaremos lá fora aguardando pra acertamos. Vamos, rapazes.
Os homens saem. Adam, Leo e Monica permanecem na sala.
Adam – Obrigado, Leo. Você acabou de nos salvar.
Leo – Na verdade eu tava mesmo era pensando nos meus projetos. Digo, no meu futuro. Me desculpa por isso, pode até soar meio egoísta da minha parte, mas imagina só se eles desistissem! Meus projetos não seriam postos em prática, venderiam os terrenos, a nossa empresa não receberia grana, eu não receberia grana e logo estaria morando num carrinho de supermercado, dormindo numa caixa de papelão e cuspindo numa lata de refrigerante. E com o meu filho do lado, claro.
Adam – O lado ruim dessa história é que você pensou em si mesmo. Mas se não fosse assim, ainda estaríamos ferrados. E você, Monica?
Monica (lixando as unhas) – Pois não?
Adam – Vou te dar apenas um conselho.
Monica – Se conselho fosse bom...
Adam (gentil) – Para de tratar as pessoas mal.
Monica – Ufa, que susto! Pensei que ia mandar eu pegar o jornal e começar a olhar a parte de empregos.
Adam – Não, mas quem sabe da próxima?
Monica (jogando charme) – Mas então, Adam querido. Tem alguma sugestão pra...
Homem #2 (aparecendo na porta) – Ainda estamos esperando. (sai)
Adam – Ah, sim. Claro! Mais uma vez, obrigado Leo. E Monica, conversamos mais tarde.
Adam sai e Monica se levanta da cadeira séria.
Leo – Não vai me dar os parabéns?
Monica (rude) – Não. E a propósito, tá me devendo um café.
Corta para:
Bronx High / Sala do diretor. Int. Tarde
A imagem mostra o diretor sentado, assinando alguns papéis. Alguém bate na porta e a abre. Sua secretária entra.
Secretária – Com licença, senhor Frist.
Sr. Frist – Sim?
Secretária – Tem um aluno aqui fora querendo falar com o senhor.
Sr. Frist – E quem é?
Secretária – Liam Foley
Sr. Frist – Manda entrar.
A mulher sai e o diretor se ajeita na cadeira. Ele ajeita seus papéis e em instantes, Liam entra com seu caderno em mãos.
Sr. Frist – Ora, ora, quem resolveu dar o ar da sua graça! (Liam fica sem entender) O que foi dessa vez? Soltou bombinhas ou fogos de artifício nas salas de aula? Pichou algum muro do colégio?
Liam (estranhando) – Que?
Sr. Frist (põe seus óculos/ olha para Liam) – Oh, me desculpe! Pensei que fosse o William aprontando novamente.
Liam (dá de ombros) – Ok.
Sr. Frist – Em que lhe posso ser útil?
Liam – Como assim? Foi o senhor que me chamou aqui.
Sr. Frist (lembrando de algo) – Ah, sim. É verdade. Que cabeça a minha! (ri/ pausa) Bom, o que tenho a falar com você é simples.
Liam – Do que se trata?
Sr. Frist – É que o professor Hoyt elogiou um trabalho seu.
Liam – Sim.
Sr. Frist – Ele disse várias coisas boas sobre seu relatório, ou tese, enfim... Ele ressaltou sua bela escrita.
Liam – Ok, mas... Aonde o senhor quer chegar?
Sr. Frist – Estou lhe oferecendo uma vaga pro jornal da escola.
Liam (espantado) – O que?
Sr. Frist – É isso mesmo que você acabou de ouvir.
Liam – E o que eu acabei de ouvir?
Sr. Frist – Que eu estou lhe oferecendo uma vaga pro jornal da escola.
Liam – E por que o senhor está me oferecendo uma vaga pro jornal da escola?
Sr. Frist – Que se chama Romans Bronx, a propósito.
Liam – E por que o senhor está me oferecendo uma vaga pro jornal da escola que se chama Romans Bronx?
Sr. Frist – Eu mencionei que o Hoyt elogiou a sua escrita?
Liam – Sim, o senhor mencionou que ele elogiou a minha escrita.
Sr. Frist – Eu mencionei que essa coisa de ficar repetindo tudo o que eu digo me irrita?
Liam – Não, o senhor não mencionou que... (piscando) Me desculpa, mas é que... (suspira) Eu não esperava. E quem me ajudou na escrita foi o Ethan.
Sr. Frist – Quem é Ethan?
Liam – O meu amigo Ethan Morgan. Ele sim é bom com a escrita. Só não gosta de ler, mas escreve muito bem.
Sr. Frist – Ótimo. Então temos dois interessados em entrar para o jornal.
Liam – Na verdade o senhor não tem ninguém interessado em entrar para o jornal. O Ethan odeia essas coisas e eu... Não tenho nada a ver com isso.
Sr. Frist – Pense a respeito.
Liam – Mas não tem no que pensar.
Sr. Frist – Sabe que tudo que os alunos fazem valem créditos extras, que porventura poderão ser levados em consideração pela universidade a qual queiram ingressar.
Liam (interessado) – Jura?
Sr. Frist – Sim.
Liam (coçando a cabeça) – O senhor tá me dizendo em crédito extra?
Sr. Frist – Aham.
Liam – O senhor tá me dizendo que Yale pode me admitir se eu entrar para o jornal da escola?
Sr. Frist – É um passo nessa direção.
Liam (sorri de leve) – Eu topo.
Sr. Frist – Ótimo.
O diretor pega uma folha de sua gaveta e a entrega a Liam.
Sr. Frist – Preencha este formulário e entregue na secretaria. Lá a secretária vai te dar um papel que você estregará pessoalmente ao encarregado do jornal.
Liam (arregala os olhos) – Que é o...
Corta rapidamente para:
Sala do Romans Bronx – Int. Tarde
Brick (socando a mesa em que está sentado) – De jeito nenhum, Foley! (levanta)
Notamos a sala com alguns alunos sentados à mesa. Todos olham diretamente para Brick.
Liam – Brick, presta atenção. Na verdade, eu nem queria estar aqui.
Brick (começa a caminhar) – Então tchau, saída pela esquerda.
Liam – Por favor.
Brick – Não. Eu falei que era pra você não cruzar o meu caminho, não falei?
Liam – Era de verdade?
Brick para e caminhar e Liam esbarra nele.
Brick – Eu tava usando saia e lantejoulas quando disse isso?
Liam – Não.
Brick – Então era verdade.
Liam – Isso seria engraçado.
Brick – O que?
Liam – Saia e lantejoulas, mas... Olha, foi o Sr. Frist que determinou que eu viesse.
Brick – Você chamou esse jornal de porcaria.
Liam – Sim, mas tecnicamente... Ok, eu não tenho justificativa.
Brick – A-há!
Liam – Certo, mas... (leve desespero) Foi culpa do diretor. Ele começou a falar de universidade e aí entrou Yale no meio... Eu fiquei louco. Por favor! (pausa) Olha só, eu me rebaixando e tendo que te pedir um favor. Quando isso aconteceu na história da nossa vida, ã? Ã?
Brick (pensativo) – Estamos cheios.
Liam – O que?
Brick – Não há vagas, estamos cheios.
Liam – Mas você disse que pode criar cargos.
Brick – Mas estamos cheios.
Liam – Eu não me importo.
Brick – Então tudo bem pra você trabalhar no chão?
Liam – Sim.
Brick – Tudo bem pra você trabalhar no chão vomitado ali no canto que o zelador acabou de limpar da Amy, que tava passando mal?
Liam – Não ligo.
Brick – Em meio às moscas, ratos e baratas, podendo correr riscos de pegar doenças sérias e venéreas?
Liam – Ok.
Brick – Ok, Foley. Terças e quintas à tarde.
Liam (esboça um sorriso) – Ótimo.
Brick – Não me desaponte.
Liam – Não vou.
Brick – Ok... Acho que terminamos por aqui.
Liam sai da sala, mas volta em seguida.
Liam – Só uma dúvida... Qual será o meu cargo, já que disse que o jornal está cheio?
Brick – Só vou decidir isso semana que vem, já que a edição dessa quinzena sai amanhã e não temos matérias por enquanto.
Liam – Certo então.
Brick – Te manterei informado. Ou não.
Liam – Olha, Brick... Apesar de tudo eu quero te agradecer e...
Brick (corta) – Me poupe, Foley!
Brick sai e Liam permanece ali parado por alguns instantes.
Corta para:
Bronx High – Ext. Tarde
Ouvimos o som do sinal tocando. Há movimentação de alunos saindo do colégio. Do outro lado da rua, vemos Leo parado ao lado de seu carro. Ele fala ao celular.
Leo – Ok, Moniquinha linda do meu coração. Eu te agradeço por xingar o cara e por colocar tudo a perder. É isso que queria ouvir? (pausa)
[música: “Watch Over You” – Alter Bridge]
Uma mulher está próxima a Leo. Ele passa a admirá-la.
Leo – Então tá certo. Amanhã a gente conversa então. (pausa) Beijo.
Leo desliga seu celular, o guarda no bolso da calça e mantém as mãos no bolso. Ele vê a mulher ajeitar o cabelo. Ela o olha rapidamente e mantém o olhar direcionado para a porta do prédio. Leo esboça um leve sorriso e olha para o lado, disfarçando. Ao olhar de volta, pega a mulher olhando pra ele. Ela desvia o olhar e Leo se aproxima.
Leo – Que demora...
Mulher – Verdade. Já estou ficando impaciente.
Leo – E eu! (pausa longa) Mas então...
Mulher (com um leve sorriso) – Sim?
Leo – Esperando...
Mulher – Minha irmã mais nova. Ela estuda aí e eu só vim porque ela está passando mal. Sabe, vim buscar ela de carro caso passe mal pelo caminho.
Leo – Sei...
Mulher – E você? Esperando...
Liam (chegando de surpresa) – Hey!
Leo (apontando para Liam) – Ele.
Mulher – Legal. Também veio buscar seu irmão mais novo?
Leo (abraçando Liam) – Não, ele é meu filho.
Mulher (impressionada) – O que? Filho?
Liam – Pena que eu não pude escolher o pai que eu queria, maaaas... Tenho que me contentar com o que tenho.
Mulher (ainda impressionada) – Meu Deus! Mas você... Mas você é muito novo pra ser pai.
Leo – É verdade, mas... Fazer o que? Ah, meu nome é Leo, a propósito.
Mulher – Julia Simon.
Leo – Então, Julia... Muito prazer em conhecê-la.
Julia sorri, ainda impressionada, enquanto Liam e Leo entram no carro. Corta para dentro do carro de Leo, que logo parte.
[música é cortada lentamente]
Liam – Quem é ela?
Leo – Julia.
Liam – Eu ouvi essa parte.
Leo – Acabei de conhecer.
Liam – O que, veio buscar a filha? Meu Deus, ela também foi mãe aos 16 anos?
Leo – Não, nada disso. Ela veio buscar a irmã mais nova que está passando mal.
Liam – Ah, deve ser a Amy.
Leo – E essa Amy é gente boa?
Liam – Olha, eu ainda não conheci ela. Mas o Brick me garantiu que ela ficou na enfermaria o dia todo vomitando.
Leo – Peraí. Estou tendo alucinação braba ou você falou um nome proveniente das trevas?
Liam – Sim, eu tive que falar com ele. Afinal, a partir de agora farei parte do jornal da escola.
Leo – Que máximo!
Liam – Que péssimo!
Leo – Eu já fiz parte do jornal da escola.
Liam – Eu fui obrigado a fazer isso.
Leo – Mas a gente não fazia nada na sala.
Liam – Mas só porque o Ethan me ajudou com meu texto.
Leo – Acho que a sala que eu ficava ainda deve feder a pizza.
Liam – E por que você saiu do jornal?
Leo – Porque a Brenda engravidou de você.
Liam – Ah, sim. Me desculpa por ter atrapalhado seu dom jornalístico.
Leo – Tudo bem, eu não servia pra fazer nada lá mesmo. Mas depois você me paga. (pausa) Mas me conta. Por que você foi parar no jornal?
Liam – Por causa de Yale.
Leo – Ah, sim.
Liam – E como foi no trabalho? Eu lembro que antes da reunião você me ligou em pânico.
Leo – Só a Monica tentando acabar com a minha vida, mas deu tudo certo graças a Deus.
Liam – Então não vamos mais morar no carrinho de compras do mercadinho?
Leo – Não.
Liam – E nem cuspir na lata? (Leo sorri) Yes!
Corta para:
Dixon’s – Int. Noite
Vemos Aiden sentado num banco, apoiado com o cotovelo na mesa e o queixo na mão. Notamos Emily sentada ao lado dele e a lanchonete vazia.
Aiden – Mas eu só as coloquei mais pro canto! Eu pensei que assim todos ficariam privilegiados com a visão da janela.
Emily – A visão da janela é a praça.
Aiden – E daí?
Emily – Daí que a praça é o centro da cidade. E toda rua desemboca na praça. Ou seja: sempre vemos a praça. Seja aqui dentro ou lá fora, de um jeito ou de outro, com as mesas aqui ou como eram antes.
Leo e Liam entram.
Liam – Aquele golpe não foi macete, juro!
Leo – Tá bom, vou fingir que acredito. (olhando ao redor) Ei! (Leo e Liam param) Tem algo estranho aqui.
Aiden (girando os olhos) – Mais um...
Liam – Também acho.
Aiden – E mais um...
Emily – Aiden mudou as mesas de lugar.
Leo – Não, a disposição é a mesma. (olhando ao redor) É outra coisa.
Aiden (à Emily) – Viu?
Emily – Ele as moveu quatro centímetros.
Leo – Sabia que tinha algo estranho!
Emily (a Aiden) – Viu?
Liam – Sim, a acústica está péssima aqui.
Aiden – O que aconteceu com vocês? Também ficaram loucos?
Leo – Sim.
Liam – Aiden, quer um conselho?
Aiden – De você? Não.
Leo – Aiden, quer um conselho?
Aiden – De você muito menos.
Leo (com as mãos na cintura) – Que absurdo!
Emily – Aiden...
Aiden – Também não.
Emily – Mas eu já te disse que se você botar as mesas de volta, a clientela volta.
Leo – É isso mesmo. Eu ia comer aqui agora, mas como a acústica está péssima, só volto quando as mesas estiverem em seus devidos lugares. Imagina se alguém ouve o ronco do meu estômago por causa de quatro centímetros!
Liam – Pessoas morrem hoje em dia por causa de quatro centímetros.
Aiden (irritado) – Bando de loucos! Querem saber? Eu ponho tudo de volta. Tá vendo?
[música: “Under Cover of Darkness” – The Strokes]
Aiden vai empurrando bruscamente as mesas e suas devidas cadeiras.
Aiden – Aqui, aqui, tá vendo? Tô arrumando só pra vocês pararem de me torrar a porcaria do saco!
Leo (respira fundo) – Agora sim.
Liam – Tudo está ficando em seu devido lugar.
Aiden (abrindo os braços) – Satisfeitos?
Leo (abrindo os braços) – Vem cá, agora me dá um abraço e fique manso. (Aiden o encara)
Emily – Agora sim.
Leo abraça Aiden inesperadamente e segura a cabeça dele em seu ombro com as duas mãos.
Leo (de olhos fechados/ ainda abraçando Aiden) – Relaxa, cara. O povo logo vai voltar. (pausa/ abre os olhos) Eu te amo, sabia? (Liam e Emily riem/ Aiden se solta e ajeita sua camisa)
Emily (rindo) – E pode deixar que eu aviso à Olivia.
Leo – Ah, sim. E ela por sua vez, avisará toda a cidade em questão de segundos. (dando algumas tapinhas no ombro de Aiden) Pode ficar tranquilo, meu caro amigo.
Aiden – Vocês são doentes mentais e também fazem parte do bando.
Leo – Isso é verdade, meu amigo, mas... Agora desce aquele x-burguer que só você saber fazer.
Liam – E eu vou querer o mesmo. Mas capricha na maionese hoje.
Leo – E traz refrigerante também. E você, Emily? Não vai querer nada?
Emily – Não, obrigada.
Leo – Traz o mesmo pra ela.
Emily – Não precisa, eu não posso comer essas coisas. Obrigada.
Leo – Aiden.
Aiden – Sim?
Leo – Traz pra ela também.
Aiden – Ok. (vai para a cozinha)
Emily – Tá maluco, garoto?
Leo – Só hoje.
Emily – Não posso ficar comendo essas porcarias que vocês comem.
Leo – Pelos garotos Foley, vai. (Emily cruza os braços) Por mim?
Liam – Só hoje!
Leo e Liam fazem cara de cão abandonado.
Emily (respira fundo/ rindo) – Tá bom...
Os três se sentam à mesa e Aiden volta.
Aiden (põe sua toalhinha no ombro) – Pronto. O Bill já está preparando.
Aiden se senta com eles e os quatro conversam. O som deles vai diminuindo aos poucos até ser cortado, dando lugar à música.
FADE OUT
- - - - - - - - - - - - - - -
OPENING CREDITS
Starring:
Aiden Turner AS Leo Foley
Asher Book AS Liam Foley
Cameron Mathison AS Aiden Dixon
Chris Warren Jr AS Ethan Morgan
Jane Sibbett AS Monica Führ
Piper Perabo AS Emily Drewan
Kathy Bates AS Kelly Foley
Special Appearance:
Victor Garber AS Grayson Foley
Guest:
Robbie Amell AS Brick Hawkins
Mark Doerr AS Adam Miler
Richard Books AS Homem #2
Dann Florek AS Homem #3
Betty White AS Olivia
Megan Mullally AS Secretária
Timothy Busfield AS Sr. Frist
Dilshad Vadsaria AS Julia Simon
Created by: Eduardo Avellar
Written by: Eduardo Avellar
Music Theme: "Where the Lines Overlap" performance by Paramore
Music end of episode: "Black Horse and the Cherry Tree" performance by KT Tunstall
Soundtrack:
"First Day of the Rest of Our Lives" – MxPx
"Be My Escape" – Relient K
"Watch Over You" – Alter Bridge
"Under Cover of Darkness" – The Strokes

END CREDITS
FOLEY BOYS™ 1x04: NOTHING IS RIGHT
©COPYRIGHT 2011 - ALL RIGHTS RESERVED
Relacionados

0 comentários: